Portuguesa denuncia Guarani à Fifa

Cazarine é o alvo.

Cazarine é o alvo.

 

Rodrigo Faber Rotta, especial para a GE.Net – São Paulo (SP)

Uma semana após enviar representação ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), a Portuguesa acionou a Fifa sobre a suposta escalação irregular do atacante Bruno Cazarine, do Guarani, durante o Campeonato Brasileiro da Série B desse ano. A punição aos bugrinos beneficiaria diretamente a Lusa, que terminou a competição na 5ª colocação e herdaria a vaga alviverde na Série A de 2010.

Os rubro-verdes alegam que o atleta infringiu o 3º parágrafo do Artigo 5º do Regulamento de Transferências da FIFA, que veta três transferências de um jogador na mesma temporada. Só são abertas exceções quando os países envolvidos na transação não adotam o mesmo calendário. Entretanto, Brasil e Coréia do Sul seguem o mesmo esquema temporal para suas principais competições futebolísticas.

O jogador teria sido inscrito pela Chapecoense-SC em janeiro deste ano, onde permaneceu até maio. Transferiu-se, então, para o Gyeongnam, da Coréia do Sul, onde ficou em junho e julho. Em agosto fez sua terceira e última transação, justamente para o Guarani.

Em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva.Net, por telefone, o assessor jurídico da Portuguesa, Giuseppe Faggotti, esclareceu a situação. “Na semana passada, a CBF nos deu um parecer contrário, dizendo que o jogador está regular e que não tem problemas na competição. Mas eles estão tirando o foco da nossa queixa, porque o jogador foi colocado à disposição do clube de modo irregular e isso não pode acontecer”, justificou. “Como o artigo infringido é um oficial da FIFA, pedimos uma consulta específica deles para esse caso, apresentando toda a documentação envolvida”.

O assessor mostrou total confiança nos argumentos usados pela Lusa no caso, lembrando que o clube só quer que a justiça seja feita. “Temos convicção de que o Guarani utilizou o jogador irregularmente e vamos até o final desse caso, sem dúvidas”, finalizou.

Por outro lado, o coordenador de futebol do Guarani, Wilson Coimbra, mostrou-se tranquilo em relação ao caso. “Nós tivemos um parecer favorável da CBF e do STJD, que não acatou à situação de ilegalidade do jogador. Ele está totalmente regular, não temos que nos manifestar publicamente em relação a algo que não existe”, declarou. “Se o STJD julgasse a representação correta, teríamos que contratar um advogado. Isso não ocorreu. O procedimento será o mesmo em relação à FIFA. Vamos aguardar os acontecimentos e, se preciso, tomaremos as providências cabíveis”.

Deixe um comentario