Campanha pela paz

Coluna postada em 29/01/2015 por fernando

Uma iniciativa bem humorada, mas com forte apelo pela paz nos estádios foi lançada em SC.

A campanha contra a violência nos estádios é uma parceria da OAB-SC com Tribunal de Justiça, Assembleia Legislativa, Ministério Público, Federação Catarinense de Futebol, Associação de Clubes, Sindicato dos Árbitros de Futebol, Associação dos Cronistas Esportivos de Santa Catarina, Polícias Militar e Civil, ACAERT e Associação Catarinense de Imprensa.

Com o slogan: “Quem é torcedor não briga”, a campanha reúne entidades muito representativas e mostra as mascotes dos clubes da Série A catarinense, magros, pálidos, com ar de doentes, pois a violência faz o futebol definhar e esvazia os estádios.

Todas as campanhas de conscientização são muito bem vindas, devem ser estimuladas e valorizadas, mas é preciso investir também em aparelhamento dos estádios, dos órgãos de segurança pública, investindo forte na prevenção.

Assim fez a Chapecoense na temporada passada. Aqui em Chapecó vários segmentos se uniram para montar um projeto de sucesso na prevenção à violência.

A cidade de Chapecó e a Chapecoense mostraram para o Brasil como se faz.

Nenhum incidente foi registrado.

A Campanha é muito inteligente, mas precisa de ações preventivas.

Richarlyson

Coluna postada em 27/01/2015 por fernando

Na manhã de hoje (terça-feira) a Chapecoense confirmou a contratação de Richarlyson, que abandonou a ideia da aposentadoria.

Jogador de muita qualidade, seja como volante, sua função de origem, ou na ala esquerda.

Está com 32 anos. Tem um currículo invejável, com conquistas de Campeonato Paulista, três Campeonatos Brasileiros, campeão da Libertadores da América e campeão Mundial de Clubes Fifa.

Uma contratação bombástica, a maior dos últimos anos. Se analisarmos o currículo do jogador, a maior de todas.

Ele esteve em atividade até o final do ano passado. Precisa, evidentemente, de um período de adaptação e de intensa preparação física.

Outra particularidade de Richarlyson é sua personalidade forte e uma liderança destacada.

Segundo disse seu procurador, Julio Fressato, o empenho da diretoria, o projeto de futuro da Chapecoense, o fato de pagar em dia e o esforço na parte financeira, tudo somado, fez com que o atleta mudasse de ideia e aceitasse o novo desafio.

Uma ligação de Vinicius Eutrópio, diretamente para Richarlyson, também teve peso na decisão.

As opiniões estão divididas em relação à contratação. Torcedores se manifestam das mais variadas formas. Na crônica parece que a maioria aprovou.

Dizem que dentro da diretoria houve alguma resistência, mas ao final prevaleceu a vontade da maioria.

Richarlyson assinou contrato até o final da temporada com a Chapecoense. Não haverá diferenciação de salários, sendo um mais baixo para o Campeonato Catarinense e outro mais elevado para a Série A.

Não se trata de aposta. Pode até não dar certo, mas a contratação é de porte.

 

Animador

Coluna postada em 25/01/2015 por fernando

A Chapecoense encerrou a sua pré-temporada com uma vitória de 3×1 sobre o Passo Fundo. Nos quatro amistosos não sofreu nenhuma derrota, foram dois empates e duas vitórias.

O time ainda não está pronto, mas o estágio na organização tática parece bastante avançado, demostrando que o elenco assimilou a proposta do técnico Vinicius Eutrópio.

Com certeza é a melhor pré-temporada de todos os tempos. O grupo está maduro e coeso, determinado a realizar um trabalho diferenciado.

Fisicamente ainda se nota a necessidade de avanços, natural, mas mesmo assim é raro ver uma equipe jogar com tanta velocidade em começo de temporada.

A pré-temporada foi toda realizada em Chapecó, nos bons gramados do CT da Água Amarela e na Arena. Não houve a necessidade de sair, realizar o trabalho longe de casa, em gramados de times amadores e com muitas improvisações.

O resultado já aparece dentro de campo.

O nível de contentamento da diretoria é grande. Todos enaltecem a maneira profissional com que atuou a direção de futebol. O planejamento financeiro que possibilitou uma ótima base para investir. A escolha do comandante técnico que rapidamente se adaptou à nova realidade. E as escolhas dos atletas, que parecem se conhecer há muito tempo. Tudo isso somado não garante conquistas, mas deixa uma margem de acerto muito maior em comparação com o ano passado.

Agora é começar a jogar para valer, no sábado, contra o Inter de Lages. A temporada promete.

A Chapecoense venceu por 3×1 o Passo Fundo com a seguinte formação: Danilo; Apodi (Lucas Machado), Douglas Grolli, Rafael Lima e Dener; Wanderson, Gil (Jajá), Barbio, Camilo e Ananias; Roger (Yuri).

Gols: Quem abriu o marcador foi Camilo, que aproveitou o cruzamento da direita de Gil e escorou de cabeça. Na sequencia foi a vez de Camilo serviu Roger dentro da área e o atacante do verdão tocar na saída do goleiro. Ainda na etapa inicial Wiliam Barbio invadiu a área pela direita e chutou cruzado para ampliar. Cleverson, campeão estadual com a Chapecoense em 2011, descontou para o Passo Fundo.

 

FOTO – CLEBERSON SILVA/CHAPECOENSE.

 

Animados

Coluna postada em 22/01/2015 por fernando

Uma declaração do presidente da Chapecoense, Sandro Pallaoro, deixa evidente o nível de satisfação da diretoria em relação ao elenco montado.

Disse ele: – Contratamos os jogadores que nós queríamos.

Ou seja, a Chapecoense foi ao mercado, com escolhas feitas e todos ou quase todos eram as primeiras opções.

E foram 13 contratações até aqui. O planejamento foi montado e cumprido a risca.

Sempre foi difícil para a Chapecoense contratar. A concorrência sempre foi desleal. Faltavam dinheiro e nome no mercado. O nome foi construído na base da seriedade e dos pagamentos rigorosamente em dia. O mercado fica sabendo com muita rapidez quem é sério e quem é desonesto.

O dinheiro veio com a inserção nacional, das contas em dia, dos impostos pagos e das negativas capazes de captar dinheiro de órgãos governamentais.

Diretoria animada e grupo trabalhando feliz. Tudo encaminhado para uma grande temporada.

Calendário

Coluna postada em 20/01/2015 por fernando

Mais tempo de férias e com mais espaço para planejar uma pré-temporada, a tendência é de que as equipes comecem os regionais com mais desenvoltura do que em anos passados.

Mais do merecidas as férias de um mês inteiro aos jogadores e integrantes de comissões técnicas.

Eu que cobri de ponta a ponta a temporada, sei que se chega a final do ano esgotado de tantas viagens. Imagine quem joga quem realmente se desgasta nos gramados.

A Chapecoense parece ter contratado um grupo bastante homogêneo no que se refere às condições físicas dos atletas. Os rendimentos em campo, apesar do pouco tempo de trabalho, mereceram elogios. Parece ser um grupo que se preserva. O zagueiro Rafael Lima, por exemplo, adquiriu um equipamento para manutenção de sua forma física ao longo das férias. Profissionalismo.

Está muito nítida a postura do departamento de futebol da Chapecoense em ser muito criterioso nas contratações e evitar a administração de atletas sem comprometimento.

Alguns defendem que os times precisam de bons jogadores, que eles precisam resolver em campo e fora dele o que eles fazem não interessa, como se o rendimento não fosse afetado. Chegam a dizer que não querem eles para genro e sim para jogar bola. Fala isso quem não precisa administrar os estouros com polícia, vizinhos e donos de casas noturnas. Sem falar na indignação dos atletas de verdade que acabam pagando a conta.

A pré-temporada da Chapecoense é diferenciada, feita em casa e sem desgastes.

Ousadias e retrações

Os elencos que formam a elite do futebol catarinense reservam espaço para muitas analises.

O Inter de Lages é a grande sensação. Contratou Marcelinho Paraíba e agora o goleiro Fernando Henrique. É a grande incógnita da competição. Se der certo será avassalador. Se der errado, será o grande mico do ano. Arriscado. O Inter subiu com o Guarani da Palhoça, que está investindo modestamente. Difícil se manter.

O Metropolitano repete o noticiário de todos os anos. Sempre as mesmas metas que jamais são alcançadas. O projeto necessita de um empurrão.

Em Ibirama nenhuma grande novidade. Elenco modesto e sempre a esperança de que pode surpreender. Pouco animador.

O Marcílio Dias montou um elenco bem interessante. Muitos veteranos, Guilherme Macuglia para controlar a rapaziada. Tem as melhores possibilidades para ser o sexto elemento.

Dos cinco grandes quem se retraiu foi o Criciúma. Quem mais se mexeu foi a Chapecoense. O Avaí está com o pé em cima. O Joinville investe sem grandes impactos. O Figueirense ainda está enrolado nas questões administrativas. O campeonato será interessante, resta saber se a qualidade estará presente.

 

No Colosso

Coluna postada em 18/01/2015 por fernando

Ypiranga 0×2 Chapecoense

Gols marcados por Bruno Rangel (4:30) e Hyoran (09:00), da segunda etapa.

Um detalhe, a vitória foi construída na segunda etapa, quando a Chapecoense jogou com sua equipe reserva, contra a mesma equipe do Ypiranga que havia empatado em 0×0 a primeira etapa contra a equipe considerada titular no momento.

Esquentou o salutar clima de competição interna na busca por uma vaga no time titular.

O técnico da Chapecoense, Vinicius Eutrópio, Soube avaliar com clareza após o jogo, tanto o resultado como o comportamento de todo o seu elenco.

O primeiro tempo de jogo foi muito prejudicado pela condição do gramado, já que minutos antes de a bola rolar um dilúvio caiu sobre o Colosso da Lagoa.

Na segunda etapa o campo estava melhor, mais seco e deu melhores condições de movimentação.

Em comparação com o jogo de Passo Fundo a Chapecoense jogou diferente na primeira etapa. Esteve distribuída com alterações nas alas e no meio de campo. Ficou mais compacta defensivamente, mas perdeu a velocidade apresentada no primeiro amistoso, que também foi realizado com gramado molhado.

Os amistosos servem exatamente para que experimentos sejam realizados. Os resultados pouco importam. É preciso sim ter clareza na leitura da proposta do técnico e nas individualidades dos atletas.

Agora serão dois jogos em casa, sexta-feira contra o Ypiranga e no sábado contra o Passo Fundo.

 

Mais um teste

Coluna postada em 16/01/2015 por fernando

Tarde de sábado para a Chapecoense testar mais uma vez seu elenco e fazer a bola rolar, que é efetivamente o que os jogadores mais gostam e nós também.

O adversário é o Ypiranga de Erechim no estádio Colosso da Lagoa (foto), parceiro de longa data e que nas pré-temporadas sempre surge como adversário em algum amistoso.

Um bom teste, cidade próxima a Chapecó, já serviu de casa para a Chapecoense na largada da Série B e desta forma torna fácil o deslocamento até mesmo dos torcedores.

Serão quatro amistosos antes de a bola rolar de verdade para a temporada 2015. O planejamento me parece bastante adequado e coloca o time em movimentação.

Acredito também que o técnico Vinícius Eutrópio utilize menos atletas do que no jogo contra o Passo Fundo, quando trocou todo o elenco no intervalo.

Uma mudança deve acontecer no meio de campo com a entrada de Gil no lugar de Abuda, pelo menos foi isso que se viu no treinamento de ontem.

O time titular da Chapecoense no treino de sexta-feira teve a seguinte formação: Danilo; Mateus Caramelo (Apodi), Rafael Lima, Grolli e Dener; Wanderson, Gil, Wiliam Barbio, Camilo e Ananias; Roger. Uma mudança desde o início e uma troca apenas com a bola rolando, já deixando claras as intenções e escolhas do técnico.

Sem rodeios e firulas. Bom assim.

Pra começo de conversa

Coluna postada em 15/01/2015 por fernando

Fim de férias. Hora de recomeçar as atividades com força total.

Estive em Passo Fundo e acompanhei o amistoso da Chapecoense contra o EC Passo Fundo no Estádio Vermelhão da Serra. O placar de 0×0 esconde a verdade.

O primeiro tempo foi muito interessante. As duas equipes tiveram um comportamento muito positivo, mostrando movimentação acima da média para um amistoso.

O Passo Fundo Já está treinando a mais de um mês e já demostra desenvoltura no gramado. Vai crescer ainda mais e pode sim realizar uma bela campanha na elite do futebol gaúcho. O projeto lá é de retomada dos bons tempos e estão utilizando a Chapecoense como fonte de inspiração.

A Chapecoense está treinando há apenas uma semana. Falta muita coisa ainda, mas não faltou vontade e aplicação. A equipe da primeira etapa, mesmo travada pela volta recente e pelos trabalhos físicos que apenas estão começando e por ser a primeira apresentação coletiva da temporada, deu mostras de que pode produzir muito em 2015.

O time de Vinícius Eutrópio (foto) joga com uma proposta ofensiva interessante, atuando pelas alas com dois atletas, dois mais contidos e dois mais avançados e com um homem de área como referência.

No meio de campo a criação está a cargo de um armador e dois volantes com muita movimentação. Na zaga nenhuma novidade. Gostei da primeira etapa. Na segunda, quando houve a troca completa do time, serviu apenas para esfriar o jogo, pois a queda de qualidade foi imensa.

 

Coluna postada em 20/12/2014 por fernando

O tom de Vinicius

Coluna postada em 12/12/2014 por fernando

A Chapecoense contratou Vinicius Eutrópio para ser o comandante técnico na temporada 2015.

É o atual campeão catarinense, na bela campanha que realizou no começo desta temporada no Figueirense.

Foi o técnico que conduziu o mesmo Figueirense da Série B para a Série A, com luxuosa colaboração da Chapecoense é preciso lembrar.

Chega como chegaram todos os outros, entre desconfianças e crenças de bom trabalho. Traz com ele seu auxiliar técnico, que vai trabalhar em conjunto com Celso Rodrigues e de resto a comissão técnica será a mesma das últimas temporadas.

Não existe garantia de sucesso. Um clube pode contratar o técnico mais caro do planeta e mesmo assim o projeto pode ser um fracasso. Agora, pode ser contratado um incompetente que aí sim a certeza da derrota estará garantida.

O novo técnico da Chapecoense, Vinicius Eutrópio, tem uma carreira ainda instável. Realizou bons trabalhos e outros nem tanto. Tem experiência internacional em Portugal e na Seleção da África do Sul, quando foi auxiliar de Parreira na Copa de 2010. Trabalhou no Atlético Paranaense e no Fluminense por várias temporadas.

Os colegas de Florianópolis o elogiam muito, pelo caráter e pela forma como trabalha. Dizem ser um cidadão de ótimo trato. Seja bem vindo e que possa realizar um grande trabalho e alçar um voo espetacular na sua carreira. O sucesso dele é o sucesso da Chapecoense e o nosso sucesso.