Um jogo que promete

Coluna postada em 12/02/2016 por fernando

No início da noite de domingo a Chapecoense jogará no estádio Augusto Bauer contra o Brusque de Mauro Ovelha. O jogo será ás 19h30min.

O Brusque marca cinco pontos na classificação e uma vitória lhe dará o direito de sonhar com a conquista do 1º turno.

Para a Chapecoense a vitória representa abrir uma vantagem que ainda não será definitiva, mas que encaminhará para os dois próximos jogos que serão em casa, contra Figueirense e Metropolitano, a conquista do turno, a vaga para a decisão e a possibilidade de vencer o segundo turno e ser campeão. Chegamos a metade da primeira perna da competição.

A Chapecoense tem um time melhor e terá a volta da formação da sua zaga titular com William Thiego e Neto.

De resto acredito na mesma formação da vitória sobre o Avaí, tendo ainda o Gil na ala direita. Os rendimentos de Josimar e Lucas Gomes não foram os melhores, mas para que ganhem ritmo, precisam jogar.

O Brusque tem uma equipe experiente e bem comandada pelo competente Mauro Ovelha. É um time pegador e que não desiste do jogo. Tem tudo para ser o compromisso mais complicado da Chapecoense até aqui.

Além do Mauro Ovelha (foto) que foi o último técnico campeão aqui na Chapecoense, em 2011, tem os conhecidos, Alemão, Aelson, Éverton Cezar, Potita e Giancarlo.

Faixa etária alta, mas para Campeonato Catarinense um elenco muito tarimbado.

FOTO – Rádio Araguaia. 

Vitória e liderança

Coluna postada em 11/02/2016 por fernando

 

Avaí 1×2 Chapecoense.

 

A Chapecoense mereceu vencer. Foi mais time e teve os destaques individuais mais reluzentes no jogo. O jogo aconteceu em Tubarão.

Ao final do primeiro tempo abriu o marcador de pênalti com uma competente batida de Cleber Santana.

Veio à segunda etapa e aos 12 minutos em uma bola pela direita o Bruno Rangel fez o que sabe, marcou o seu com estilo.

Tudo parecia bem tranqüilo até que perto do final o Avaí descontou com Rômulo e colocou fogo no jogo. O final não foi fácil, mas acabou dando tudo certo.

Importante também destacar a atuação do goleiro Danilo, que pela primeira vez foi exigido de verdade na competição e demonstrou que está bem, fez defesas impressionantes e foi escolhido como o melhor em campo.

Outro que jogou muito foi Ananias. Muitas vezes cobrado, ele atuou com muita doação e com capacidade de verticalizar o jogo que fizeram dele um grande no jogo.

O Avaí valorizou a vitória por sua garra. Tem enormes deficiências técnicas, mas tem alma e coração e isso pode ser decisivo para sair desta fase ruim em que se encontra.

O técnico da Chapecoense, Guto Ferreira, disse que o time esteve lento em campo e que deve melhorar no quesito. Concordo e que bom que ele viu isso.

A Chapecoense é líder. E isso vale muito. Ganhar o primeiro turno representa estar na final.

Leão em Tubarão

Coluna postada em 10/02/2016 por fernando

Pois é assim mesmo. O Rei da Selva e o Rei dos Mares se juntam para abrigar o jogo Avaí x Chapecoense amanhã, quinta-feira, dia 11 de fevereiro.

O gramado da simpática Ressacada ainda passa por melhorias e o cronograma atrasou, por isso, Tubarão será a cidade a acolher o jogo e o estádio do Hercílio Luz a casa de veraneio.

O referido jogo sofreu várias alterações. Trocaram o local duas vezes e teve dois horários diferentes marcados. A data também mudou. Haja paciência para organizar tudo, seja para o time ou para a imprensa.

O jogo ganha em importância com a chegada à quarta rodada que é praticamente a metade da primeira perna. Lembrando que cada turno garante uma vaga na decisão e os dois juntos o título antecipado.

Uma vitória do Avaí o coloca na briga pelo turno. Uma vitória da Chapecoense lhe deixa muito perto de cumprir a metade da meta traçada. O campo será praticamente neutro. A Chapecoense já jogou lá e ganhou do Criciúma na oportunidade, no acanhado, mas organizado estádio Aníbal Torres Costa.

A Chapecoense precisa acertar seus arremates a gol. Se caprichar lá em Tubarão, tenho certeza que ganha o jogo. O Avaí tem história e camiseta, mas o momento atual, em campo, não é bom e fora dele é péssimo.

Até a entrada da área a Chapecoense está muito bem, mas precisa acertar sua pontaria.

Zebra na Arena

Coluna postada em 07/02/2016 por fernando

Sendo coerente com meus comentários mais recentes, acredito que empatar ou perder para o Guarani de Palhoça aqui em casa seja sim uma zebra.

O de sábado à tarde foi exatamente isso. Um resultado ruim, entre equipes muito diferentes em suas montagens em que a Chapecoense precisou se impor e fez isso.

Porém, com dois pênaltis marcados e com duas cobranças incompetentes de Bruno Rangel, que bateu fraco e no mesmo canto, facilitando a vida do goleiro do Guarani.

Convertendo os dois lances capitais a vitória seria de no mínimo 3×1, com possibilidades de ampliação, caso houvesse um desânimo por parta do Guarani. Que teve seu pênalti e guardou.

A Chapecoense teve produção, mas com duas cobranças de pênalti desperdiçadas a situação se complicou.

Tenho certeza que Bruno Rangel não desejava errar, mas me parece que foi para a bola com boa dose de autossuficiência e com foi punido.

Ao final do jogo Neto Foi expulso por reclamar da arbitragem. O técnico Guto Ferreira também foi para cima dos árbitros e externou suas reclamações. Precisou ser contido.

A arbitragem de SC é uma vergonha mesmo. Em todo o jogo tem alguma confusão. Fracos, mal orientados e prepotentes.

Para a Chapecoense, mais especificamente faltou competência e humildade para Bruno Rangel. Ele ainda não é o maior goleador da história da Chapecoense.

Só erra quem está lá, diriam alguns. Ele é pago para acertar. Ontem foi 100% incompetente.

 

FOTO – Assessoria de Imprensa Chapecoense. 

Para seguir no topo

Coluna postada em 05/02/2016 por fernando

O jogo de amanhã (sábado) entre a Chapecoense de Guto Ferreira (foto) e Guarani é um daqueles que carrega a obrigação de vitória para os donos da casa.

Nada pode ser comparado. O investimento aqui é muito maior. O time da Chapecoense é muito melhor. O Guarani montou um elenco em cima da hora devido a mais uma desistência do Ibirama. A Chapecoense joga em casa, ao lado do seu torcedor. E a tabela já aponta em dois jogos uma diferença de cinco pontos.

Jogo para a Chapecoense manter seus 100% de aproveitamento.

Respeitar o adversário é sempre uma norma, mas ficar tentando nivelar condições quando elas estão separadas por um oceano de diferenças é mentir.

Uma derrota da Chapecoense será sim uma surpresa e até uma zebra.

O segundo tempo do Guarani contra o Joinville, na estreia, foi bom, merecia até mesmo ter virado o jogo.

Depois jogou contra o Inter de Lages e não conseguiu fazer a diferença, ou seja, é time que vai lutar para não cair.

Os próximos dois jogos da Chapecoense, após este de hoje, serão contra Avaí em Tubarão e contra o Brusque no Augusto Bauer. Aí sim teremos testes mais pesados.

O jogo de amanhã (sábado) é vencer e nada mais. Qualquer outro resultado será uma decepção.

 

FOTO – Sirli Freitas. 

O suficiente

Coluna postada em 04/02/2016 por fernando

Camboriú 0×1 Chapecoense

 

A Chapecoense jogou o suficiente para vencer o Camboriú lá no Litoral, mas teve sabedoria para enfrentar a adversidade que veio com a expulsão de William Thiego.

O começo do jogo foi de muita movimentação e deu esperanças de um grande jogo, porém, o gramado alto e recentemente implantado, acabou por deixar o jogo mais lento e cansou o time da casa.

O maior investimento da Chapecoense fez a diferença e uma noite inspirada de Maranhão deram a Chapecoense uma melhor dinâmica de jogo.

O técnico Guto Ferreira foi muito feliz quando fez as suas escolhas após a expulsão de Thiego. O zagueiro foi excluído por Heber Roberto Lopes após a marcação de uma falta e segundo o árbitro pelo fato do atleta tê-lo ofendido com palavrões. Está na súmula.

Em seguida Guto Ferreira sacou do time Bruno Rangel e colocou Rafael Lima para recompor a zaga e tirou Ananias que foi uma peça nula e chamou Silvinho.

O time ganhou em força e após uma jogada de Maranhão pela direita, veio a conclusão rasteira de Cleber Santana e o goleiro do Camboriú, Gabriel Zucki, aceitou.

Placar final 1×0 para a Chapecoense.

Um resultado importante, mas não foi uma grande atuação. O bom foi que o time soube reagir bem na adversidade.

 

FOTO – Assessoria de Imprensa Chapecoense. 

Parceria renovada

Coluna postada em 02/02/2016 por fernando

Na tarde de hoje (02), a  Associação Comercial e Industrial – ACIC, Câmara de Dirigentes Lojistas de Chapecó – CDL e o Sindicato do Comércio da Região de Chapecó – SICOM, renovaram com a Associação Chapecoense de Futebol uma parceria importante.

O incentivo financeiro que será repassado pelas entidades, vão ser aplicados nas categorias de base da Chapecoense para a temporada de 2016.

O presidente da Chapecoense falou sobre a renovação. “O modelo de gestão do clube está pautado em exemplos de gestão dessas três entidades, o que fez com que o clube tratasse de forma profissionalizada a gestão”, explica Sandro.

Na foto da esquerda para a direita, na assinatura de renovação estão Josias Mascarello – Presidente da ACIC, Marcos Antonio Barbieri – Presidente do SICOM, Sandro Luiz Pallaoro – Presidente da Associação Chapecoense de Futebol e José Carlos Benini – Presidente da CDL.

    

FOTO – SICOM. 

No Litoral

Coluna postada em 02/02/2016 por fernando

Amanhã a Chapecoense joga contra o Camboriú pela segunda rodada do Campeonato Catarinense Série A.

Jogo fácil não existe, mas negar a superioridade da Chapecoense é um exercício de falsa humildade.

Contra time de menor investimento os maiores sempre tem a obrigação de vencer, assim como os de menor capacidade financeira se motivam pela vitória, carregados pelas diferenças.

Alguns comparam como se fosse a Chapecoense jogando no Maracanã, contra orçamentos gigantescos. Pode ser. E a Chapecoense já surpreendeu várias vezes.

O importante é ser efetivo e acima de tudo fazer valer a maior qualidade.

No treino de hoje o Maranhão ganhou a vaga de Silvinho. De resto o time deve ser o mesmo, ou seja: Danilo, Gimenez, Neto e William Thiego, Dener, Gil, Cleber Santana, Lucas Gomes e Ananias, Maranhão e Bruno Rangel.

A missão é aumentar cada vez mais a velocidade de transição e com isso confundir a marcação adversária.

E sempre melhorar o último passe e principalmente as conclusões a gol.

Tomara tenhamos boas condições de gramado para a realização de um jogo de qualidade.

E uma arbitragem sem excessos com Heber Roberto Lopes.

Os primeiros resultados

Coluna postada em 01/02/2016 por fernando

Nada fora do normal. Placares magros e vitórias apertadas e ritmo de jogo ainda lento, devido à fase de preparação física que ainda faz pesar as pernas dos jogadores.

A vitória da Chapecoense foi absolutamente tranquila, 2×1 sobre o limitado Inter de Lages. O pênalti contra não existiu. Uma boa defesa a queima roupa e a bola no travessão do Inter poderiam ter construído uma placar maior favorável a Chape.

O Guarani perdeu em casa por 1×0 para o Joinville, mas não mereceu o revés. O segundo tempo foi do Guarani. No mínimo empate.

O Figueirense venceu o Brusque por 2×1, mas levou um sufoco daqueles. O pênalti marcado a favor do Figueirense e que fez a diferença no placar foi uma vergonha. O chapecoense Evandro Bender errou feio. Para variar Bender e Mauro Ovelha se estranharam.

O Criciúma venceu o Avaí por 1×0 e também sofreu muito para segurar o placar.

E o Metropolitano fez 1×0 no Camboriú, com o goleiro do Metro sendo o destaque do jogo.

Vitória sem contestação, apenas a da Chapecoense.

Uma equipe que mostrou potencial foi o Brusque.

Jogo forte de muita aplicação e competitividade.

A Chapecoense está sim um degrau acima.

 

FOTO – Assessoria de Imprensa – Chapecoense. 

Para começo de conversa

Coluna postada em 31/01/2016 por fernando

Chapecoense 2×1 Inter de Lages

 

Não foi apenas uma vitória, daquelas que marca um início de temporada e um jogo entre um investimento maior e uma menos vistoso.

A Chapecoense foi mais time o tempo todo. Se todas as oportunidades tivessem se traduzido em gols, a vitória teria sido do tamanho daquela do ano passado, mas cada jogo é um jogo.

O primeiro gol foi contra, porém, nascido de uma bela jogada de linha de fundo pela direita. Houve talento.

O segundo gol de deu após uma investida de ataque e uma sobra de bola bem aproveitada.

O gol de desconto veio de um pênalti chamado de interpretativo. Eu não o marcaria. Foi bem cobrado e veio o desconto do Inter. Placar fechado em 2×1.

O Inter foi mais aplicado na segunda etapa e a Chapecoense nitidamente dosou o jogo e fez apenas o necessário.

A Chapecoense está em fase de preparação, precisa soltar pernas e deixar o time mais leve devido a preparação física, mas tudo tem o seu tempo.

O Inter de Lages terá uma temporada desafiadora a sua frente. Para repetir o ano passado será necessário contratar.

A Chapecoense me parece próxima de um bom ponto de equilíbrio. Nomes já contratados ainda precisam ser liberados e no mínimo entre dois ou três chegarão.

Gostei da estreia.

 

FOTO – Assessoria de Imprensa Chapecoense.