Vitória e liderança

Coluna postada em 01/03/2015 por fernando

Chapecoense 3×0 Atlético Ibirama

A primeira etapa foi sonolenta, chata e arrastada, parecendo um amistoso daqueles bem muquiranas.

Já na segunda etapa a situação foi bem diferente. A Chapecoense foi mais incisiva, jogando verticalmente e fazendo três gols, dois com Roger e um com Bruno Rangel, todos de atacantes de área. Aliás, a Chapecoense está muito bem servida de atacantes.

Coletivamente a primeira etapa foi fraca devido ao calor e a uma acomodação normal frente a um adversário muito limitado.

Já na segunda etapa a situação foi bem diferente, coletivamente muito mais efetiva e jogando com leveza e felicidade, fazendo a bola rolar e dando um show no seu adversário na segunda etapa.

A liderança está garantida, independente da derradeira rodada que acontecerá na quarta-feira.

Desta forma a Chapecoense mostra sua superioridade.

Agora mais um jogo e depois o campeonato vai começar de verdade na fase semifinal da com petição, quando os jogos ganharão importância e cada um deles será uma decisão.

A Chapecoense precisa ainda de alguns detalhes para se  mostrar pronta para a perna mais importante da competição. É mais médico do que tático, pois em campo está tudo certo.

A volta de Rangel

Coluna postada em 26/02/2015 por fernando

Escrevi aqui na semana passada que Bruno Rangel necessitava de um trabalho especifico para voltar a ser o que foi no passado recente, um goleador nato.

Outros colegas também abordaram o tema.

Não sei se a diretoria conversou com ele ou não, mas logo após marcar contra o Metropolitano ele desabafou nas redes sociais e nos microfones da imprensa local, dizendo que estava vivo e forte. A cutucada valeu a pena!

Dois jogos e dois gols com a marca de jogador de área, na sua especialidade.

Com dois atacantes fortes, Bruno Rangel e Roger, uma imensa pulga se instala solenemente atrás da orelha do técnico Vinicius Eutrópio, que acaba de receber em suas mãos o chamado bom problema para resolver.

A diretoria de futebol da Chapecoense e os técnicos que trabalharam aqui no ano passado e agora com Vinicius, sempre defenderam a tese de que Bruno Rangel, ao se transferir para o Catar, não realizou uma pré-temporada de qualidade e os reflexos negativos o acompanharam a temporada passada toda.

Agora, após a realização de trabalhos bem executados antes de a bola rolar, ele voltou a ser o que era, ou pelo menos deixa a imagem que está voltando com tudo.

Trata-se de um profissional correto e que merece atenção especial.

Uma das melhores notícias deste início de temporada, o ressurgir de Bruno Rangel. Que a boa temporada seja longa!

 

Afundou o Marinheiro

Coluna postada em 25/02/2015 por fernando

Marcílio Dias 0×2 Chapecoense

Uma vitória tranquila, sem sustos da Chapecoense sobre um Marcílio Dias pesado e cansado. Time de idade média muita alta tem poucas chances em uma competição com o nível de exigência do Campeonato Catarinense.

A proposta do técnico Vinicius Eutrópio foi ousada com uma montagem de uma equipe muito diferente de outras montadas para os compromissos da temporada e deu muito certo, pois o time jogou com leveza e acima de tudo as peças mostraram uma melhora na parte física, pois o jogo de ontem foi exigente na maior parte do tempo. Na 7ª rodada a Chapecoense teve duas estreias. O zagueiro Vilson e o meia Elicarlos e os dois foram bem, dentro de suas possibilidades.

A superioridade da Chapecoense é muito grande sobre o Marcílio Dias.  É muito mais time e os projetos nacionais diferentes entraram em campo de forma muito marcante.

É preciso reconhecer que a proposta do técnico Vinicius Eutrópio, em testar todo o seu elenco antes do hexagonal está correta.

Mais dois jogos, um em casa contra o Ibirama e o último fora contra o Joinville, já com a equipe classificada e com a possibilidade de experimentar.

Um começo de temporada espetacular.

É hora de elogiar, sim.

 

Na paleta

Coluna postada em 24/02/2015 por fernando

O zagueiro Rafael Lima da Chapecoense está marcado pela arbitragem. Muito cuidado.

A primeira demonstração aconteceu no jogo contra o Metropolitano quando ele foi expulso, de forma direta, sem ter cartão amarelo. Consta na súmula do jogo que ele proferiu palavras ofensivas ao assistente Kleber Lúcio Gil, que delatou a situação ao árbitro Héber Roberto Lopes, que tratou de expulsá-lo. Foi à primeira expulsão de Rafael Lima na Chapecoense. Ele é o capitão do time. Tem gesticulado muito nos jogos, tem falado bastante com a arbitragem e isso precisa mudar.

Reclamar de arbitragem de nada adianta. O capitão precisa de uma postura de autoridade e não de um contestador apenas

Com certeza Rafael Lima tem capacidade para ser capitão de verdade. Colegas que ficam atrás do gol relataram que estão impressionados desde o inicio do ano com as reclamações dele.

Não resta a menor dúvida de que a arbitragem estava atenta as suas atitudes. Assim como os times se estudam, as arbitragens também buscam informações relacionadas aos atletas de maior destaque e de como eles andam se comportando.

Sobrou para Rafael Lima e para a Chapecoense, que jogou um longo período com um jogador a menos e perdendo o jogo.

Importante destacar que Rafael Lima contesta a versão da arbitragem.

Que baita lucro

Coluna postada em 22/02/2015 por fernando

Metropolitano 1×1 Chapecoense

A Chapecoense poderia ter sido goleada na tarde de domingo em Blumenau, tamanha foi à superioridade do Metropolitano. O time da casa perdeu no mínimo cinco gols, três deles incríveis.

O Metropolitano foi melhor a maior parte do tempo. A Chapecoense foi em alguns momentos trucidada pelo adversário, porém, o tal do quem não faz leva entrou em campo e com tudo. O empate veio com uma linda jogada de William Bárbio, um passe lindo de Hyoran e gol de Rangel. Empate com sabor de vitória para a Chapecoense e com gosto de fel para o time de Blumenau.

Coletivamente foi a pior atuação da Chapecoense na competição. Do primeiro jogo para este foram oito trocas, ou seja, modificações que colocaram uma equipe muito diferente em campo e com isso mudanças muito profundas que descaracterizaram o time.

Ao final das contas sobrou um empate que não faz jus ao que apresentaram as equipes em campo, mas corou a luta da Chapecoense.

Um jogo em que Vinícius Eutrópio escalou mal e mexeu bem. Ele seguirá nas suas experiências no que, aliás, está correto.

O Metrô nos trilhos

Coluna postada em 20/02/2015 por fernando

Pois o Metropolitano de Blumenau resolveu mostrar suas qualidades no Campeonato Catarinense.

A vitória por 2×1 sobre o Avaí na Ressacada deixou claras as virtudes do time do Pingo e evidente, também mostrou suas fragilidades.

O toque de bola é sempre uma marca das equipes treinadas por Pingo. Ele gosta da bola de pé em pé, deixado o futebol bonito, mas nem sempre eficiente. Muitas vezes os jogadores pecam pelo excesso.

Não se pode deixar o Metropolitano sem marcação no seu campo. É preciso encurtar o gramado e marcar a saída de bola com eficiência. Se deixar jogar eles tomam conta de todo o campo.

O Metropolitano também sabe chutar de média distância, é preciso tomar cuidado.

De resto é uma equipe sem grandes nomes, mas bem treinada e organizada em campo. Eles precisam ser pressionados, caso contrário, se sentem bem à vontade.

Um paradoxo é que Pingo gosta mais de jogar fora do que no estádio do SESI (foto), pois segundo ele em casa o gramado é péssimo, o que é verdade, e os reclames são muitos por parte dos torcedores.

Metropolitano e Chapecoense jogam às 16 horas de domingo em Blumenau.

Vamos com calma

Coluna postada em 18/02/2015 por fernando

Chapecoense 0×1 Figueirense

 

A Chapecoense perdeu seu primeiro jogo no Campeonato Catarinense, mas segue líder e muito bem encaminhada.

Creio que a vitória do Figueirense foi construída na base de uma melhor organização em campo, foi mais efetiva na marcação de meio de campo e acima de tudo errou menos passes. A Chapecoense errou demais e pagou o preço.

No geral eu não gostei do jogo. As duas equipes tem potencial para jogar mais e melhor, pois em vários momentos o jogo beirou uma “pelada”.

Questões que não podem escapar de avaliação. Primeiro é que Nivaldo precisa buscar ritmo de jogo, normal. Na ala esquerda uma mudança é necessária com urgência, pois Dener está muito abaixo dos demais. A meia cancha se ressente da falta de Camilo. E foi um jogo terrível de Wanderson, sempre regular, mas quando ele perde seu poder de fogo o time todo acaba sentindo.

As reclamações da diretoria da Chapecoense sobre a arbitragem foram incisivas. Tem razão. O árbitro Rodrigo Dalonso Ferreira teve atuação fraca, na sua média e deixou o Figueirense deitar e rolar no antijogo.

De resto é ter tranquilidade para absorver as críticas dos mais exaltados e seguir trabalhando forme.

Mais um leão na jaula

Coluna postada em 12/02/2015 por fernando

Avaí 0×1 Chapecoense.

 

O Campeonato Catarinense tem dois leões, um baio e outro da ilha. Os dois foram batidos pelo velho índio de guerra do Oeste de SC.

No jogo de ontem à noite a Chapecoense jogou para vencer, mas foi mais econômica do que em outros jogos, seja nos gols como no talento, mas venceu e segue 100% na competição.

O gol da Chapecoense, marcado pelo goleador Ananias foi primoroso. Teve briga do Roger, um passe incrível de William Barbio e gol com a competência do goleador.

O jogo teve lesão do goleiro Danilo, com uma luxação no ombro e a entrada do descontado Silvio, pois ele também sentia uma lesão. Mesmo assim ele foi autor de três defesas monumentais que lhe valeram a escolha como o craque do jogo pela Equipe de Esportes da Rádio Chapecó AM 1330.

A vitória foi construída muito na base do coletivo, com uma doação de todas as peças, marcando, atacando em bloco e jogando como nenhuma outra equipe está jogando em SC.

O Avaí está muito longe do que precisa para ser uma equipe de Série A. Joga pouco e desorganizada.

A vitória foi merecida. O Avaí reclama dois pênaltis, mas eles não existiram.

Grolli, Tiago Luiz e outras coisas mais…

Coluna postada em 10/02/2015 por fernando

O zagueiro Grolli (foto) anoiteceu e não amanheceu em Chapecó. Não fugiu de ninguém, bom que se diga. Foi ao encontro de mais um longevo e rentável contrato, agora com o Cruzeiro. Tem estrela o Grolli!

Perde a Chapecoense um zagueiro de muita luta, muita entrega e de profunda identificação com o Verdão. Em outros times não se firmou, mas aqui, sempre foi um verdadeiro leão na área.

Agora é correr para contratar um bom zagueiro, o que já estava na pauta da Chapecoense. Grolli vai e a conta bancária dele vai ganhando mais dígitos. Merece.

O meia atacante Tiago Luiz, fez boquinha para renovar com a Chapecoense, orientado por seu procurador, resolveu dizer que havia quatro equipes atrás dele no Brasil, que o mercado dos Emirados Árabes tinha interesse nele e coisa e tal.

Quando a Chapecoense voltou a ficar interessante para Tiago Luiz, a Chapecoense lhe disse não. Foi para Abu Dhabi, Capital dos Emirados Árabes, em busca de dinheiro, o que não tem nada de errado, mas se deu mal, pois à distância lhe ofereceram um determinado valor, mas chegando lá, a oferta ficou apenas pela metade. Entrou no primeiro avião e se mandou!  Tentou retomar a negociação com a Chapecoense, mas mais uma vez recebeu não como resposta. O caminho agora é o Joinville. O JEC deve ganhar um bom jogador, com preparação atrasada e sempre no fio da navalha e um foco de problemas para administrar no vestiário.

O zagueiro Grolli é limitado, o chamaram de coitadinho, mas está no atual campeão brasileiro e com contrato de três anos.

O meia atacante Tiago Luiz, uma promessa, um Messi Tupiniquin, está correndo atrás de um clube que lhe queria e deve fechar contrato de menos de um ano. A Chapecoense não o aceitou de volta.

Depois o Grolli é o coitado! Eu mereço.

Vitória dos 100%

Coluna postada em 08/02/2015 por fernando

Chapecoense 2×0 Criciúma

 

A Chapecoense é líder, a única com 100% de aproveitamento, uma atuação sem muito brilho, mas de resultado final positivo. É o que importa? Sim.

Contra dois recém-chegados da segunda divisão estadual foi um passeio. Contra o primeiro considerado entre os grandes, uma vitória menos expressiva, sofrida e que veio apenas no final.

O Criciúma precisa melhorar e muito se deseja algo de verdade na temporada. Necessita salvar as suas apostas na base. Time fraco e mal comandado.

A Chapecoense começa a sentir a falta de Camilo na ligação de meia cancha. Não teve a mesma rapidez de outros jogos na transição.

Na largada da sequência de três jogos importantes, contra adversários ditos de mesmo tamanho, a Chapecoense já bateu o primeiro. Jogará agora na quinta-feira em Florianópolis conta o Avaí e depois do Carnaval receberá o Figueirense, de desafetos entre presidente x presidente e presidente x técnico.

Tem mais em jogo do que simplesmente três pontos. Tem algo pessoal na disputa.

Foram três jogos e três vitórias. Foram 10 gols marcados e apenas um sofrido. Início melhor, poucos imaginavam.