Silvinho liberado

Coluna postada em 29/04/2016 por fernando

 

A Chapecoense não engoliu a suspensão por quatro jogos sofrida por Silvinho, movimentou seu departamento jurídico e entrou com efeito suspensivo. Levou a melhor.

Na quinta-feira o efeito foi acolhido e o jogador está liberado para jogar neste final de semana.

Mesmo com todas as críticas dirigidas a Silvinho, pelos torcedores e imprensa, o técnico Guto Ferreira acredita no jogador e podem ter a certeza que ele entrará em campo no jogo de domingo em Joinville. Na primeira substituição ele será chamado.

A suspenção aconteceu devido a troca de socos entre ele e Rafael Moura no jogo contra o Figueirense em Florianópolis. Eu achei a pena de quatro jogos muito pesada. Creio que dois jogos já seriam suficientes.

Será que Silvinho poderá se transformar no herói da decisão? Quem sabe.

Silvinho na rede

Gostaria muito de ver o Silvinho carimbando a rede do Joinville, seu clube até o ano passado, mas a rede que me refiro é a internet e suas redes sociais.

Quando foi postada a informação de que Silvinho poderá jogar devido ao efeito suspensivo movido pela Chapecoense, as manifestações começaram imediatamente.

A maioria esmagadora delas criticando a sai liberação, demostrando tristeza pelo fato de o atleta estar apto para o jogo.

Realmente a imagem de Silvinho perante o torcedor está bastante arranhada.

Nada melhor do que uma decisão para refazer laços e melhor o relacionamento, assim como pode afundar de vez.

Teve gente comparando ele ao Gabirú do Inter, e esperando que ele se transforme em herói. Será?

Coluna postada em 29/04/2016 por fernando

De todas as decisões que acompanhei em 11 anos de Campeonato Catarinense esta é a que mais carrega mistérios.

Portões fechados nos dois estádios. Muito exercício na busca de informações por parte dos repórteres e algumas apostas que poderiam ser improváveis na semana passada, mas que agora ganham força.

Por exemplo, aumentam as apostas sobre a presença de Neto na zaga da Chapecoense, apesar de todas as notícias estarem relacionadas a uma nova lesão.

Outros apostam que no ataque o comandante será Kempes.

Outra vertente aposta na composição de um meio de campo mais compacto, com a presença de mais um volante, mudando o jeito de jogar da Chapecoense.

Quem deu uma pista de que a Chapecoense pode mudar foi o Ananias, quando disse na sua entrevista coletiva na semana que ele acreditava que a Chapecoense precisa surpreender.

E as dúvidas e os mistérios serão carregados até uma hora antes do jogo, quando as escalações serão divulgadas.

Fosse antigamente, as escalações somente seriam liberadas na hora de entrar em campo, um expediente muito utilizado no passado recente.

O certo é que Guto Ferreira está aprontando alguma. Ele não iria fechar os treinos, se recolher tanto, se não fosse para mostrar alguma novidade.

E na verdade a Chapecoense realmente precisa jogar diferente do que vinha jogando nos últimos jogos em que foi detectada a queda de rendimento.

Acredito em um time mais compacto na meia cancha e com um novo posicionamento defensivo.

A grande mudança mesmo, a mais necessária, está relacionada a postura do time em campo. A Chapecoense precisa propor mais o jogo e podem apostar que isso vai acontecer.

 

FOTO – LAION ESPINDULA – globoesporte.com 

Coaching

Coluna postada em 27/04/2016 por fernando

 

O que significa? “Coaching é um processo que visa elevar a performance de um indivíduo (grupo ou empresa), aumentando os resultados positivos por meio de metodologias, ferramentas e técnicas cientificamente validadas, aplicadas por um profissional habilitado (o coach), em parceria com o cliente (o coachee).

O processo de coaching leva o cliente a novos entendimentos, alternativas e opções capazes de fazer com que ele amplie suas realizações e conquistas.

Começo a coluna com esta informação, que julgo importante, pois a Chapecoense traz para Chapecó, mais uma vez e no momento mais importante da temporada até aqui, o profissional Gustavo Evangelista, para aplicar as técnicas acima citadas, junto ao elenco de jogadores e comissão técnica da Chapecoense. A presença de Evangelista não é uma novidade, pois ele já esteve aqui em outras oportunidades. Ele fez cursos junto ao Barcelona e já prestou serviços para importantes equipes do nosso futebol.

O futebol de modernizou e muito nos últimos tempos. Ferramentas modernas são utilizadas a todo o momento e dentro do futebol foram criadas muitas técnicas que chegam as grandes empresas para serem ampliadas.

Dentro de um conjunto de situações as técnicas de motivação se mostram importantes para criar uma sinergia na busca do grande objetivo, no caso da Chapecoense, ser campeã estadual.

Em outras oportunidades a Chapecoense já se valeu de auxílios de profissionais desta área para abrir os horizontes dos seus profissionais.

As técnicas de motivação, somente elas, não ganham jogos ou campeonatos, mas sem elas pode ser mais complicado e claro, não prejudicam em nada, muito antes o contrário.

Alguns dirão que é frescura, algo desnecessário, uma perda de tempo, pois antigamente o que ganhava jogo era uma porrada na mesa e o técnico mostrando que quem mandava era ele e ninguém mais. Aos que pensam desta forma gostaria que reformassem suas ideias, pois o mundo de moderniza a cada segundo e os que ficam parados no tempo acabam atrapalhando.

Boa iniciativa da Chapecoense.

 

Números e comparações

Coluna postada em 26/04/2016 por fernando

Quando chega a decisão as comparações entre as duas equipes é inevitável.

A tentativa é traçar um parâmetro e desta forma estabelecer um favoritismo.

Alguns números que me interessam: Aproveitamentos no 1º turno, Chapecoense 85,2% e Joinville 29,6%. Aproveitamentos no 2º turno Joinville 85,2 e Chapecoense 51,9%.

As conquistas de turno foram exatamente iguais, mas o pior momento foi do Joinville, pois quando a Chapecoense caiu, mesmo assim teve mais 50% de aproveitamento.

Pode-se levar em consideração que o melhor momento do Joinville está exatamente na segunda perna da competição, ou seja, chega mais embalada. Deve ser levado em consideração.

No campo das probabilidades, mesmo com o momento melhor do Joinville, a matemática do regulamento determina que o segundo jogo seja em Chapecó e que a Chapecoense jogue por dois resultados iguais.

Coloco tudo na balança, sem nenhuma capacidade matemática, apenas com o olhar que quem acompanhou todo o campeonato, olhando os elencos, seus atributos e defeitos, seus técnicos e tenho a impressão de que a Chapecoense leva uma pequena vantagem na decisão.

Nada que possa transformá-la em favorita, mas o regulamento lhe é mais favorável.

O único fator que pode desequilibrar tudo é uma placar de goleada promovido pelo Joinville na sua casa. Se lá o Joinville realizar um jogo diferenciado e a Chapecoense não estiver atenta, o JEC virá para Chapecó apenas para buscar o troféu.

Tabus, histórias, foguetório, retrospecto, nada disso vai entrar em campo.

A história de todo o campeonato será escrita em dois jogos. O que foi feito, serviu apenas para escolher dois. Agora é com eles.

 

Tabela Desmembrada

Coluna postada em 25/04/2016 por fernando

A CBF desmembrou hoje a tabela da Série A 2016 até a 11ª rodada.

Veja os jogos da Chapecoense:

 

1-  15 de maio – domingo às 18:30 – Inter x Chapecoense no Beira Rio.

2-  22 de maio- domingo às 16 horas – Chapecoense x América Mineiro.

3-  25 de maio – quarta-feira às 21 horas – Flamengo x Chapecoense em local a ser definido.

4-  28 de maio – sábado às 21 horas – Chapecoense x Santa Cruz.

5-  01 de junho – quarta-feira às 21 horas – Coritiba x Chapecoense no Couto Pereira.

6-  04 de junho – sábado às 20:30 – Chapecoense x Fluminense.

7-  11 de junho – sábado às 16 horas – Ponte Preta x Chapecoense no Moisés Lucarelli.

8-  16 de junho – quinta-feira às 20 horas – Chapecoense x Grêmio.

9-  19 de junho – domingo às 16 horas – Vitória x Chapecoense no Barradão em Salvador.

10-  22 de junho – quarta-feira às 19:30 – Chapecoense x Atlético-PR.

11-  26 de junho – domingo às 18:30 Sport x Chapecoense na Ilha do Retiro em Recife.

Derrota na Terra do Carvão

Coluna postada em 25/04/2016 por fernando

Criciúma 3×2 Chapecoense

 

Faz mais de mês que a Chapecoense não vence no Campeonato Catarinense de Futebol. Com o chamado time alternativo a Chapecoense não conseguiu realizar um bom trabalho e saiu derrotada e não foi por mais porque o goleiro Marcelo Boeck realizou quatro grandes defesas, mas defesas exuberantes. Teve ainda uma última, no derradeiro ataque do jogo em que Elvis foi fominha e facilitou a vida do bom goleiro da Chapecoense.

Sobre o jogo e suas individualidades. Os dois zagueiros, Rafael Lima e Marcelo, foram muito mal. O ala Claudio Winck fez um gol o que salvou a sua noite. No meio o Josimar tentou, mas lhe faltou parceria. Um dos bons destaques foi Rodrigo Andrade, esforçado e com qualidade na condução e na bola parada. O grande desastre foi Silvinho. Que pena. Já teve muitas chances e não aproveitou nenhuma delas. Dois destaques para Hyoran e Kempes. Não foram brilhantes, mas fizeram a sua parte.

Como esse time não vai entrar em campo na decisão eu fico bem mais tranquilo. Fosse essa a formação titular estaríamos fritos em banha rasa.

A desconfiança paira sobre a Arena Condá. Torcedores estão bastante desconfiados, mas o mesmo não está acontecendo, segundo o técnico Guto Ferreira, no vestiário da Chapecoense, que inclusive decretou que a negatividade é um peixe que está sendo vendido pela imprensa.

Agora é uma semana de muito trabalho visando o primeiro jogo. Um de cada vez, pois se der desastre no primeiro a reversão no segundo encontro fica muito complicado.

Time alternativo? A Chapecoense não o tem.

Copa do Brasil Sub-17: Chape garante classificação

Coluna postada em 19/04/2016 por fernando

 

Na tarde desta terça-feira (19), os juvenis da Chapecoense entraram em campo pela partida de volta da segunda fase da Copa do Brasil. Após a vitória no confronto em Chapecó, o sub-17 sabia das dificuldades que enfrentaria no duelo em Niterói, contra o Botafogo.

No jogo realizado no Estádio Caio Martins, a Chape saiu na frente aos 6 minutos, com o Luiz Pedro. O Botafogo empatou com Guga. Antes do terminar a primeira etapa, Lima fez o segundo gol da Chape.

No inicio do segundo tempo, o Botafogo igualou o marcador com Luan. Aos 26 minutos, a equipe carioca chegou ao terceiro gol, novamente com Luan. Vitória do Botafogo por 3 a 2. No placar agregado dos dois jogos, 6×3 para a Chapecoense que garantiu a classificação.

O adversário da Chape nas quartas de final será definido nesta quarta (20), quando Corinthians e Coritiba se enfrentam no confronto da volta. Na partida de ida, a equipe paulista venceu por 2 a 1.

FOTO E TEXTO – Assessoria de Imprensa Chapecoense – Giba Thomaz. 

 

Cala-te

Coluna postada em 19/04/2016 por fernando

O que eu ouvi e li, vindo de Florianópolis, relacionado a derrota da Chapecoense para o Joinville me deixou extremamente indignado.

O exercício do jornalismo, em todas as editorias, precisa ser realizado com extrema responsabilidade.

Quem sabe, devido à baixa remuneração da categoria ou pela capacidade que a profissão tem em criar personalidades deformadas pela falta de humildade e pela prepotência, a qualidade da opinião e da informação tenha desabado. Tem muita gente boa trabalhando, mas tem muito bandido armado de microfone e caneta.

Disseram que a Chapecoense perdeu propositalmente para desta forma escolher o adversário, para fugir do Figueirense.

Uma declaração dessas cria uma clima muito ruim entre Chapecoense e Joinville.

O Figueirense não está na decisão não pela derrota da Chapecoense, mas sim por sua falta de qualidade.

Uma equipe que tem um atacante que foi expulso duas vezes em cinco jogos e disse para o árbitro que desejava o cartão vermelho para não jogar mais o Campeonato Catarinense, que tem outro atacante que está mais tempo no departamento médico do que em campo e que é tratado como craque e que tem um técnico que ano passado quase enterrou a Chapecoense e que disse ontem que o empate do seu time com o Camboriú, conquistado na base de um grave erro de arbitragem, foi bom e que seu time jogou muito bem, não pode chegar a uma decisão.

A Chapecoense está na decisão porque atropelou todos em grande parte da competição. O Joinville está na decisão porque passou por cima de todos no returno. São os dois melhores. O Figueirense não passou de um coadjuvante.

É muita falta de respeito e de responsabilidade profissional.

Racismo

Coluna postada em 19/04/2016 por fernando

 

Um torcedor da Chapecoense chamou o massagista da Chapecoense de macaco filho da p***. Injuria racial.

Um grupo de torcedores se fixou atrás da casamata da Chapecoense e lá disparou uma série de palavrões contra a comissão técnica. Tudo foi relatado na súmula.

O Tribunal de Justiça Desportiva de SC recebeu a denúncia e a Chapecoense vai a julgamento.

O caso de racismo foi denunciado pelo supervisor Chinho Dodomenico e pelo massagista Serginho, ou seja, a Chapecoense denunciou a própria Chapecoense.

O racismo é injustificável e a pessoa precisa ser identificada. O que fizeram com o Serginho não tem justificativa.

O erro foi relatar o acontecido para arbitragem, pois o fato era caso de polícia, para registro de BO e não uma delação para ser julgada pelo TJD. O problema é muito sério.

O fato ganhou repercussão nacional. Tomara consigam identificar o torcedor.

A delação para a arbitragem foi um tiro no pé.

 

Joinville leva o returno

Coluna postada em 18/04/2016 por fernando

 

Chapecoense 1×3 Chapecoense.

 

Com uma rodada de antecedência e com oito pontos de vantagem sobre a Chapecoense o Joinville ganhou o returno com muita justiça.

A Chapecoense despencou em campo, foi neutralizada facilmente pelo adversário e demostrou que a fase é muito ruim.

O que me preocupa é que na saída de campo alguns jogadores da Chapecoense disseram que o time jogou melhor do quer o Joinville. Como assim? Levou 3×1 e jogou melhor?

Disseram que a bola parada decidiu o jogo. Sim, e daí? Bola parada não vale?

A Chapecoense chega em situação de inferioridade para a decisão, o momento é do Joinville, que está jogando mais efetivamente e precisará se reencontrar e terá duas semanas para isso.

A vantagem do regulamento é da Chapecoense, pois joga por dois resultados iguais e terá o segundo e definitivo jogo em Chapecó. O problema está no campo.

O torcedor está desconfiado e triste com seu time. Será preciso que a diretoria promova uma iniciativa capaz de juntar time e torcida, mais ou menos como aconteceu no ano passado quando perdeu para o Sport em Recife.

Agora o momento exigirá muita força e poder de organização por parte da Chapecoense.

Primeiro terão de reconhecer que o time está jogando pouco e chamar o torcedor para junto do time, caso contrário, vai ficar muito complicado.