O que tem na toca do Ratinho?

Luciano Ratinho deixa a Chapecoense para tratar uma lesão no ombro e deve parar por dois meses. Esta a versão apresentada pela Chapecoense.

Bom caráter foi o que mais se ouviu.

Acertadas as contas o que sabemos é que ela já estaria acertado com o Sertãozinho para atuar pela Copa Paulista.

Nada de errado em sair e buscar novos ares, mas é necessário mentir? Sim, mentir, porque alguém está mentindo neste episódio.

Uma situação é pedir rescisão de contrato para tratar da saúde a outra é abandonar o barco no meio do caminho e não cumprir um contrato. Você passa de bom caráter a no mínimo um profissional que não cumpre o prometido.

Luciano Ratinho jogou na Chapecoense apenas com o nome. Mais uma contratação de impacto que não deu certo. Com sua saída antes de finalizar o contrato a Chapecoense poupa cerca de R$ 40 mil o que convenhamos é a melhor parte do negócio. O que depõe favoravelmente ao atleta é o fato de ter levado apenas o valor do salário e não uma montanha de dinheiro como outros enganadores e mal intencionados que por aqui passaram.

Se Ratinho saiu para tratar da saúde trata-se de uma iniciativa louvável e uma demonstração de caráter elevado, mas se foi apenas uma troca fica a imagem de quem correu da luta. Quem está faltando com a verdade?

5 comentarios para “O que tem na toca do Ratinho?”

  1. Everton disse:

    Fernando

    Ele já vai fazer sua estréia domingo contra o Batatais: Veja esse video:
    http://eptv.globo.com/emc/VID,0,1,19975;3,ratinho+no+sertaozinho.aspx

  2. fernando disse:

    Ei sei. Já assisti ao video da EPTV. Mas segue a pergunta. Quem mentiu?

  3. Silvio SZ disse:

    Na certa quem mentiu foi a diretoria da Chapecoense por uma simples razao, ou seja.:

    Os diretores achavam que o Ratinho era o cara. Por isso inventaram um tratamento de saude, pois assim a torcida nao ficaria revoltada.
    Mas, na verdade, foi uma bençao esse jogador ter saído.

    Como nao houve reaçao negativa da torcida e da imprensa, aí começou a vazar a realidade. O Ratinho simplesmente se mandou pro Sertaozinho.

    E mais, tenho certeza que nao foi salario que levou ele para lá. A bagunça o despreparo de Macuglia no trato de esquemas de jogo e defalta ordem naquele galinheiro, fez com que ele saísse o mais rapido daqui.

  4. Nelson Kichel disse:

    Avaliando o contexto da Chape.

    Como a Diretoria não se mexe, não toma nenhuma atitude em relação ao treinador, que está com prazo de validade vencido no cargo há muito tempo, o qual está impactando negativamente a vida do Verdão tanto fora quanto dentro do campo, e… nessa inércia da Diretoria que teima cegamente em continuar nessa trajetória descendente do Verdão, Ratinho fez o certo, pediu as contas, e cascou fora, antes que sobrasse para ele.

    A Diretoria do Verdão precisa tomar atitude… chega de omissão, chega desse sofrimento, desse peso, desse modo travado da Chape atuar em campo, é preciso inverter o sentido desse trajetória descendente do Verdão…

    E, para mudar a trajetória para cima, para sentido ascendente, é preciso, antes de tudo, competência no comando do grupo, ou seja, trazer um técnico para elevar o Verdão, dar novo paradigma ao Verdão, mudança de mentalidade, que saiba fazer a equipe ser vencedora, fazer a equipe dar o máximo em campo.

    Sugestão:

    Por exemplo, o técnico Ramirez, ou o Juceli dos Santos são técnicos competentes, criativos, inteligentes, e que sabem avaliar o potencial de cada jogador do plantel, que sabem fazer a leitura com precisão das caracteristias de cada atleta, que sabem juntar e encaixar as peças com precisão na equipe e extrair o máxima de cada atleta no sistema de jogo eleito.

    Com isso, a vida do Verdão seria outra, dentro e fora de campo. Tudo mudaria da água para o vinho.

    O plantel da Chape é bom, mas falta alguém que saiba juntar e encaixar as peças certas no lugar certo, dar liga, e extrair o melhor de cada jogador em prol do grupo, para que o resultado final aconteça e seja positivo: vitória, vitórias.

    Chega dessa desorganização técnica e tática da equipe em campo. Futebol é esporte coletivo. O resultado final do jogo é o somatório dos esforços individuais. Se a produção do atleta em campo é fraca, o somatório dos esforços individuais para o coletivo (para o grupo) fica aquém do necessário para construir e conseguir a vitória no jogo… e a trajetória do Verdão tem sido assim: só resultados fracos, empates, derrotas…

    É preciso mudar!

    Na minha concepção, mesmo que o Verdão vença o jogo neste domingo, é preciso contratar novo comandante já, pois o Verdão precisa de choque, de mudança de paradigma, chega de mediocridade, e necessário buscar pontos em Criciúma, já no outro domingo…e assim sucessivamente. É preciso de um comandante estrategista, lúcido, objetivo, eficiente, confiável, preciso, destemido, que saiba abrir os horizontes da equipe, imprimir padrão de jogo à equipe, dar confiança ao grupo, valorizar os atletas, para que os resultados positivos fora de casa sejam a regra, e que aconteçam naturalmente.

    Avante Verdão!

  5. Roberto disse:

    A tá… a Bíblia é que está errada, quem tá certo é o Nelson… que pena que além de contaminar o blog Goldachape esse indivíduo está por aqui também. Critica até a sombra, sem fundamentação, movido por alguma mágoa pessoal com o Macúglia, “torcedorzinho” de ocasião, negativista e inoportuno. A hora é de mobilizar a tocida, não de plantar intrigas Sr. Nelson… Ou quem sabe, saia de onde voçe mora (que não é Chapecó) e venha expor suas idéias frente a frente com a diretoria do verdão, em frente a um computador é fácil falar M… mas tem que ser homem pra assumir pessoalmente…

Deixe um comentario