Arquivo para abril, 2011

Duro de Matar 2011

quinta-feira, abril 21st, 2011

Nesta temporada a Chapecoense vive jogo após jogo uma série de decisões importantes que obrigada à imprensa a tratar cada um destes episódios como sendo o jogo mais importante do ano. E a realidade é esta mesma. Contra o Concórdia foi uma decisão. Veio o Brusque e com ele uma responsabilidade ainda maior. Agora é a vez do Joinville. Passando por este será a vez de um dos times da Capital. E para encerrar a série, como se espera, o duelo contra o Criciúma. Jogo após jogo, decisão atrás de decisão, este está sendo o caminho da Chapecoense em uma temporada fabulosa neste Campeonato Catarinense. Ontem esta zapeando na TV a cabo e me deparei com a milésima apresentação do filme Duro de Matar 4.0, com Bruce Willis e seu repertório interminável de tiros, socos e sacadas geniais para escapar de uma enrascada. Lembrar da Chapecoense foi quase automático. Os inimigos são muitos e fortes. Assim como o herói das telas a Chapecoense normalmente larga em desvantagem, seja pelas distâncias a serem percorridas ou pelo recurso financeiro que invariavelmente é menor do que no mínimo outros quatro fortes candidatos. E lá estava eu, olhando o Bruce Willis aniquilar seus adversários para salvar sua filha e o planeta, e pensando na Chapecoense. Dentre as poderosas armas que a Chapecoense possui em suas mãos, quem sabe a mais potente seja a organização interna que se estabeleceu para esta temporada e que serve de base para um projeto de longo prazo. As escolhas de pessoas certas para os lugares certos, credibilidade para captar recursos, apoio do Poder Público, investimentos da iniciativa privada em patrocínios, torcedores respondendo aos apelos da diretoria e dentro de campo uma equipe competitiva e comprometida com o projeto. Comparando a Chapecoense com o personagem de Bruce Willis, John McClane, da série Duro de Matar, as armas do Verdão são mais poderosas. De capitulo em capitulo a Chapecoense está escrevendo sua história. Tomara que ao final dela tenhamos o titulo O Campeão, estampado nos noticiários esportivos do Brasil, tendo como protagonistas uma turma competente de atores que se vestem de verde e branco como verdadeiros guerreiros da bola.

Verdades e mentiras

terça-feira, abril 19th, 2011

TEXTO DA COLUNA NO JORNAL VOZ DO OESTE DE HOJE, 19/04, QUE A PEDIDO PUBLICO NO BLOG.

Está confirmado que o jogo entre Chapecoense e Joinville será o jogo da TV no domingo de Páscoa, às 16 horas.

Mesmo contrariada por alguns, houve sim uma noticia oriunda de um dos veículos da empresa detentora dos direitos de TV que a intenção era de passar este jogo da Chapecoense para o sábado à tarde. A informação chegou a ser afirmativa de que a mudança já estaria decidida. A referida informação foi imediatamente repassada para a rede de plantões de estúdio de todo o Brasil e desta forma veiculada pelas rádios que realizavam as tradicionais coberturas esportivas de domingo.

Tal informação chegou a ser repassada aos integrantes da diretoria da Chapecoense e chegou ao prefeito de Chapecó, José Claudio Caramori.

As manifestações contrárias foram imediatas. Recebi na noite de domingo uma ligação que dava conta de que já havia acontecido um contato do prefeito de Chapecó com um dos diretores da RBS para saber mais detalhes a respeito de uma possibilidade de mudança de data da realização do jogo entre Chapecoense e Joinville. A fonte me garantiu que a empresa de comunicação manteria o jogo para o domingo de Páscoa.

Lendo a coluna do Roberto Alves no Diário Catarinense de segunda-feira o mesmo destacava a possibilidade de mudanças em qualquer um dos dois jogos e que a definição aconteceria perto do meio dia.

Meu colega Cleiton Cesar, na apresentação do quadro de esportes do Jornal do Almoço, mostrou sua contrariedade com integrantes da crônica esportiva de Chapecó que, segundo ele, teriam veiculado uma informação errada.

Se a rádio do grupo noticiou, se o jornal do grupo publicou, será que a imprensa esportiva de Chapecó estava errada? O Cleiton fez seu papel em defender a empresa em que trabalha e uma informação que ele julgou correta.

Cabe ao restante da imprensa, que não tem compromisso com outras questões, levantar a possibilidade de um prejuízo para a Chapecoense e desta forma alertar a opinião pública e a direção da Chapecoense para antecipar medidas. Somente isso e nada mais. A briga entre redes de TV não me interessa em nada. O que não posso é aceitar que parte da imprensa passe por mentirosa para que uma empresa de comunicação fique como a dona da verdade.

Esquecer a vantagem

terça-feira, abril 19th, 2011

A Chapecoense tem em suas mãos, graças à brilhante campanha que fez e faz neste Campeonato Catarinense, vantagens muito consistentes e que devem ser valorizadas, mas momentaneamente esquecidas. Entrar em campo pensando que pode empatar é o primeiro passo para a derrota. Estou gostando de ouvir as manifestações da comissão técnica e do grupo de jogadores em torno deste assunto.

Todos eles destacam que a vantagem existe, mas está sendo solenemente deixada de lado neste momento em nome do objetivo maior. Mais uma mostra de maturidade do elenco verde e branco.

Do lado do Joinville existe um discurso de respeito para com a Chapecoense, de reconhecimento da vantagem do adversário, mas a crença de que tudo pode ser mudado dentro de campo.

Ou seja, o inicio de semana está dentro dos conformes daquilo que se estabelece como norma de convivência elegante e fraterna entre as partes. Dentro de campo, evidentemente, será uma guerra.

Respeito é importante, pois esta vaga será decidida em apenas um jogo, quando influências pontuais poderão determinar o sucesso, ou não.

Respeito o Joinville, mas deixar de analisar os números da competição seria desvalorizar a Chapecoense.

No turno eles estiveram muito próximos, com um rendimento de 15 pontos da Chapecoense contra 13 do Joinville. Veio o returno e com ele um distanciamento substancial. Na segunda fase a Chapecoense alcançou a ponta da tabela com 22 pontos contra apenas 14 do JEC.

Somando tudo temos a distância de 10 pontos entre um e outro.

Reiterando mais uma vez que por ser uma decisão de apenas um jogo todo este distanciamento pode cair por terra, mas é inevitável admitir a superioridade da Chapecoense.

 

 

A confirmação

segunda-feira, abril 18th, 2011

A vitória da Chapecoense sobre o Brusque no estádio Augusto Bauer (1×0) foi a confirmação de que o Verdão tem a melhor equipe de SC na atualidade.

Foi uma vitória que poderia ter sido menos complicada não fosse o pênalti desperdiçado por Neném, mas que no final premiou a melhor equipe. O Brusque valorizou a vitória e a confirmação da primeira colocação, obrigando ao goleiro Rodolpho da Chapecoense a realizar sua melhor apresentação até aqui. O gol foi do zagueiro Delazzari, aliás, um belíssimo gol.

Não gostei da atuação do conjunto do ataque da Chapecoense e mais uma vez do Thoni que segue abaixo de suas possibilidades. Inclusive ele está fora da semifinal por ter recebido o terceiro amarelo. Desagradou-me também a expulsão de Marcos Alexandre, pois o jogo estava encaminhado e ficou a impressão de que faltou maturidade no momento.

Nos destaques positivos a atuação brilhante do goleiro Rodolpho. A bela entrada de Everton Cesar. E uma atuação coletiva de entrega da equipe. Ao final do jogo uma cena marcante. O abraço de Nivaldo em Rodolpho, em mais uma clara demonstração de união do grupo.

Agora é aguardar Chapecoense x Joinville e Figueirense x Avaí.

Não existe reparo a ser feito quanto à presença destes quatro na fase semifinal do returno.

A semana será de trabalho intenso e de mais uma vez lembrar de que tudo aquilo que até aqui foi construído de nada valerá se o Joinville vencer no domingo.

O jogo está muito longe do apito final.

 

Foto: Futebolsc.com

Tão próximos e tão diferentes

quinta-feira, abril 14th, 2011

Volto a comparar os campeonatos regionais de SC e do RS. No quesito equilíbrio e emoção o de SC da um banho no RS, não resta dúvida.

Por aqui a cada começo de temporada temos cinco ou seis equipes credenciadas para chegar. A briga pelo rebaixamento vai até as últimas rodadas.

No RS um clube do interior leva o Gaúchão a cada aparecimento de cometa. Estruturalmente os estádios no RS são bastante acanhados e com certeza são piores do que os de SC, fora os de Porto Alegre.

A diferença está no dinheiro envolvido na comercialização das cotas de TV e no batismo da competição que agora leva o nome do patrocinador máster. Para a próxima temporada cada clube gaúcho vai levantar R$ 1 milhão.

Mas nem tudo que reluz é ouro. Equipes do interior já tratam de buscar adiantamentos para fechar as contas desta temporada. Lembrando que neste ano cada um recebeu R$ 600 mil, valor muito acima dos praticados em SC. Este quadro mostra despreparo dos dirigentes interioranos gaúchos no trato dos recursos. Não ganham nada, jogam quatro meses por ano e ainda assim quebraram seus cofres. Aí tem!

Imagine a Chapecoense recebendo uma cota de R$ 1 milhão para dar arrancada em uma temporada!

A Chapecoense recebeu menos de R$ 200 mil e mesmo assim está na ponta da tabela. Se tivesse este aporte dos gaúchos certamente estaria com sobras na Série B nacional.

Erros dentro de casa

Não defendo a RBS mesmo porque ela não necessita. Sua linha de atuação é extremamente comercial e profissional, sem envolvimentos apaixonados. Coloca no ar o que julga lhe dar mais audiência e faz sim grande parte dos setores se ajoelharam perante seu poder de fogo.

Com os clubes de futebol de SC não é diferente. A RBS oferece uma cota pequena para a TV e os clubes assinam contratos acreditando estar fazendo um baita negócio.

Se você vai comprar um imóvel e oferece menos da metade do que ele vale e quem está vendendo aceita, existe algo errado nisso? Existe sim!

O erro é de quem vendeu e não de quem comprou. Ou seja, muitas vezes cobramos da RBS ou de outras redes de TV algo que elas não merecem responder. O erro esta nos clubes e nesta piada que é a Associação de Clubes Profissionais de SC. É muito simples, se não pagar o que é justo não tem transmissão por TV. Nem destaco o contrato da TV a cabo, pois este direito é vendido por bananas podres e ainda interfere diretamente nas rendas dos jogos.

Estratégia manjada

quarta-feira, abril 13th, 2011

 

Esta história que envolve Aloisio e uma possível transferência sua para o Figueirense nada mais é do que a velha e manjada estratégia de tentar comprometer aquele que hoje é o principal nome do ataque da Chapecoense.

Foi assim em 2007 quando o Criciúma investiu em Adriano. O Criciúma perdeu o titulo, mas anulou o nome mais virtuoso da meia cancha do Verdão.

Nada contra clubes que mostram interesse por atletas que defendem equipes rivais dentro de um mesmo Estado.

O que fica complicado nestes episódios é a total falta de ética. Os empresários do futebol tem se transformado em uma raça completamente alheia as regras básicas da ética, jogando noticias no ar, com a conivência de maus jornalistas que estão a serviço desta engrenagem odiosa e que está transformando o futebol em um verdadeiro mercado de escravos.

Não se respeita mais nada. Jovens atletas, crianças, já estão sendo negociados com tenra idade, passando por cima da autoridade dos clubes que lhes formam.

No caso de Aloisio ele jura que fica na Chapecoense até o final da Série C. Pela forma com que Aloisio apresenta sua versão cabe acreditar nele com tranqüilidade.

Dias atrás um diretor do Figueirense disse que não existiria em SC jogar capaz de vestir a camiseta do Figueirense na Série A do Campeonato Brasileiro. Inclusive fez pouco de Aloisio quando perguntado sobre o interesse sobre o atacante da Chapecoense.

Palhaçada.

 

Chapecoense fora da Copa SC

segunda-feira, abril 11th, 2011

Agora é oficial. A Chapecoense desistiu oficialmente da Copa SC 2011 e desta forma apenas cinco equipes permanecem confirmadas para a Copinha. O Marcílio Dias lançou em seu site uma enquete para que seus torcedores definam sobre a permanência ou não. A Copa SC somente acontecerá se um mínimo de quatro equipes confirmarem presença. É uma exigência da CBF. A Copinha vale apenas uma vaga para a Série D. Quando retiram dela a vaga para a Copa do Brasil foi o mesmo que autorizar uma eutanásia.

Em assim sendo a Chapecoense vai formatar sua preparação para a Série C do Campeonato Brasileiro realizando amistosos. Tomara que sejam com adversários de qualidade, sempre difíceis de serem encontrados neste período.

Na reta final

segunda-feira, abril 11th, 2011

Aloisio nos braços do povo verde e branco

A Chapecoense entra na reta final do returno em posição extremamente confortável para este jogo contra o Brusque e tendo o adversário em situação inversa, pois precisa vencer e ainda depende de resultado paralelo para confirmar o G4.

Certamente não será jogo fácil, mas este conforto de saber que já está com no mínimo a segunda colocação tira da Chapecoense uma carga e tanto. O Brusque terá de se jogar a frente para vencer no típico jogo que a Chapecoense gosta e sabe jogar.

Aloísio está fora do jogo por ter forçado o terceiro cartão amarelo no jogo de Concórdia. Pelo que Jean Carlos apresentou no domingo dificilmente começa o jogo, pois visivelmente está sem ritmo. Neném deve ser a opção e desta forma Cleverson deve jogar mais adiantado.

Muito estará em jogo no domingo. Se a Chapecoense vencer, levanta a taça de campeão do returno, jogará por dois empates para chegar à decisão e antecipadamente confirma a decisão para Chapecó. Além da monstruosa vantagem de jogar por empates em casa estará garantindo rendas polpudas para reforçar o caixa.

A Chapecoense merece. Existe uma tendência de que esta vantagem venha a ser confirmada. Desde a largada do returno a Chapecoense está na liderança.  

O Brusque nitidamente está com seu vestiário em crise após as declarações via Twitter de Lenílson que detonaram publicamente o técnico Nestor Simionato. Ele lascou: “Como diz o ditado popular: time ou (esquema tático) que está ganhando não se mexe”, disparou Lenílson, que foi sacado da equipe e entrou apenas durante a partida no Estádio do Sesi.

Enquanto isso Mauro Ovelha está com o grupo 100% na mão e existe sim um comprometimento formal de todos com o objetivo primeiro de chegar à decisão. O jogo do ano é domingo em Brusque. Apenas depois virão os mais importantes.

Foto: Diário do Iguaçu.

Sem entrar na pilha

quinta-feira, abril 7th, 2011

 

Mauro Ovelha reclamou uma barbaridade de matérias feitas com seus atletas que destacavam mais do que o futebol. Quando um apelido era cunhado ele esbravejava!

As denominações Gladiador e Michael Jordan criam erisipela no técnico da Chapecoense. Mas cada dia é um novo dia. Meu amigo e colega Darci Debona produziu uma matéria muito legal no Diário Catarinense de hoje, lembrando a passagem do Ovelha como jogador do Concórdia, com direito a uma foto de 1991, com o Mauro cabeludo e vestindo uma camiseta do Galo do Oeste e uma enorme logomarca da Sadia estampada. E isso aí Ovelha! A imprensa de Chapecó só quer o bem da Chapecoense, salvo raras exceções.

 

Os ingressos

quinta-feira, abril 7th, 2011

Alguns dizem que a Chapecoense não deveria se envolver nesta questão dos ingressos do jogo com o Concórdia pelo simples fato de ser uma obrigação da equipe mandatária em colocá-los a venda.

Não é bem assim. A Chapecoense tem interesse em um número expressivo de torcedores no Domingos Machado de Lima, portanto, tem a obrigação de colaborar na venda dos ingressos, exatamente como está fazendo.

Quando equipes que tem forte representação no cenário nacional jogam partidas importantes fora de casa, sempre existe o envolvimento da diretoria na reserva de espaço e na antecipação de venda de ingressos nas bilheterias do seu estádio.

Este é um gesto que facilita a vida do torcedor e mostra respeito. Quanto à valorização do sócio nestes casos ela fica prejudicada. A Chapecoense adotou uma medida que permitirá a venda de apenas três ingressos por torcedor. Este mecanismo pretende tornar possível o acesso aos ingressos da forma mais homogênea possível. O erro está na não disponibilização de ingressos para estudantes e aposentados, pois se trata de uma obrigação imposta por lei. Mas vale lembrar que uma possível reclamação na justiça deve ser endereçada ao Concórdia e não para a Chapecoense que apenas está fazendo um favor aos torcedores.

Uma frase chamou a atenção no e-mail que recebi da Chapecoense: “Não haverá privilégios para ninguém e não adianta ligar no clube. A venda será SOMENTE na bilheteria do estádio”.

Poderiam ter sido um pouco mais polidos na hora de elaborar a frase, mas tudo bem.

Quanto a não privilegiar este ou aquele na aquisição de ingressos, tomara que realmente aconteça. Caso contrário cabe uma denuncia por parte dos torcedores.

Bueno, os ingressos estão aí, cabe agora aos torcedores comprá-los todos e mostrar a força do torcedor verde e branco.

 

Ilustração: Gol da Chape.