Arquivo para fevereiro, 2011

O Tigre mostrou sua força

domingo, fevereiro 27th, 2011

Figueirense 0×1 Criciúma. Ganhou quem mereceu.

Guilherme Macuglia esteve muito melhor do que Márcio Goiano. O Figueirense fez quem sabe sua pior apresentação na temporada, mas como o Criciúma não tem nada a ver com isso foi lá e fez sua parte quebrando um tabu de oito meses sem vencer fora de casa.

Não foi um bom jogo de futebol. A decisão se deu de bola parada em uma cobrança magistral de Mika. O primeiro tempo foi todo do Criciúma que sobrou em campo. Na segunda etapa o Figueirense buscou jogar mais, mas teve o chamado falso domínio, quando teve mais posse de bola, porém, sem competência para arrematar.

A estratégia de Macuglia na segunda etapa foi muito perigosa, quando esperou na sua área o Figueirense. Guilherme Macuglia tem este estilo. Mas no final das contas deu certo, muito pela competência da melhor zaga do campeonato e muito também pela falta de qualidade do ataque do Figueirense.

O que seria melhor para a Chapecoense? Escrevi na semana passada que uma conquista do Figueirense seria mais interessante. E sigo com esta convicção.

A primeira grande decisão da Chapecoense será no sábado aqui em Chapecó contra o Avaí. Ganhou está na briga. Perdeu complicou tudo. Parabéns ao Criciúma que soube ser campeão. Mereceu.

Sem clássico na final

Muitos quiseram fazer Santa Catarina engolir que o melhor futebol do estado está em Florianópolis. A torcida era grande para uma final com equipes de Série A. Não vai ser neste ano. O Criciúma tratou de estragar este sonho e mais uma vez faz com que alguns enxerguem além da ponte que liga a ilha ao continente. Essa é a grande marca do futebol catarinense. Aqui o interior sempre tem vez.

Antes de a bola rolar para esta decisão estava circulando uma matéria pelo estado que dizia que com a chegada de Silas ao Avaí a equipe tinha melhorado muito e que já era candidata ao titulo do returno. Será que já combinaram com os outros nove clubes da competição? Haja paciência.

Existe um projeto e muita vontade

quinta-feira, fevereiro 24th, 2011

Quando a Chapecoense encarou a Série C ainda sob o comando de Agenor Piccinin, logo após o sucesso de 2007, não existia vontade e tampouco projeto para acessar a Série B. O fracasso ainda na primeira fase foi apenas um reflexo de tudo aquilo. Edir de Marco, presidente na oportunidade, não escondia de ninguém que a Série C de então era um estorvo. Não estava de todo errado, pois a organização da Chapecoense enquanto clube era muito incipiente.

Já na Série C do ano passado, depois da terrível temporada no estadual, desde o inicio do certame, o discurso era permanecer na terceira divisão. Quando a possibilidade de acesso se apresentou até houve uma mobilização, mas a equipe era fraca e inconfiável. Bateu na trave.

Acredito que foi uma grande oportunidade perdida, mas será que a Chapecoense estaria preparada para este ano encarar uma Série B?

Agora, na temporada 2011, existe além da vontade toda uma preparação. A possibilidade de que a Série C deste ano seja mais complicada do que a do ano passado é grande, mas a Chapecoense parece bem mais equipada para encarar este desafio.

O negócio não é apenas chegar à segunda divisão nacional, mas sim se manter lá por algum tempo para que se adquira a experiência de conviver entre os 40 maiores clubes de futebol do Brasil e com todas as arrecadações e principalmente despesas que esta convivência vai oferecer.

Uso como exemplo o Internacional que no ano passado, mesmo ganhando uma montanha de dinheiro dos direitos de TV e vendendo jogadores fechou o ano com declarados R$ 20 milhões de prejuízo. Some a isso a divida que se acumula há décadas. É projeto para gente grande. Agora a Chapecoense quer de verdade a Série B.

Quem é quem na Chapecoense

quarta-feira, fevereiro 23rd, 2011

De alguns anos para cá é complicado, até mesmo para os mais fanáticos torcedores, aqueles que dormem com a camiseta do clube do coração, saber na ponta da língua quais os jogadores que integram o elenco da sua equipe preferida. A dinâmica das contratações é tamanha que houve a necessidade de criar um mecanismo para segurar um pouco este troca-troca.

Segundo informação enviada pelo departamento de comunicação da Chapecoense hoje o elenco é este:

Goleiros- Nivaldo, Rodolpho, Alencar, Juliano e Luis Carlos.

Laterais - Aelson, Badé e Thoni.

Zagueiros - Kleber Goiano, Silvio Bido, Grolli, Fabiano, De Lazzari, Gustavo e Dema.

Volantes - Everton Garroni, Everton Cezar, Marcos Alexandre, Diogo Roque, Jan e Henrique.

Meias - Cleverson, Rafael Bittencourt, Neném, Sagaz e Marcos Vinicius.

Atacantes - Aloisio, Neilson, Valdanes, Leandro e Rogério.

Ao total 31 nomes estão à disposição de mauro Ovelha.

Nota-se que nas alas existe carência de opções. De goleiros a Chapecoense está muito bem. Na zaga houve uma melhora considerável. Na área de volantes resta saber como será a estréia de Diogo Roque para sabermos se a contratação vai repor um volante de verdade no elenco. Na meia cancha quem está merecendo mais chances é Rafael Bittencourt. No ataque de cinco nomes três estão sendo bem aproveitados. Rogério e Leandro ainda não mostraram o que se espera deles.

É com certeza um elenco que pode muito bem se destacar no segundo turno da competição.

Os ruídos dos bastidores

terça-feira, fevereiro 22nd, 2011

A boa participação da Chapecoense no primeiro turno da competição atiçou olhares para alguns nomes do elenco. O que mais chamou a atenção é Aloísio. Goleador do time e autor de jogadas de qualidade seu nome desponta no mercado. Já se falou que ele teria um acerto com o Figueirense para jogar a Série A. Agora surge o boato de que ele poderia estar deixando a Chapecoense antes mesmo de a bola rolar para o returno. Se for mesmo verdade a Chapecoense terá de fazer um esforço no sentido de manter Aloísio até o final do estadual. Vale o investimento.

Outra situação é o descontentamento de Cleverson. Ao final do jogo em Criciúma ele reclamou para repórteres que lá estavam que está se sentindo desvalorizado em Chapecó e que não está se sentindo acarinhado pelo torcedor.

Reclama bastante este Cleverson! Impressionante como nunca se mostra contente. Na vida funciona assim Cleverson. Se não estamos satisfeitos com determinada situação é obrigatória a mudança. Se Cleverson não está feliz com Chapecó que trate de mudar de equipe. Fácil.

É uma pena, pois Cleverson tem qualidade. Não vive uma boa fase, mas tem futebol para brilhar. O que não dá é ficar reclamando sempre, pois desta forma este desanimo acaba refletindo dentro de campo. E é justamente isso que está acontecendo.

Cleverson não tem motivos para reclamar de Chapecó e da Chapecoense. Joga em um clube de destaque em SC, recebe um bom salário em dia, desfruta de uma invejável estrutura e logística de viagens. Está ruim ainda?

Aí fica complicado.

Uma nova realidade

segunda-feira, fevereiro 21st, 2011

Momento de união

A tendência do returno do Campeonato Catarinense é de uma disputa ainda mais acirrada. O negócio agora é torcer para que o Figueirense trate de ganhar este turno, já que pelo que se viu no domingo é a equipe mais bem preparada da competição. Será complicado segurar o Figueirense caso o Criciúma confirme a vaga.

De resto à maior parte das equipes está em um mesmo patamar. Criciúma e Chapecoense estão logo atrás do Figueirense. O Avaí é uma incógnita, mas tem um elenco que pode muito bem reverter à situação em relação ao péssimo rendimento do primeiro turno. A boa noticia é que a Chapecoense recebe o Avaí já na largada da segunda fase e em casa. Jogo decisivo. O Marcilio Dias que pode incomodar joga em Chapecó. O Joinville que é sempre um adversário a ser respeitado não vive grande fase mais uma vez e jogará na Arena. O Imbituba é obrigação de vitória. Tem Brusque e Metropolitano fora de casa que sempre são jogos que a Chapecoense gosta de se complicar. E para o Concórdia fica o gosto da vingança para vencê-lo na sua casa e quem sabe encaminhar seu descenso.

No returno serão quatro jogos em casa e cinco fora para a Chapecoense. A tabela é mais complicada, porém, a Chapecoense nitidamente está mais forte do que na fase inicial. Assim como foi a equipe que largou melhor, tem uma tendência de chegar bem novamente para o começo da fase derradeira. O que a Chapecoense terá de se preocupar é com a regularidade no seu rendimento. Não existe mais espaço para altos e baixos.

Foto – Site oficial.

Os detalhes fizeram a diferença

domingo, fevereiro 20th, 2011

Em primeiro lugar quero destacar que o jogo Criciúma 1×1 Chapecoense foi um belo espetáculo no que pese o gramado prejudicado pela chuva. Outro destaque para o trabalho de muita qualidade desenvolvido pela arbitragem comandada por Célio Amorim. E a classificação do Criciúma se consolidou por detalhes que são registrados desde a primeira rodada. Se a Chapecoense tivesse cumprido sua obrigação em casa como fez o Criciúma estaria ela hoje classificada. Como não aproveitou a passagem do cavalo que se oferecia encilhado e chance passou e não mais retornou. É assim mesmo. Porém foi um primeiro turno digno, que deixou o desejo de quero mais, mas que mostrou aplicação e vontade do elenco.

A Chapecoense começou em alta, depois caiu e agora voltou a ser mais eficiente. As últimas contratações já se mostraram muito acertadas e com isso a Chapecoense ganhou consistência defensiva.

Outra realidade que não pode ser disfarçada é a de que o regulamento é muito injusto e que foi extremamente mal concebido nos sempre infrutíferos encontros entre clubes e federação.

O empate na semifinal deveria obrigatoriamente conduzir a decisão da vaga para os pênaltis, assim como acontece no RS. Por falta de inteligência criaram uma distorção que deve ser corrigida para 2012. Outro detalhe que não pode ser esquecido é o de que se uma equipe vencer turno e returno terá de jogar a decisão com aquela de melhor indicie técnico, ou seja, não leva direto como deveria.

Erros que devem ser reconhecidos.

O returno

As possibilidades de conquista do returno se complicam por uma série de fatores. O que realmente faz a diferença são investimentos em qualidade e a existência de apenas uma vaga. A porta fechou pela metade. A Chapecoense terá agora quatro jogos em casa e cinco fora. Na verdade esta distribuição da tabela pouco importa. Veja o caso do Criciúma que jogou menos em casa em comparação com a Chapecoense e levou a vaga. A estréia no returno será contra o Avaí, aqui em Chapecó. Jogo que pode já na arrancada definir a condição de ambos na temporada estadual. Vale muito este encontro. Afunilou.

Foto – Futebolsc.com

O dia de quebrar um tabu

sexta-feira, fevereiro 18th, 2011

HH, novamente o palco.

A história conta que a Chapecoense não vence em Criciúma há 11 anos. É muito tempo! Neste lapso ganhou um titulo lá dentro do Heriberto Hulse, em 2007, mas foi com um empate em 2×2 com o gol histórico de Fabio Wesley. Agora o empate não serve. O único resultado é a vitória para dar a Chapecoense à condição de seguir adiante. Estes dados históricos servem apenas para retratar a passagem do tempo, mas não reflete o agora. O hoje diz que o Criciúma chegou à frente da Chapecoense com a única diferença do numero de gols sofridos. Foram nove pelo Criciúma e 16 pela Chapecoense. Este número preocupava até a 8ª rodada. Após as modificações e reforços no setor defensivo a situação melhorou para a Chapecoense. Em assim sendo erra quem determina que o Criciúma é muito melhor do que a Chapecoense.

Reconhecer virtudes no Tigre é uma obrigação, assim como na Chapecoense. Deixar de assinalar defeitos em ambos também é um erro. O que realmente pode pesar nesta decisão é o fator local e de que forma a Chapecoense vai lidar com ele, como será a atuação de Célio Amorim e de que forma o Criciúma vai atuar com prováveis dois desfalques (Rogelio e Roni).

Mauro Ovelha está fazendo certo mistério na escalação da equipe. Colegas que acompanharam o treino apronto acreditam em um 3-6-1 com Cleverson chegando mais a frente.

O certo é que a Chapecoense vai cozinhar este jogo o que der. O empate serve para o Criciúma e este fator pode criar a sensação de superioridade e numa escapada a vaga pode ser decidida. Será um jogo de dois times qualificados.

A mágoa que ficou

sexta-feira, fevereiro 18th, 2011

Volto a tocar neste ponto sem a intenção de querer criar um ambiente hostil entre quem quer que seja.

Inegável a mágoa que ficou entre dirigentes da Chapecoense para com o técnico do Criciúma Guilherme Macuglia. Existe entre as partas além da motivação do profissional e do dirigente um algo a mais que envereda pelo campo pessoal. Particularmente tive com Guilherme Macuglia na sua mais recente passagem por Chapecó uma convivência das mais agradáveis. Para Macuglia a classificação servirá como uma espécie de cala a boca. Para dirigentes da Chapecoense uma pequena vingança pela não classificação para a Série B e tudo mais que veio depois. O emocional faz parte desta decisão.

Parece piada

quinta-feira, fevereiro 17th, 2011

A Federação Catarinense de Futebol gosta de viver fortes emoções.

Hoje tivemos o sorteio das arbitragens para a semifinal do turno.

Criciúma x Chapecoense terá Célio Amorim no apito. Árbitro de altos e baixos e que sempre é uma incógnita. Participou do sorteio Raimundo da Luz Nascimento.

A surpresa ficou por conta da escala para Figueirense x Joinville. No sorteio saiu o nome de Rodrigo D`Alonso Ferreira. Participou do sorteio Ronan Marques da Rosa.

Tomara que Rodrigo realize um trabalho a altura desta aposta da FCF. Aqui em Chapecó no jogo contra o Brusque ele foi um desastre. Na votação do Top da Bola atribuí a ele uma nota ZERO.

A sua presença na escala de uma semifinal só se justifica pelo fato de que o relatório de sua atuação em Chapecó lhe foi extremamente favorável. Por estas e por outras que temos em SC uma das piores arbitragens do Brasil.

Jogo: 47 da SEMIFINAL.. DO TURNO – GRUPO B
Confronto: Criciúma X Chapecoense
Cidade – CRICIUMA – estádio: – HERIBERTO HULSE dia: 19/02/2011 às 19:30 horas
Delegado: FABIO MARCEL NOGUEIRA – CBF
Árbitro: CELIO AMORIM – ASP-FIFA
Assistente – 1: CARLOS BERKENBROCK – FIFA
Assistente – 2 - JOSUÉ GILBERTO LAMIM – CBF
4º Árbitro: BRAULIO DA SILVA MACHADO – EBERVAL LODETTI
Árbitro participante do sorteio: – RAIMUNDO DA LUZ NASCIMENTO
Observador: – WALDIR LODETTI
Jogo: 46 da SEMIFINAL. DO TURNO – GRUPO A
Confronto: Figueirense X Joinville
Cidade – FLORIANÓPOLIS – estádio: – ORLANDO SCARPELLI dia: 20/02/2011 às 16:00 horas
Delegado: JUNIOR MORESCO – CBF
Árbitro: RODRIGO D’ALONSO FERREIRA
Assistente – 1: ANGELO RUDIMAR BECHI – CBF
Assistente – 2 - ROSNEI HOFFMANN SCHERER – CBF
4º Árbitro: MARCUS DE SOUZA – ALTAIR JOSÉ SCHMIDT
Árbitro participante do sorteio: – RONAN MARQUES DA ROSA
Observador: – LUIZ CARLOS ESPINDOLA

Anúncios, recados e decisões

terça-feira, fevereiro 15th, 2011

Xaro foi emprestado até o final do Gaúchão

A diretoria da Chapecoense chamou a imprensa para uma coletiva hoje à tarde. Anunciou as saídas de Xaro e Carlos Eduardo para o São Luiz de Ijuí e de Marcelo Guerreiro para o Arapongas/PR. Vai anunciar a contratação de um volante. O caso Cleverson foi encerrado com um pedido de desculpas formal via imprensa para chegar ao torcedor. O presidente Sandro Pallaoro fez uma avaliação positiva do primeiro turno e que dentro dos objetivos traçados a Chapecoense chegou a uma posição satisfatória. Decisões e avaliações corretas de uma diretoria que está trabalhando para acertar.

Na fala de Izair Gambatto ficou claro o descontentamento da diretoria com parte da imprensa que avalia de forma negativa o momento da Chapecoense. A liberdade de expressão deve existir de todos os lados. Izair Gambatto exerceu a sua. A imprensa que fala e escreve deve saber ouvir também. A crítica sempre vai existir, ela colabora na formação positiva dos projetos, porém é preciso saber separar a opinião da maldade.

Minha avaliação é de um momento de recuperação e dentro daquilo que a diretoria pregou na abertura da temporada está existindo coerência entre a retórica e a ação. Problemas pontuais ou mesmo coletivos estão sendo resolvidos com rapidez e de forma muito clara.

Na verdade esta classificação da Chapecoense para a semifinal desagradou alguns. Tinha gente esperando o desastre para deitar e rolar. Para dizer: – Eu sabia!

Eu sinceramente prefiro ver a Chapecoense com um olhar positivo. Muito ainda precisa ser feito, a evolução deve continuar, mas inegavelmente existe uma ação positiva para que isso aconteça. Cada um pensa e se expressa da maneira que achar mais adequado arcando com as conseqüências.