Arquivo para junho, 2010

Uma resenha sobre a Chapecoense

quarta-feira, junho 30th, 2010

Cronista esportivo é xarope porque pergunta bastante. Faz parte da profissão. Exerci meu direito de chato de plantão e fiz um pequeno inquérito futebolístico com o Diretor de Futebol da Chapecoense, Carlinhos Almeida.

Primeiro: O caso Waldison – O atacante tem uma proposta para sair, mas ainda não abriu qual o clube que tem interesse. Seu contrato vai até novembro e não consta cláusula de liberação para equipes de divisão maior. Existe sim uma cláusula de rescisão e o valor seria de R$ 1 milhão. Pagando leva.

Segundo: O Departamento Médico – Badé está liberado. Morisco segue afastado por problema no púbis a exemplo de Sagaz. Bronzatti está liberado. Aelson e Cadú Gaúcho é somente para 2011. E para fechar, Marquinhos Cambalhota, curou uma lesão e agora está com os dois tendões de Achilles inflamados e segue no estaleiro.

Terceiro: A folha de pagamento – Segundo o Departamento de Futebol os salários voltam a ficar em dia nesta semana, mas já entra na semana seguinte a folha de junho. Poucos dias de tranqüilidade.

Quarto: O caso CBF – Como a coluna já adiantou, as partes (FCF, Chapecoense e Ibirama) já foram citadas pela CBF. As partes já enviaram para a o STJD suas defesas por escrito e agora aguardam a convocação para a audiência no Rio de Janeiro. Ela deve acontecer apenas depois da Copa do Mundo. A última pauta é do dia 23 de junho.

E era só!

Guilherme Macuglia segue como timoneiro

terça-feira, junho 29th, 2010

Nada de largar o boné. Guilherme Macuglia segue no comando da Chapecoense visando a Série C.

Nesta pequena parada entre Copa SC e Campeonato Brasileiro a missão é definir o elenco, retirar do grupo aqueles que não querem mais e contratar no mínimo umas três peças para a titularidade. Parece fácil, mas não é.

A manutenção de Macuglia me parece acertada. Ele conhece a Série C e já foi campeão comandando o Criciúma.

Conhece o futebol do RS de onde virão à maioria dos adversários e quem sabe os mais qualificados.

Esta parada terá de ser muito bem aproveitada. Esta semana será ainda meio lenta e de negociações, mas para a próxima o negócio será encarar um ritmo forte de trabalho para afinar o grupo. A primeira providência de Guilherme Macuglia ontem foi encaminhar ao Departamento Médico a solicitação de um relatório que avalia cada uma das nove peças que lá estão. No DM tem gente lesionada, mas tem manhoso também. Boa providência. Chega de miguelaço!

Futebol se faz com dinheiro

terça-feira, junho 29th, 2010

E time campeão com muito dinheiro!

A Chapecoense vive dias de penúria na parte financeira. O rebaixamento custou e está custando caro.

Muitas rescisões e multas contratuais terminaram com o fôlego do Departamento Financeiro.

Pois, está exatamente aí o primeiro problema a ser resolvido. Salários em dia é obrigação. Prêmios por vitórias é a melhor estratégia para motivar jogadores de futebol.

Se você também é assalariado, e seu chefe atrasa seu salário, você fica feliz? Claro que não.

Mas, se além dos salários em dia você recebe um extra por metas alcançadas, você não trabalha mais? Fácil de responder.

Pois então, caros diretores da Chapecoense, com o devido respeito pelo trabalho dos senhores, que sei é incansável e sério, assim como pediram para Macuglia e para o elenco “se espicharem”, façam a mesma coisa para captar recursos. Faz parte do show senhores!

A maldição do Tigre

segunda-feira, junho 28th, 2010

Estamos desde 14 de fevereiro de 2010 até 02 de fevereiro de 2011 sob a égide do Tigre segundo o calendário chinês.

Que ano este para a Chapecoense!

Rebaixada em campo no Campeonato Catarinense.

Campanha fraca na Copa SC.

Sem Copa do Brasil em 2011.

Cofres raspados.

Rendas deficitárias.

Departamento Médico lotado.

Contratações mal feitas e queda do Departamento de Futebol.

Três técnicos em um mesmo campeonato.

Renúncia do presidente.

Choque entre nova direção e Conselho Deliberativo.

Arbitragens errando acintosamente contra a Chapecoense.

Foi contra o Tigre que um gol mal anulado enterrou a Chapecoense no Campeonato Catarinense.

Foi contra o Tigre que no domingo vimos o último ato verde e branco na Copa SC.

Que ano é este!

O índio do Oeste tem ainda uma flecha para tentar virar a caçada. De predador a caça esta caminhada 2010 da Chapecoense já se tornou enfadonha.

Temos ainda a Série C e suas três possibilidades. Subir para a B, difícil e creio arriscado pela falta de estrutura, seguir na C, provável e parece que já virou meta da diretoria e finalmente o risco de voltar para a D.

O torcedor da Chapecoense não aceitará de forma alguma mais um revés, mais esta humilhação. Mas, o risco está aí e deve ser considerado.

Sugiro a diretoria que comece uma blindagem do Departamento de Futebol e desta forma se evite a aproximação de verdadeiros palpiteiros que podem contribuir apenas para conturbar o ambiente. O ano do Tigre não está sendo nada fácil!

Esta semana deverá ser de contratações e dispensas para de uma vez por todas fechar este elenco para a Série C.

Existe resistência sobre a permanência de Guilherme Macuglia. Normal pelos resultados recentes.

Muito bem, ele sai, mas quem dever ser chamado?

Quem está disponível no mercado e que tenha a experiência necessária para a competição que se aproxima?

Trocar por trocar de nada adianta. Trazer Mauro Ovelha de volta é muito arriscado e se fosse ele jamais aceitaria esta proposta.

E só para lembrar que terminado o ano do Tigre teremos o início do ano do Coelho que também anda judiando do índio já faz um tempo.

Um domingo para decisões dentro e fora de campo

sexta-feira, junho 25th, 2010

 

Este jogo entre Criciúma e Chapecoense na tarde de domingo no Eriberto Hülse pode ser emblemático para o restante da temporada.

Guilherme Macuglia somente sai do cargo se a Chapecoense aprontar mais uma das suas e for goleada inapelavelmente pelo Tigre. Caso contrário acredito em permanência. Não sou de defender este ou aquele técnico, mas acredito que Guilherme Macuglia pode sim realizar um trabalho a contento na Série C. Impressões a parte a Chapecoense terá de decidir na segunda-feira, em caso de desclassificação, se permanece a comissão técnica ou não. Estamos a um mês da estréia na Série C. Dentro da diretoria o assunto está sendo tratado com maturidade e as cobranças estão sendo feitas de forma profissional e direta a quem interessar possa. O que tenho notado são aquelas pessoas vivem próximas dos comandantes da Chapecoense e que também dão seus palpites e muitos deles querem ver Macuglia pelas costas. Estes palpites contrários somente terão efeito em caso de um desastre no Sul do Estado.

Estou com um sentimento de que domingo quem vai chorar a derrota é o bom técnico Argel Fucks, e por lá sim, as coisas poderão balançar, como já andaram balançando há alguns dias atrás. Torço por Guilherme Macuglia e conseqüentemente torço pela Chapecoense. Querer sua desgraça é desejar o mal para a própria Chapecoense.

E somente torço por Macuglia por que sei que ele pode realizar um trabalho de qualidade.

Empate sem gols, mas com algo a comemorar

quinta-feira, junho 24th, 2010

Teste forte para Macuglia

Chapecoense 0×0 Criciúma. Todo jogo sem gols deixa a desejar e este de ontem a noite não foge a regra. Futebol sem gols é a pura essência da tristeza.

Bom resultado para o Criciúma que jogará domingo pelo empate e obriga a Chapecoense a mostrar eficiência ofensiva fora de casa, coisa que não fez ainda na Copa SC contra equipes mais qualificadas. 

O jogo está aberto, desde que a Chapecoense seja atrevida na frente e equilibrada em sua defesa.

Mas temos sim detalhes positivos por parte da Chapecoense de Guilherme Macuglia.

O balanço defensivo da Chapecoense melhorou e se mostrou mais confiável neste setor que vinha comprometendo. Grolli esteve bem, mas uma pena que levou o terceiro amarelo. Serginho voltou a jogar muito. Waldison foi à lucidez ofensiva. Felipe Pinto necessita de mais ambientação e entrosamento, mas se mostra o jogador vertical que estávamos aguardando. Xaro foi mais uma vez participativo. Luciano Ratinho entrou bem no jogo. E Lucas se mostrou eficiente na ala direita. Não gostei mais uma vez de Bronzatti que saiu por lesão. Da mesma forma Rogério esteve mais uma vez escondido entre os zagueiros adversários a maior parte do tempo. Rogério está de saída da Chapecoense, já que recebeu uma proposta para a Série B. Gustavo Papa chegou para ser o dono da posição.

A equipe como um todo mostrou pegada e vontade de jogar e destacou que a preparação física está em bom patamar.

Para o jogo de Criciúma será necessário muito mais. A Chapecoense terá de ser eficiente na frente, já que ontem à noite, apesar do domínio territorial, não conseguiu transcrever em gols a maior posse de bola.

Fosse eu no lugar de Macuglia no domingo escalaria: Nivaldo, Lucas, Rodrigo, Pereira (Marcelo Ramos), Xaro, Pedro Ayub, Serginho, Felipe Pinto e Luciano Ratinho, Waldison e Gustavo Papa.

Para quem necessita vencer seria uma boa formação.       

Um teste de Série C

Este jogo Chapecoense 0×0 Criciúma foi o grande teste até aqui. Não tanto pelas qualidades do adversário, mas por ser o Tigre um adversário da mesma chave da morte na Série C que começa ao final de julho.

Foi importante ver um adversário em jogo de competição e sendo o Criciúma uma das equipes que mais tem recursos financeiros para investir na temporada.

Não se trata de um bicho-papão e muito menos a Chapecoense uma galinha morta como apregoam os profetas do apocalipse. Com as inclusões que a Chapecoense tem para fazer ela vai melhorar muito e dá sim para jogar de igual para igual, ao menos com este adversário direto. Um bom teste que ajudou a esclarecer alguns pontos visando o futuro próximo.

Te espicha nego véio

segunda-feira, junho 21st, 2010

Hoje o vestiário da Chapecoense foi sacudido por uma reunião de emergência comandada pela diretoria. O presidente Cleimar Spessatto, o diretor financeiro Ivan Tozzo e o colaborador Izair Gambatto comandaram as falas. O diretor de futebol Carlinhos Almeida e toda a comissão técnica e logicamente o grupo de atletas ouviram, quem sabe, a mais dura manifestação desta diretoria nos últimos tempos.

Ivan Tozzo me disse: “Se eles sabem ouvir entenderam a mensagem”.

Izair Gambatto sentenciou: “Chega, atingimos o limite da paciência. Já não sei mais o que dizer para aqueles que colaboram com a Chapecoense”.

Desta forma, com os recados e ordens que foram dadas, não existe mais margem para erro. E quando escrevo que não existe mais margem, quero deixar claro que isso representa a conquista da vaga para a decisão da Copa SC e uma equipe que atue de forma convincente e aguerrida, com a marca do futebol de pegada que sempre fez a diferença nas grandes equipes montadas na Chapecoense.

Guilherme Macuglia segue no comando técnico, mas já é sentido entre alguns diretores cobranças mais pontuais sobre seu trabalho e inevitavelmente sua continuidade se dará apenas com resultados positivos antes mesmo de começar a Série C.

Neste período de crise que se arrasta por 2010 adentro não tinha visto a diretoria com um semblante de tanta irritação e com uma cobrança tão aberta para a imprensa como desta vez. Nitidamente pessoas como Ivan Tozzo e Izair Ganbatto chegaram ao limite de suas paciências e não aceitarão mais indolência por parte de atletas e erros de parte da comissão técnica.

O recado foi dado de forma muito clara. Ou a equipe reage ou a troca pode acontecer já na semana que vem.

Hoje à tarde foram apresentados de forma oficial o atacante Gustavo Papa e o volante Pedro Auyb.

A intenção é tê-los liberados até amanhã. Ayub já deve jogar logo. Papa pediu um período de readequação física.

A diretoria quer que eles joguem já na quarta-feira contra o Criciúma.

Os jogos contra o Criciúma estão confirmados para esta quarta-feira em Chapecó e já no domingo em Criciúma. O Tigre tinha a intenção de alterá-los para quinta-feira e segunda-feira da próxima semana, mas a Chapecoense não concordou.

Uma atuação vergonhosa

domingo, junho 20th, 2010

Joinville 4×0 Chapecoense. Um jogo pra deixar qualquer um envergonhado.

Preocupa a forma como a Chapecoense perdeu no sábado à tarde em Joinville. Foram quatro gols, mas poderiam ser muitos mais se o Joinville forçasse um pouco o jogo.

Para que a Chapecoense perdesse a vaga a semifinal era necessária uma combinação que beirava o impossível. Pois ela quase se consumou. O gol marcado pelo Imbituba salvou a Chapecoense. O que é pior, ser salvo pelo Zimba ou levar mais uma vez quatro do Joinville?

Uma derrota inexplicável e que deixa a todos arrepiados pelos obstáculos que encontraremos na Série C. Muito menos pela qualidade dos adversários e muito mais pela falta de confiabilidade da Chapecoense.

Uma imagem define a barbaridade que foi esta derrota em Joinville. Eram 40 minutos da segunda etapa, o placar já estava consolidado e a Chapecoense tocava bola na defesa, com medo de sair, levar mais um e assim ser desclassificado. Deprimente.

Ficam perguntas. Os salários que atrasaram e foram pagos pela metade antes do jogo influenciou?

Estão querendo derrubar Guilherme Macuglia do cargo?

Responda quem achar que deve responder.

Neste elenco da Chapecoense não da para confiar.

Mithyuê no Atlético Paranaense

domingo, junho 20th, 2010

O que era especulação agora é realidade. Mithyuê vai jogar no time da Baixada.

Mithyuê não estava nos planos de Silas no Grêmio e como é atleta que tem parte do passe nas mãos de Paulo César Carpeginani que treina o Atlético/PR nada melhor que mudar de ares e fazer sua carreira deslanchar. Se Mithyuê depender de Silas o garoto está roubado. Silas prefere investir nos seus bruxos em detrimento da qualidade.

O Atlético/PR não está em boa fase, mas tem estrutura e pode sim ser a vitrine para Mithyuê. Boa troca!

Vergonhoso. JEC 4×0 Chapecoense

domingo, junho 20th, 2010

Olá amigos e amigas.

Cheguei de viagem as 02:30 e ainda não me animei a opinar sobre mais este fiasco da Chapecoense.

Faço isso logo mais.

 De bom apenas as chegadas de Pedro Ayub e Gustavo Papa amanhã.

Deixo agora duas perguntas no ar: O grupo está mostrando sua inconformidade com o salário que atrasou? Ou mais uma vez o grupo decidiu que vai derrubar o técnico?

Volto logo mais.