A vez de Tiago Luís

Coluna postada em 06/07/2015 por fernando

Agora devidamente apresentado de forma oficial, Tiago Luís, é a bola da vez da Chapecoense.

Os torcedores desejam com urgência a sua entrada no time para que ele possa emprestar rapidez a conexão com os atacantes e quem sabe, ser o bom garçom que foi na sua recente passagem por aqui.

Futebol ele tem e de sobra para jogar aqui. Parece que está mais focado na carreira e está tendo apoio forte fora de campo para ser um profissional mais completo e responsável.

Tudo conduz para um bom retorno de Tiago Luís. Ele tem a característica do atleta que a Chapecoense está necessitando, rápido no ataque, com bom passe e que sabe chutar. O problema na sua passagem anterior foram as constantes lesões e a defasagem na preparação física em comparação com o restante do elenco.

Com comportamento adequado fora de campo ele deverá ganhar em todos os aspectos e pode sim ser muito útil.

Será um grande desafio. Hoje, antes de jogar, recebe apoio dos torcedores, mas será preciso apenas uma atuação ruim para cair em desgraça.

Tomara tenha aprendido a lição que as escolhas precisam ser mais seletivas na carreira. Ficar forçando a barra pra aumentar valor e tempo de contrato pode ser um tiro no pé. Foi o que aconteceu com Tiago Luís no ano passado. A Chapecoense não entrou na ciranda de seu procurador e ele quase fica sim clube de Série A. Está de volta a casa que gosta. Com juízo na cabeça pode ser uma grande contratação. Bem vindo de volta! O guri é gente boa.

 

Bela apresentação

Coluna postada em 05/07/2015 por fernando

Chapecoense 1×0 Vasco

 

Com todo o respeito que o Vasco merece, a Chapecoense, no primeiro encontro entre ambos, foi muito superior, mas foi tão superior que chegou a ser constrangedor. Em alguns momentos a posse de  bola da Chapecoense foi superior aos 80%.

A primeira etapa foi de total superioridade, mas quando veio a etapa final, com duas expulsões por parte do Vasco, a situação ficou ainda mais a feição de um time que jogava e outro que se defendia.

Parecia o Vasco uma presa fácil, mas não era, pois, a sua atuação defensiva funcionava e a Chapecoense não conseguia furar um bloqueio forte.

Aconteceu o gol de bicicleta de Neto. Uma obra maravilhosa do futebol. Um coelho tirado da cartola. Um premiar de uma atuação muito superior.

Importante dizer que o Vasco sempre foi leal, soube se portar como uma equipe de futebol, que teve dois atletas expulsos devido a limitações técnicas, mas jamais por deslealdade.

Uma vitória construída pela Chapecoense com méritos da comissão técnica, bem comandada no jogo por Vinícius Eutrópio, e por uma equipe que soube se comportar como um time de Série A.

A Chapecoense foi avassaladora frente ao Vasco. O placar de 1×0 ficou pequeno frente a tamanha superioridade.

Os trapalhões

Coluna postada em 01/07/2015 por fernando

Palmeiras 2×0 Chapecoense.

 

Perder para o Palmeiras, sem ser de goleada, jamais é uma vergonha ou algo fora do contexto, mas a derrota precisa ser analisada em seus detalhes.

As escolhas de Vinicius Eutrópio foram as piores possíveis. Começo por Edmilson, o atacante que mais erra gols no Brasil, é um negócio sobrenatural, sem condições de ser analisado. O que não pode mais é a manutenção deste jogador no elenco. Está sem confiança e com deficiência técnica que está comprometendo a Chapecoense.

A entrada de William Barbio foi uma melancolia. Ele está desanimado, sem brilho e com uma falta de vontade irritante. Não pega nem time reserva do jeito que está.

A opção por Neném foi outra sem explicação nenhuma. Um jogador que está envelhecido e sem condições de ser o cara para arrumar o time.

Outro que entrou e nada fez foi o Hyoran. Fraco fisicamente, sem nada para contribuir, ou seja, entra e nada faz.

No meio de campo o Wagner foi outro que deixou muito a desejar. Errou muito e comprometeu.

A lesão de Gil foi um desastre. A Chapecoense perdeu a meia cancha e a ligação de qualidade. A Chapecoense depende em demasia deste atleta, o que é uma preocupação.

O técnico Vinicius Eutrópio foi o Didi dos Trapalhões, o chefe da troupe. Errou tudo que podia errar, mas fazendo uma piada de péssimo gosto.

Tiago Luís

Coluna postada em 29/06/2015 por fernando

Que tipo de Tiago Luís a Chapecoense irá receber?

Terá de ser um atleta que ainda não jogou na Chapecoense, renovado, responsável, comprometido, em forma e com comportamento exemplar, caso contrário ele não vai se criar nesse elenco.

O acerto era para ter acontecido ao final do ano passado, mas por força de manobras de empresários e projeções de contratações de clubes do exterior e segundo eles, os empresários, com o mundo desejando ter Tiago Luís, ele acabou não acertando com a Chapecoense e somente acertou com o Joinville para não ficar sem clube.

Forçou a volta e terá de se esforçar para dar a Chapecoense o esperado custo benefício. Menos lesões e mais futebol, mais campo e menos fora dele.

Com juízo na cabeça é um baita jogador, caso contrário não vale um centavo de investimento.

 

Escalando o ataque

Coluna postada em 29/06/2015 por fernando

Não tem sido fácil para Vinícius Eutrópio escalar seu ataque. São três atacantes de área, apenas dois marcaram gols, ficando no vermelho o Edmilson, que teve sequência de jogos, mas não soube aproveitar.

Daí a terceira opção vira segunda, entra no jogo, marca e garante um ponto importante em casa e se transforma em primeiro. Se a escolha recair sobre Bruno Rangel (foto) ele precisa ter sequência de jogos, paciência do torcedor e da parte dele muita vontade de jogar. E boa vontade da imprensa.

O técnico da Chapecoense não pode ser acusado de teimoso ou burro neste caso. Ele experimentou todas as opções, resta agora que os jogadores deem uma resposta em campo, caso contrário, até o final do ano será um festival de trocas.

Em uma analise mais individual quem queimou o filme foi Edmilson. Seus erros gritantes lhe colocam novamente como terceira opção. O Roger decaiu muito e hoje é o segundo. Pelo gol, apenas isso, Bruno Rangel volta, mas se no próximo não fizer algo muito diferenciado, cairá novamente na vala comum e será massacrado como os outros dois.

O técnico tem feito a sua parte.

 

FOTO – Cleberson Silva-Chapecoense.

Esperava mais

Coluna postada em 28/06/2015 por fernando

Chapecoense 1×1 Sport

Esperava mais em campo e também nas arquibancadas.

Jogo fraco tecnicamente e pouca gente nas arquibancadas, pois cerca de 7,5 mil para um jogo contra o líder e valendo forte aproximação com o G4, merecia mais.

Esperava um jogo de velocidade e assisti a um jogo muito marcado, sem aceleração e com poucas oportunidades de gol e quando elas surgiram acabaram por se transformar em nada. Dois gols de origem na bola parada. Valem e muito, mas as duas equipes poderiam ter sido mais efetivas.

Arbitragem, como na maioria das vezes, foi uma lástima. Incompetentes com a bola rolando, disciplinarmente distribuindo um monte de cartões e sendo complacente com a demora nas reposições de bola do Sport.

Não houve uma repetição do jogo da Chapecoense em comparação com a atuação de BH.  Faltou mais pegada e velocidade, mas foi uma atuação dentro dos parâmetros que tenho em relação ao time, com suas virtudes e limitações.

Tinha uma esperança em um jogo de muita velocidade, de lado a lado, de forte marcação e de inúmeras oportunidades de gol. Fui exageradamente otimista. Faz parte.

 

FOTO – Cleberson Silva  Assessoria de Imprensa Chapecoense. 

Vamos para o estouro

Coluna postada em 26/06/2015 por fernando

 

Na tarde deste sábado a Chapecoense encara mais uma vez a boa equipe do Sport Recife. Os encontros têm sido frequentes desde a Série B de 2013, quando subiram juntas e realizaram campanhas de manutenção no ano passado e na temporada 2015 os rendimentos melhoraram, ao ponto de o Sport ser líder no momento.

São duas equipes que não sabem jogar fechadas, tem boa criação de meio de campo, mas um diferencial favorável ao Sport é o ataque que marcou o dobro de gols da Chapecoense (14×7). As defesas se equivalem com sete gols sofridos cada. E justamente aí que reside o perigo. A Chapecoense precisará ser efetiva no ataque, sem desperdiçar oportunidades e terá de ter muito cuidado em sua defesa com as estocadas rápidas do time pernambucano.

A expectativa é de um jogo interessante e de muita movimentação.

A entrada de Cleber Santana na meia cancha, desde o inicio do jogo, deverá dar uma dinâmica diferente ao time, pois é um jogador que cadencia mais o jogo, tem passe longo e boa bola parada. Já a característica de Gil, que está fora devido ao terceiro amarelo, é de mais verticalidade no futebol. Com isso, Camilo deverá estar mais próximo da área para fazer a conexão.

Jogo decisivo para Edmilson, atacante que já recebeu várias oportunidades, mas que ainda não marcou, muito por culpa da falta de opções, mas também pelo desperdício de chances.

Tarde de sábado com jogo quente!

Jogar jogando

 

A Chapecoense deve jogar no mesmo estilo que jogou contra o Cruzeiro. Se conseguir repetir a intensidade do jogo, a forma como marcou e como esteve distribuída em campo, certamente alcançara o triunfo.

Sempre respeitando os adversários, mas o jeito de jogar foi encontrado e é possível de ser reprisado, pois tenho certeza que não foi uma atuação de exceção.

Projetar uma Chapecoense mais fechada é um erro. Cobram tanto mais ofensividade e presença no ataque para depois desejar um time mais contido? Não da para entender.

O negócio é jogar jogando, com intensidade, ocupando os espaços do campo, criando boas opções de passe e chutando a gol sempre que possível, sem a necessidade de mais um toque na bola que tanto atrapalhou a Chapecoense na temporada. Se o Sport é bom e atrevido a Chapecoense precisa ser mais, para vencer.

Passo a passo

Coluna postada em 25/06/2015 por fernando

Empolga a possibilidade, mesmo que remota, de a Chapecoense ingressar no G4. Na rodada do final de semana é difícil, mas com uma vitória em casa frente ao Sport a situação fica bem mais concreta para o futuro.

Mas o negócio é pensar passo a passo mesmo, sem devaneios e sem grandes e mirabolantes planos, eles precisam acontecer naturalmente, sem forçar.

Será este um jogo bem complicado. O Sport não tem um time de astros e craques, mas está bem ajustado e não é líder por acaso, pois conquistou seus pontos por merecimento.

Não posso também supervalorizar o adversário, pois as conquistas se deram com uma tabela interessante para o começo da caminhada, bem menos pesada do que a da Chapecoense, mas é líder da elite.

Acredito em um jogo de muita intensidade. A forma como a Chapecoense atuou e muito bem frente ao Cruzeiro, deve alertar os adversários para algumas posturas que antes não estavam sendo adotadas.

A Chapecoense não terá Gil, seu motor no meio de campo e com isso tenho muita curiosidade para ver o desempenho do time sem o seu jogador mais regular.

De resto é jogar com a mesma intensidade do jogo em BH, ocupando espaços e criando dificuldades ao adversário sem esquecer-se de atacar, um jogo equilibrado.

No passo a passo a Chapecoense chega lá.

Urticária

Coluna postada em 25/06/2015 por fernando

O meia Cléber Santana contraiu uma urticária, sabe-se lá de que jeito, mas a verdade é que ele está em tratamento com os medicamentos possíveis de serem utilizados sem que se corra o risco de um exame determinar posteriormente a ingestão de alguma substância proibida.

O problema atingiu o jogador na região do peito e dos braços. Ele será confirmado ou vetado apenas na última hora, mas está treinando normalmente e até aqui é a opção de Eutrópio.

Como o problema foi identificado no início da semana à possibilidade dele jogar é muito grande.

Interessante mesmo é saber se você ao ler este tópico se coçou ou não, pois eu não parei um minuto sequer.

Psicologicamente a palavra coceira ou urticária já provoca uma reação, imagina estar com o problema literalmente na pele.

 

Foto – Cleberson Silva – Assessoria de Imprensa Chapecoense. 

O que faz uma vitória

Coluna postada em 24/06/2015 por fernando

A Chapecoense venceu o Cruzeiro no Mineirão e muitas opiniões mudaram com o vento. Depois do gol de falta, com a competente execução de Camilo, ele se transformou em herói. Exageros inerentes ao futebol, que mexe com a paixão em detrimento da razão e por isso mesmo é que ele se transforma em algo tão arrebatador.

Uma vitória transforma o ambiente, assim como uma derrota cria vilões e instala crises quando elas não existem.

O time montado pela Chapecoense para esta temporada é bom. O elenco tem comprometimento. Não se ouviu nada neste ano em relação a atos de indisciplina, que minaram a Chapecoense no ano passado. O grupo tem suas limitações, mas é muito melhor do que o do ano passado.

O técnico Vinicius Eutrópio, muitas vezes contestado e até ridicularizado, é um profissional correto, que sabe ouvir as demandas da imprensa e dos torcedores, que tem ótimo relacionamento com o grupo e que entra na lista dos técnicos modernos, que se utiliza de esquemas de jogo e de técnicas de preparação diferentes, que ainda não estamos acostumados. Já errou e vai errar outras vezes, mas seu nível de acerto é maior.

Tenho defendido a tese de que este elenco, a comissão técnica e a direção de futebol estão no caminho certo desde o início do ano. Sinceramente não sei de onde saiu tanta desconfiança e má vontade de alguns na analise do que a Chapecoense está fazendo.

No final do ano, quem sabe, todos tenham o devido reconhecimento.