Arquivo para maio, 2011

Agitação nos bastidores

terça-feira, maio 31st, 2011

Cleverson recebeu propostas

Conversei agora à tarde com o diretor de futebol da Chapecoense, Cadú Gaúcho, referente às situações de Dema e Cleverson, e toda a agitação em torno destes nomes e de um provável interesse das equipes da Capital Catarinense sobre eles.

Cadú Gaúcho está monitorando a movimentação. Dema está em São Paulo e Cleverson está em Cachoeira do Sul/RS.

Dema tem contrato até o final da temporada e para sair somente com pagamento da rescisão. Cleverson tem contrato até o final de junho e desta forma estaria livre. Porém, Cleverson já assinou um pré-contrato.

De qualquer forma, segurá-los perante as ofertas de salários muito acima da realidade da Chapecoense, está fora de questão. O que é certo é que a Chapecoense vai manter as ofertas já apresentadas e aceitas pelos profissionais.

Cadú Gaúcho, nos contatos mantidos, recebeu de Dema a informação de que ninguém lhe procurou e de Cleverson que realmente existem propostas.

Meu sentimento foi de que a diretoria está tranqüila em relação à Dema e muito preocupada em relação à Cleverson. A preocupação não está relacionada apenas a possibilidade de saída deste ou daquele jogador, mas muito em relação às possibilidades de reposição com qualidade que o mercado está oferecendo.

Quanto às proteções cabíveis para dificultar a saída destes dois nomes, elas foram tomadas pela Chapecoense, porém, fica impossível deter uma investida mais forte. É só ver com atenção o caso de Marquinhos e sua saída do Avaí. O Grêmio ofereceu mais do que o dobro e um contrato de três anos. O Avaí, mesmo sendo um time de Série A, não esboçou reação perante o poderio vindo Porto Alegre.

Reitero. Dema me parece que fica. Quanto a Cleverson a situação pode realmente complicar.

 

 

Vai terminar a moleza!

segunda-feira, maio 30th, 2011

O que lhe falta?

Entramos na última semana de folga para o elenco da Chapecoense, antes dos trabalhos de preparação do grupo para encarar a Série C 2011.

Conversei agora à tarde com o Diretor de Futebol, Cadú Gaúcho, que me disse estar aguardando o retorno da comissão técnica para afivelar os amistosos que devem ser realizados. A idéia é de organizar entre três e quatro jogos de preparação para dar ritmo ao elenco e desta forma entrar na competição nacional com qualidade ainda maior do que a apresentada no regional. Mas tudo será definido com a chegada de Mauro Ovelha como manda a boa organização e o respeito pelos profissionais. No momento nada existe de concreto em relação a amistosos.

No quesito contratações o que está sendo analisado no momento é o nome de mais um atacante. A contratação de um jogador para este setor é certa, porém, está sendo analisada de forma diferenciada e sem pressa, para que o investimento seja feito com correção. O que vemos é um inicio abaixo do nível esperado nas Séries A e B e desta forma podem sobrar nomes na remodelação dos elencos para a seqüência das competições.

Voltando a questão do atacante. Muito se aposta em uma competição qualificada por parte de Jean Carlos. Potencial ele tem, mas o futebol que apresentou nas oportunidades que teve no Campeonato Catarinense e mais a saída de Aloísio obrigam a diretoria a buscar reforço para o setor, pois Jean Carlos ainda não mostrou ao que veio. O investimento foi feito e ainda necessita de retorno. Importante é que dele se pode esperar algo de bom, mas ainda está devendo. O período parado tirou dele sua força de finalização e desta forma terá agora de buscar uma equiparação na parte física com o restante do grupo.

Um capítulo sobre Pantíco

Quando a Chapecoense anuncia ao mercado que está atrás de um atacante o nome de Pantíco sempre vem à tona. Independente de sua situação contratual, eu analiso este nome de forma muito positiva. No Brusque ele se destacou com suas arrancadas em velocidade e gols importantes.

É o tipo de atacante que chama a atenção pela força com que invade a área adversária e o atrevimento com que encara os atacantes adversários.

O problema está na sua inconstância. Muitas vezes Pantíco teve seus contratos rescindidos ou acabou afastado do elenco principal, até que uma nova proposta chegasse. Qual o motivo? Dentro de campo o vejo como um jogador muito interessante. Mas o tempo passa e Pantíco não se firma. Qual seria o motivo?

Duas confirmações e duas escapadas

sexta-feira, maio 27th, 2011

Rodrigo Thiesen confirmado

Rodrigo Thiesen e Medina são as novas contratações da Chapecoense. O zagueiro Neguetti, irmão de Rogélio do Criciúma, estava acertado e seria anunciado ontem, porém, veio uma oferta do exterior e ele acabou declinando. Outro que estava acertado era o ala esquerdo Stanley que jogou pelo Ituiutaba. Porém, surgiu uma lesão de quadril e ele ficará dois meses parado. Contratação cancelada.

Rodrigo Thiesen é volante, tem 24 anos, surgiu como promessa e ainda necessita se firmar. Tem um futebol interessante e uma saída de bola muito qualificada. Uma passagem pela Chapecoense pode ser uma vitrine interessante para o atleta.

Medina tem 22 anos, ala pela direita, vem para repor a saída de Thoni. Surgiu como uma das maiores promessas do futebol de SC nos últimos tempos. No Avaí me parece que aceleraram em demasia sua escalada e o atleta acabou se queimando. Tem futebol e vigor físico. Surgiu como promessa por ter um avanço em diagonal muito forte e um jeito diferenciado de tratar a bola. Na mesma condição de Thiesen ele chega à Chapecoense ainda carregando a necessidade de se firmar. Será um investimento bom para ambas as partes, desde que o atleta entenda desta forma.

Medina terá parte do salário pago pelo Avaí, o que mostra que a intenção do seu clube é realmente fazer com que o atleta jogue e reapareça para o mercado. Medina e Thiesen devem usar como referência as situações de Rodolpho, Cleverson, Aloísio, Dema e Diogo Roque, que estavam encostados em seus clubes e quando chegaram a Chapecoense souberam aproveitar as oportunidades, reavivaram suas carreiras, foram valorizados e hoje vivem a feliz realidade dos campeões.

Gostei das contratações. Os dois têm potencial e podem realmente colaborar para uma melhora substancial em setores em que a Chapecoense perdeu dois jogadores de nome e importância, mas que é bom lembrar apresentaram um futebol abaixo do esperado. Saem dois experientes e chegam dois mais jovens. Parece-me uma aposta positiva.

Os que devem sair

Rogério, Silvio Bido, Xaro, Badé e Kleber Goiano. Estes estão no chamado stand by, aguardando para ver o que acontece. Nem todos devem sair, mas a maioria está com a passagem comprada. Rogério precisa querer jogar. Silvio Bido está desgastado pelo tempo de clube. Kleber Goiano não inspira a confiança necessária, mas ainda tem ambiente. Xaro jogou bem o Gaúchão, mas também não empolga. O caso mais complicado é o de Badé. Os dirigentes estão arredios com uma possível permanência devido ao comportamento que teve quando foi para a reserva de Aelson. Reserva esta, aliás, muito merecida.

Dizem que Badé pressionou uma barbaridade e acabou criando problemas de vestiário. Sem desmerecer nenhum dos profissionais, seria interessante que todos trocassem de clube e seguissem suas vidas. Já deram o que tinha que dar.

 

Foto: Futebolsc.com

A força verde

quinta-feira, maio 26th, 2011

Com a Chapecoense campeã a chamada força verde se alastra e ganha mais adeptos. Que não seja um sentimento “modinha” como diz o torcedor. Agora está muito fácil bater no peito e dizer: “Eu te amo Chapecoense!”

Mas enfim, como a Chapecoense está em alta, é bom que este debate aconteça agora.

Desde 2005 a Chapecoense vem crescendo em todos os setores. Foram três decisões de lá para cá e duas taças no armário. Tivemos o terrível ano de 2010 é bem verdade.

Mesmo com mais prós do que contras a Chapecoense têm hoje, em uma cidade com um universo de cerca de 200 mil habitantes, em uma região que amplia em muito este numero, um contingente de apenas 3,5 mil associados.

E olha que os valores para os planos mais populares beiram o ridículo.

A propalada força verde fez mudar um evento que vai acontecer no sábado. A dita força verde ajudou a carregar este time nesta temporada com um verdadeiro show nas arquibancadas.

A força verde faz dirigentes pensar duas vezes antes de tomar qualquer decisão. A famosa força verde fez a imprensa esportiva de Chapecó mudar alguns hábitos e fez tremer um prefixo poderoso de SC.

A força verde existe e não deve ser ignorada.

Mas porque, afinal, esta mesma força verde não faz aumentar o numero de associados?

Podem alegar que os planos estão momentaneamente fechados. Verdade. Mas e antes quando estavam disponíveis?

A força verde tem atingido seus objetivos em vários setores. Tomara que quando tivermos novamente a possibilidade de captação de novos sócios a mesma força verde mostre mais uma vez seu poder.

 

 

 

Chapecoense na Série A 2015

quarta-feira, maio 25th, 2011

Na semana passada surgiu a informação de que a Chapecoense estaria tratando internamente sobre um planejamento no sentido de projetar a participação da equipe na Série A do Campeonato Brasileiro em 2015.

Pelo arrojo da proposta, imediatamente houve reações favoráveis e contrárias.

Quem levou ao ar a noticia foi o comentarista Mario Tomasi, no espaço diário no Programa Sertão em Festa da Rádio Chapecó AM 1330 e no Debate Esportivo da mesma emissora. O comentarista Sérgio Badá Badalotti também mencionou em sua coluna no Jornal Sul Brasil a informação do Mario e comentou positivamente sobre o tema.

A surpresa foi que integrantes da diretoria da Chapecoense reagiram mal sobre os comentários e cobraram do Mario Tomasi a veracidade da noticia.

Reservando sua fonte, Mario Tomasi salientou que recebeu tal informação de um integrante da diretoria da Chapecoense. O mal estar estava estabelecido.

Pode parecer um assunto pequeno, de menor importância, mas existe aí um choque de opiniões e um evidente desgaste entre as partes. Mesmo não estando diretamente envolvido na questão, acabei por adotar este tema, por acreditar que algumas verdades devem vir à tona.

O Mario Tomasi jamais iria inventar ter recebido a noticia, mesmo porque internamente ele deu o nome da sua fonte.

Quando veiculou a noticia, o fez de forma a enaltecer positivamente um projeto futuro, sem a intenção de criticar ou mesmo deixar transparecer falta de humildade de uma diretoria que ainda luta para levar a equipe para a segunda divisão nacional na próxima temporada.

Eu tratei do assunto diretamente com o presidente da Chapecoense, Sandro Pallaoro, no sábado pela manhã, antes de entrarmos no ar no Programa Bom Dia Chapecó do Plínio Ritter. Passei a ele o nome do diretor que havia comentado com o Mario Tomasi o assunto.

Na noite de segunda-feira, no jantar festivo da Chapecoense, Sandro indagou ao referido diretor se ele havia ou não comentado algo em trono da Chapecoense na Série A em 2015. Segundo Pallaoro a fonte negou ter repassado a informação. E agora?

Sigo acreditando no Mario Tomasi. Não por ser colega, não por termos um relacionamento profissional, mas sim por ser ele um homem de imprensa com vários anos de atuação e por jamais ter sido acusado de mentiroso.

Cumprindo a promessa

Como prometido aqui está o nome da fonte de Mário Tomasi e que gerou esta discussão: Diretor de Marketing Andrei Copetti.

Escrevi que grifaria em letras grandes, mas acredito ser desnecessário e em nome do respeito ao profissional não o fiz.

Copetti nega ter repassado a noticia. Mario Tomasi afirma que recebeu. Como já disse que acredito no Mário, não quero aqui passar a imagem que o diretor da Chapecoense é um mentiroso, jamais.

Como testemunha desta conversa, temos as escadarias da Prefeitura de Chapecó.

Andrei Copetti. Proponho a utilização deste mesmo espaço para que escrevas sobre a tua versão sobre o fato.

Em tempo: A idéia da Chapecoense na Série A de 2015 é genial!

Aguardo uma resposta.  

 

Momento de valorização

domingo, maio 22nd, 2011

Tudo que escrevo aqui eu ouvi do presidente da Chapecoense Sandro Pallaoro.

A RBS TV já acena com o desejo de encaminhar a renovação de contrato para transmissão do Campeonato Catarinense. O contrato em vigência tem a validade para mais uma temporada. A RBS já começou a conversar com os clubes. Sobre a próxima temporada, mesma já tendo acontecido um adiantamento quando da polêmica assinatura do atual contra, segundo Pallaoro, a Chapecoense deverá receber cerca de 70% do valor recebido nesta temporada.

Quanto ao novo contra a Chapecoense exigirá uma valorização substancial sobre os valores de hoje e espera que os clubes se unam em torno desta valorização. Os valores para a TV fechada são outra preocupação, pois o que é pago hoje beira o ridículo.

Quanto ao fornecedor do material esportivo, hoje sob a tutela da Umbro, já houve contato  da renovação para a próxima temporada. A Umbro forneceu uma camiseta de muita qualidade e de visual que realmente agradou. Segundo Sandro Pallaoro outras três marcas já fizeram contato. Fila, Fanatic e Penalty também quarem vestir a Chapecoense. Ganhará a concorrência quem oferecer mais e uma linha de produtos maior, que hoje é um problema na área comercial.

As cotas de patrocínio na camiseta, que tem contratos fechados até o final da temporada, também serão alvo de uma revisão de valores, mas tudo em comum e amplo acordo com os investidores, que devem estar muito felizes com a visibilidade que suas marcas receberam.

A hora é de crescer, em parceria, valorizando a marca Chapecoense.

Novos planos de sócios

Outra preocupação na Chapecoense diz respeito a abertura dos novos planos de sócios, recentemente fechados por conta da chegada da Chapecoense a final e por problemas de ordem interna.

Certamente os valores deverão ser majorados. Muito mais por conta de uma necessidade de equalização financeira do que pela conquista do campeonato.

Hoje. Em um plano de geral, metade vira taxas. Os outros 50% ficam para o clube que vê o valor por jogo ficar muito pequeno. Um estudo está sendo feito neste sentido.

A idéia é aumentar sim, mas sem castigar o torcedor.

É preciso compreender que pelos valores atuais é prejuízo aumentar o quadro social. Feliz de quem já garantiu sua carteirinha. Segundo a Chapecoense são 3,5 mil felizardos.

A nota

sexta-feira, maio 20th, 2011

A assessoria de imprensa da Chapecoense divulgou ontem no inicio da tarde a seguinte nota:

Viemos por meio desta DESMENTIR o que foi veiculado em alguns veículos de comunicação no dia de hoje, sexta-feira, 20 de maio, que a Chapecoense está com projeto “Série A  2015″. O que existe de verdade, é que após muito trabalho e humildade neste campeonato, o Verdão está focado SOMENTE em fazer uma boa campanha no Campeonato Brasileiro da Série C, que inicia em julho, e vergar um acesso para Série B em 2012. Aproveitamos a oportunidade também para reforçar que na próxima segunda-feira, dia 23 de maio, será realizado um jantar da Chapecoense no CRC, às 20h: 30min.

Quem comentou tal fato foi o Mario Tomasi no programa Sertão em Festa da Rádio Chapecó AM 1330. Segundo o Mario a informação foi captada por um integrante da diretoria da Chapecoense. Seria de bom tom que este dirigente viesse a público e assumisse o repasse da informação ou internamente declarasse aos demais pares da diretoria que ele vazou a noticia. Se ele não fizer isso até quarta-feira da próxima semana eu escrevo aqui no blog seu nome completo com letras maiúsculas e com a maior fonte que for possível. Até quarta-feira eu espero um ato de dignidade do referido dirigente que, aliás, anda falando pelos cotovelos.

Xerife Dema fica

quarta-feira, maio 18th, 2011

Estamos no período de especulações sobre saídas e chegadas na Chapecoense. Normal. Depois de uma conquista fabulosa e sem retoques é absolutamente normal que o Verdão se transforme em alvo de clubes e empresários. Hoje pela manhã  o Tadeu Costa confirmou que Dema permanecerá na Chapecoense para a seqüência da temporada. Todas as contratações que chegaram para resolver problemas localizados na Chapecoense surtiram efeito. Dema está entre eles. Impressiona a forma como ele se adaptou rapidamente e como se identificou com Chapecó e principalmente com os torcedores. Gosto de jogador de faz uma jogada e bate no peito. E Dema faz isso com verdade, não para fazer média.

Dema fica. Uma baita noticia.

 

Foto – Sirli Freitas/RBS.

CBF divulga tabela revisada da Série C

quarta-feira, maio 18th, 2011

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) divulgou na última terça-feira a tabela revisada da Série C, com mudanças de datas e horários das partidas. Em razão da competição ser transmitida pela TV Brasil, os jogos vão acontecer às 21h30 na sexta-feira, às 16h no sábado e às 10h no domingo.FutebolSC.com

No grupo D, apenas duas partidas envolvendo os catarinenses vão ser transmitidas pela televisão. Pela sexta rodada, o jogo entre Santo André e Joinville acontece às 21h30 da sexta-feira . Na rodada seguinte é a vez do jogo da Chapecoense ser transmitido para todo o país. A partida contra o Brasil, em Pelotas, também acontece em uma sexta-feira, no mesmo horário.

 

Confira a data e horários dos jogos dos catarinenses na Série C:

 

 

Chapecoense:

 

1ª rodada: 17/07(domingo) – 15h – Caxias x Chapecoense

2ª rodada: 24/07(domingo) – 15h – Chapecoense x Santo André

3ª rodada: 31/07(domingo) – 16h – Joinville x Chapecoense

4ª rodada: folga

5ª rodada: 14/08(domingo) – 15h – Chapecoense x Brasil

6ª rodada: folga

7ª rodada: 26/08(sexta-feira) – 21h30 – Brasil x Chapecoense

8ª rodada: 04/09(domingo) – 15h – Chapecoense x Joinville

9ª rodada: 11/09(domingo) – 10h – Santo André x Chapecoense

10ª rodada: 18/09(domingo) – 10h – Chapecoense x Caxias

 

Joinville:

 

1ª rodada: folga

2ª rodada: 24/07(domingo) – 16h – Brasil x Joinville

3ª rodada: 31/07(domingo) – 16h – Joinville x Chapecoense

4ª rodada: 07/08(domingo) – 16h – Joinville x Santo André

5ª rodada: 14/08(domingo) – 15h – Caxias x Joinville

6ª rodada: 19/08(sexta-feira) – 21h30 – Santo André x Joinville

7ª rodada: 28/08(domingo) – 16h – Joinville x Caxias

8ª rodada: 04/09(domingo) – 15h – Chapecoense x Joinville

9ª rodada: 11/09(domingo) – 10h – Joinville x Brasil

10ª rodada: folga

 

Fonte: FutebolSc/Hassan Farias

Virada de mesa

terça-feira, maio 17th, 2011

Entra ano e sai ano e a tentativa de aumentar para 12 o numero de clubes na elite do futebol catarinense volta à tona. Agora, através de uma manobra de Imbituba e Concórdia, o polêmico assunto ganha corpo.

Na mais recente assembléia da Associação de Clubes o tema foi apresentado e aprovado por unanimidade.

Esta tentativa de aumentar o numero de clubes, e desta forma deixando de existir o rebaixamento, ganha uma força espetacular que não existiu no ano passado. A Chapecoense tentou se beneficiar da mesma fórmula, mas foi barrada na mesma entidade que hoje apóia a demanda.

Delfim Pádua Peixoto Filho, presidente da Federação Catarinense de Futebol, já se mostrou reticente quanto a este aumento, apenas pelo fato de que os clubes da segunda divisão estão mal organizados e não teriam hoje capacidade de encarar uma primeira divisão. O presidente está muito certo neste quesito. Mas e a federação faz algo de concreto para colaborar na melhoria da estrutura dos clubes? Existe repasse de recursos por parte da federação? Lamentavelmente a reposta é negativa. Cotas de TV e nada mais. Falta um aporte financeiro aos moldes do RS.

O que mais denigre este tipo de iniciativa de tentar evitar o rebaixamento através de uma virada de mesa é discutir este tema polêmico sempre depois de iniciada a competição. O debate fica fora do tempo e ganha a mascara da picaretagem.

A volta da Chapecoense se deu por outro caminho. Legitimo sob o ponto de vista legal, tanto que a CBF não interferiu no caso, mas completamente sui generis, pois é muito raro ver um clube desistir da primeira divisão. Pois aconteceu e beneficiou a Chapecoense. Ano passado tivemos duas equipes rebaixadas. Atlético de Ibirama pela desistência e o Juventus pela falta de futebol.

Eu particularmente apoio a idéia de 12 clubes na elite. Amplia o mapa do futebol catarinense e abre espaço para outras regiões. O problema está justamente na forma como pretendem realizar esta mudança. Antes de a bola rolar vale. Depois de definidos os rebaixados ganha a marca de virada de mesa.

E se a virada acontecer?

E acredito que ela vai se confirmar. Teremos mais uma vez muitas horas de programação e muitas páginas sendo destinadas ao cansativo debate em torno do tema e a defesa das mais diversas teses. Mas o debate é sempre positivo.

A pergunta que faço é a seguinte: Imbituba e Concórdia irão se organizar de forma a não mais experimentarem o desgosto do rebaixamento? Outra: As comunidades e seus torcedores irão apoiar suas equipes ou mais uma vez vamos ver o fracasso de público que foi a maioria dos jogos destas duas equipes na competição?

Voltar para inflar ego de dirigente é besteira. As duas cidades querem futebol profissional? Se realmente querem que tratem de apoiar.

A Chapecoense escapou do rebaixamento e para calar a boca de todos lotou a Arena e foi campeã.