Eleições x Série A

Coluna postada em 27/11/2014 por fernando

A discussão da política interna na Chapecoense aconteceu justamente em uma semana decisiva, reta final de Série A, com o time precisando buscar um ponto em seis.

A avaliação de muitos é de que o movimento político deveria ser postergado, acontecer apenas depois de encerrados os jogos. Concordo. Seria interessante rever a data. É o mais correto.

Porém, acredito que neste momento, mesmo com a data inadequada, o assunto não tirou foco do jogo de domingo contra o Cruzeiro. O vestiário está focado no que interessa. Não acredito em prejuízo algum, mesmo porque o processo eleitoral foi muito tranquilo. O que mais mexeu foi o não de Maringá, que por sinal, foi um dos que reclamou em relação à data do processo eleitoral, demonstrou preocupação e sugeriu mudanças.

Fosse um processo eleitoral com duas ou mais chapas, com oposição forte, aí sim, o ambiente seria afetado, mas com apenas a situação atuando e com poucas mudanças no quadro de comando, não existe nenhum prejuízo.

O atual presidente, Sandro Pallaoro (foto), foi corajoso, assim como seus pares, em aceitar mais este desafio, antes mesmo de a Chapecoense saber se permanece ou não na Série A. Com a permanência o orçamento subirá significativamente, porém, se houver rebaixamento, o orçamento despencará.

Mas, como a Chapecoense vai mesmo é ficar na Série A, que sejamos todos felizes e vamos, já na semana que vem começar a tratar dos planos para a próxima e eletrizante temporada.

 

Sandro Pallaoro para presidente

Coluna postada em 25/11/2014 por fernando

Hoje a tarde ficou definido que Sandro Pallaoro concorrerá ao cargo de presidente da Associação Chapecoense de Futebol, para um período de mais dois anos. Atualmente ele preside a entidade mantenedora da Chapecoense, a dos atletas e colaboradores, que por muito tempo foi aquela que recebia recursos e pagava as contas, já que o CNPJ da Chapecoense tinha problemas. Hoje não mais. A Associação Chapecoense de Futebol tem todas as negativas e recebe, por exemplo, os recursos de patrocínio da Caixa.

Não se trata de uma reeleição. Sandro deixa a entidade mantenedora e passa a ser presidente da entidade maior, em substituição a Luiz Alberto Crispim, que por longo tempo exerceu a função de presidente da Associação Chapecoense de Futebol.

Não houve mudança de estatutos e sim uma mudança de entidade representativa que gere os recursos da Chapecoense.

O assunto vai gerar debates e contraditórios, o que é muito bom, pois é justamente debatendo que as dúvidas se dissipam.

Independente de ser Sandro Pallaoro ou outro nome a candidatar-se a mais um período de comando, o que conta importante é que a Associação Chapecoense de Futebol volta a ser a entidade maior e não mais a Associação de Atletas e Colaboradores, mecanismo encontrado, sabiamente, diga-se de passagem, para manter a Chapecoense viva.

Final de temporada com decisões fortes dentro e fora de campo.

Uma vez Flamengo…

Coluna postada em 24/11/2014 por fernando

O destino e suas mirabolantes manobras.

A vida de quem foge do rebaixamento no Campeonato Brasileiro é feita de torcer pelo time do coração, secar concorrentes e de vem em quando, vestir a camiseta de outro time. Faz parte.

A penúltima rodada da Série A começa no sábado e nela consta um jogo que está diretamente ligado a Chapecoense, sem ela entrar em campo. Na Arena da Amazônia em Manaus, 21 horas, Flamengo x Vitória.

Ao Vitória cabe apenas vencer e ainda torcer por fracassos da Chapecoense. O Flamengo vendeu o jogo e terá casa cheia. Terá de jogar por seus torcedores, que vivem distantes do Rio de Janeiro, sem carga de responsabilidade com a tabela, somente pelo espetáculo. O Vitória terá a viagem, o desgaste do calor amazônico e um estádio cheio contra ele.

Uma vitória do Flamengo ou um empate aniquilam o Vitória, podendo a Chapecoense perder os dois últimos jogos. A derrota do Vitória não precisa explicar, mas o empate ainda possibilitaria ao Vitória igualar a pontuação, desde que vença o último jogo, que será contra o Santos, mas o problema está no saldo de gols favorável a Chapecoense, na ordem de nove gols.

Uma vez Flamengo, sempre Flamengo! Ou Uma vez Flamengo, desde que ele vença, já está louco de bom.

Vai Mengão!

Uma vitória e mais um passo

Coluna postada em 23/11/2014 por fernando

Chapecoense 2×0 Botafogo

Ficou dentro daquilo que eu imaginava. Além de vitória da Chapecoense, algum sofrimento no começo, mas depois foi uma questão de tempo para a abertura do placar, a ampliação, possibilidade de goleada e o controle do jogo.

O Botafogo não será rebaixado por acaso. Tem severos problemas de postura tática e é um time desgastado, fadado ao rebaixamento e com uma diretoria incompetente.

A Chapecoense renasceu na competição com a saída de Jorginho. O comando de Celso Rodrigues devolveu a alma ao time e eles estão realmente jogando em conjunto, com vibração e acima de tudo com aquela pegada que é o DNA do time.

Que bom ver a Chapecoense e o torcedor em sintonia, jogando juntos e vibrando, pois assim fica tudo mais fácil.

No momento do segundo gol, os diretores da Chapecoense, no camarote do clube, se abraçaram e choraram. Um exemplo para que possamos medir a pressão que eles vivem. Não é fácil.

A vitória da Chapecoense lhe deixa com 99% de chances de permanecer na Série A e com isso arrecadar mais, se organizar melhor, investir com mais presença financeira e se projetar no cenário nacional com mais musculatura.

A caminhada não tem sido fácil, mas ao final das contas vamos comemorar um final de temporada de manutenção.

Domingo estará aqui o campeão brasileiro de 2014, o Cruzeiro, para delírio do meu amigo Mineiro, em um momento mágico e marcante. E vamos em frente.

 

É Hoje

Coluna postada em 23/11/2014 por fernando

Chegou o momento da decisão.

Ele já estava prevista. Seria e será neste jogo contra o Botafogo, logo mais, às 19h30min, na Nossa Arena.

Não interessa quem está do outro lado do campo e seu posicionamento de tabela.

De forma alguma estou desrespeitando o histórico Botafogo de Futebol e Regatas, estou sim querendo destacar que se do outro lado estivesse o Cruzeiro lutando pelo título, a aplicação e a pagada deveriam ser as mesmas e a maior de todas em todos os tempos. O Fluminense acreditava que poderia liquidar a Chapecoense quando bem entendesse, deu no que deu. O Botafogo não está morto. Quem pensa assim, pensa equivocadamente.

Chegou a hora da verdade! Chapecoense x Botafogo. Vida ou morte na Série A. Domingo de decisão.

Que coisa linda Verdão

Coluna postada em 20/11/2014 por fernando

Fluminense 1×4 Chapecoense

A Chapecoense nunca havia vencido no Maracanã.

Venceu e goleou um time que luta por G4 e com quase 30 mil presentes em um dos maiores estádios do mundo.

O primeiro tempo foi 0×0. O que se esperava era um Fluminense mais aguerrido, mas o que se viu foi uma Chapecoense avassaladora na segunda etapa, que venceu fácil um gigante do futebol brasileiro, saiu da zona do rebaixamento e subiu duas posições.

A volta de Celso Rodrigues fez muito bem ao time que voltou a marcar com qualidade, se posicionando com qualidade e com a pegada que havia sido perdida ao longo da tragédia que foi o comando técnico de Jorginho.

Os atletas prometeram jogar cada um por todos e foi isso que vimos na noite de ontem no Maracanã.

Agora é jogar com a mesma aplicação contra o Botafogo, em casa, sem nenhum tipo de sentimento de superioridade, tendo apenas a mesma aplicação do jogo de quinta-feira.

Quando a Chapecoense perdeu seu DNA de time marcador e guerreiro, parou de vencer. Foi somente retomar aquilo que nunca deveria ter sido abandonado e voltar a vencer, voltando a ser um time de verdade.

Foi um jogo e uma vitória histórica, que ficará marcada para sempre e que pode significar a permanência na Série A.

Quem havia jogado a toalha, pode juntá-la.

Um abraço bem apertado

Coluna postada em 17/11/2014 por fernando

O momento é desafiador!

A Chapecoense precisa ser abraçada com o carinho que dispensamos aos mais queridos. O momento exige que ela seja protegida com o máximo zelo.

Eu sei que quem decide são aqueles que entram em campo, mas a parte externa também joga.

Nós, torcedores, dirigentes, funcionários mais antigos, moramos aqui, vivemos aqui e somos quem paga as contas, que sofre com projetos que não alcançam sucesso e na iminência de um rebaixamento, ligamos o sinal de alerta em nível máximo.

Uma postura de carinho para com a instituição e de respeito com a diretoria pode sim salvar a Chapecoense do rebaixamento.

Cada jogo será uma prova e um verdadeiro exercício de paciência e doação.

Depois, se tudo der certo, poderemos extravasar nossas angústias e desejar que aqueles que não contribuíram da forma desejada, sejam marcados pela história e devidamente pulverizados da Chapecoense. Agora nós não temos este direito.

Os mais jovens precisam ser orientados pelos mais experientes. O torcedor está machucado, mas é preciso entender que salvar a Chapecoense é muito maior e mais importante do que caçar bruxas e bruxos.

Nossos sonhos e nossos orgulhos subiram no telhado! Eles não podem simplesmente despencar.

 

Cadê o respeito?

Coluna postada em 16/11/2014 por fernando

Chapecoense 0×1 Vitória.

O que Jorginho tanto tentou ele finalmente conseguiu, colocou a Chapecoense na zona de rebaixamento e a quatro rodadas do final. Agora virou drama.

A Chapecoense de Jorginho está a seis jogos sem saber o que é vencer. Todos ajudando a Chapecoense e apenas a equipe de Jorginho não se ajuda. Time sonolento, sem comprometimento e jogando um futebol para ser rebaixado.

Que temporada complicada! Desde janeiro o time da Chapecoense não se emenda. Foi mal montado e mal conduzido desde o início.

Agora será preciso encontrar forças sabe-se lá de onde.

O primeiro ato é demitir sumariamente o técnico Jorginho que não tem nada mais a oferecer a Chapecoense.

Segundo ato é trazer para o time aqueles atletas que tenham identificação com a Chapecoense, que tenham comprometimento.

A diretoria de futebol da Chapecoense está assinando embaixo de seus inúmeros erros na temporada e não está reagindo da forma que se deseja.

A entrada na zona de rebaixamento a quatro rodadas do final é terrível. Será preciso uma operação de guerra para salvar a Chapecoense.

A conta está sendo cobrada com base na incompetência. A Chapecoense chamou tanto a zona do rebaixamento que as portas se abriram.

Postura a ser comemorada

Coluna postada em 13/11/2014 por fernando

Em nome do elenco, falaram o goleiro Danilo (foto) e o atacante Bruno Rangel. Os escalados para uma das entrevistas coletivas da semana. Eles defenderam o trabalho do técnico Jorginho e falaram em vestiário unido.

Quanto à defesa de Jorginho, não que ele necessite, mas, encaro como uma postura correta dos atletas e uma forma de fortalecer o ambiente interno para a decisão de domingo frente ao Vitória.

O que não pode acontecer neste momento é um isolamento dos comandantes, ficando sozinhos e distantes dos comandados.

A semana é de forte mobilização e acima de tudo de encontros, na busca de uma unidade capaz de devolver a Chapecoense um futebol eficiente.

Uma manifestação de Danilo, hoje o maior nome da Chapecoense, tem um significado muito importante.

Esta semana também, por uma feliz coincidência, marca a comemoração de um ano da conquista do acesso para a Série A. É sim um reforço importante na parte psicológica, pois o feito alcançado pela Chapecoense foi gigantesco.

O rememorar a data e principalmente o que tudo representou e segue representando para a Chapecoense e para os atletas que participaram da conquista, reforça em muito a necessidade de vencer o jogo no domingo.

Parece que a fase turbulenta passou. Um ciclo parece ter se fechado. As dificuldades estarão presentes até o final, mas com ambiente mais calmo e com uma vitória na conta, o peso será menor.

Sem comparações

Coluna postada em 12/11/2014 por fernando

O momento é de união em torno da Chapecoense.

Minha homenagem ao torcedor fiel. Aquele que desde o início do ano está acompanhando toda a caminhada, árdua, desta temporada.

Paga sua mensalidade, muitas vezes com sacrifício. Vive e respira a Chapecoense todos os dias o dia todo.

É gente de muitas idades, mas a maior parte é jovem e tem apenas a Chapecoense no coração. É uma riqueza para um clube de futebol ter torcedores com este perfil.

Surge mais uma promoção de ingressos, agora para a decisão de domingo, quando a Chapecoense receberá o Vitória da Bahia.

Os valores: Geral R$ 10,00, com meia entrada. Sociais R$ 20,00. Cadeiras R$ 50,00.

É normal ouvir reclamações dos fieis que quando uma promoção é lançada os “modinhas” aparecem.

Porém, o momento exige dos fieis torcedores um exercício de sabedoria e compreensão, para que todos sejam muito bem vindos a Arena no começo da noite de domingo.

A Chapecoense precisa de tudo e de todos neste momento, assim como precisará contra o Botafogo, para sair desta incomoda situação de rebaixamento que aparece como uma ameaça.

Quando se clama por união, não podemos ser preconceituosos, criando comparações.

Os que são fiéis sabem de sua importância e o quão significativos são e serão na história da Chapecoense.

Os não tão frequentes podem até demorar em aparecer novamente, mas podem se transformar em ardorosos torcedores logo ali na frente.