Arquivo para dezembro, 2011

Que venha 2012

sexta-feira, dezembro 30th, 2011

Já vivemos a contagem regressiva para o inicio de mais um Campeonato Catarinense de Futebol e de uma temporada recheada de importantes compromissos para a Chapecoense.

A diretoria já deixou muito claro que a meta principal é acessar a Série B de 2013. Meta esta que já esteve para ser alcançada em duas oportunidades seguidas, mas cada situação ao seu tempo.

Alguns apostam que a Chapecoense não dará ao Catarinão 2012 a importância que sempre deu. Não vejo desta forma.

A eficiência verificada na hora de contratar para a próxima temporada deixa claro que a Chapecoense não vem para brincadeira. Que assim seja.

Todos os anos têm este discurso de que a equipe vem para figurar entre a quarta e a quinta posições no Estadual. É uma forma de se proteger e de evitar que se crie uma expectativa demasiado grande.

Antecipar se uma temporada vai ou não dar certo é apenas exercício de futurologia. Viveremos um ano bissexto e par, que normalmente traz para a Chapecoense dificuldades. Um bom tabu para ser derrubado.

Noto neste trabalho de preparação, além de seriedade, uma boa dose de discrição, que sinceramente me agrada.

Houve uma mudança de foco na contratação de jogadores com uma aposta em clubes de Séries A e B, que não garante sucesso, mas que determina um perfil diferenciado no que se refere à experiência e até mesmo a qualidade.

Resta desejar a todos um Feliz 2012, repleto de projetos realizados e muita saúde e paz. Para a Chapecoense desejo sucesso na concretização do Projeto Série B. Esta meta alcançada representará um marco histórico, um trampolim para sonhos maiores. Felicidades a todos!

 

Chapecoense + Sicom = Parceria

segunda-feira, dezembro 26th, 2011

Em mais uma demonstração de entendimento entre as forças produtivas de Chapecó, o Sicom, Sindicato do Comércio da Região de Chapecó, assinou com a Chapecoense um convênio para fomentar as categorias de base, na formação de atletas de alto nível e do cidadão, que se não vier a se transformar em um atleta, terá um contato direto com o esporte e com a associação, e desta forma um vinculo importante se estabelece.

Está de parabéns o presidente do Sicom, Ivalberto Tozzo, por mais uma vez ter aberto as portas da entidade e estabelecido uma parceria inteligente com este patrimônio oestino que se chama Chapecoense.

Além de buscar aporte financeiro para as categorias de base, esta nova parceria entre Chapecoense e Sicom aproxima as duas entidades e cria um vinculo com potenciais patrocinadores da equipe principal.

Uma das empresas do presidente Ivalberto e de seu irmão, Ivan Tozzo, é patrocinadora da Chapecoense, através da Tozzo Bebidas com a Água Mineral Schin, considerada a melhor fonte do Brasil. Esta parceria já existe há muitos anos.

Mais uma vez reitero a importância de saber dividir as cargas de patrocínios e manutenção financeira da Chapecoense. Ficar na mão de apenas um grupo ou empresa se torna desgastante e perigoso. Aqui mesmo em Chapecó temos histórias de sucesso calcado na individualidade de investimento que acabaram por se transformar em insucessos após abalos na saúde financeira dos investidores.

A Chapecoense não pode depender de apenas uma pessoa ou uma empresa.

Quando se dividem responsabilidades a carga se torna mais fácil de ser transportada e se constrói uma base muito mais sólida.

A questão da divisão de pontos de vista administrativos e a criação do contraditório já estabelecem marcos reguladores para que o investimento se viabilize.

Em Chapecó os empresários abraçam a Chapecoense e cuidam dela como um patrimônio. Em muitas outras cidades esta mesma classe vira as costas. Mais um ponto diferenciado positivamente para Chapecó

Representação política

sexta-feira, dezembro 23rd, 2011

Senhores diretores da Chapecoense, fiquem atentos para a perda de representatividade política junto a Federação Catarinense de Futebol. Izair Gambatto construiu uma base de relacionamento impecável junto ao presidente Delfin. Seu grupo empresarial patrocinava o site da entidade. Com a saída de Gambatto da diretoria e o rompimento com os atuais diretores, este elo se perdeu.

A Chapecoense está sem representação junto a Federação e isso é muito ruim.

E tem mais! O clima entre o presidente Sandro Pallaoro e o homem do charuto não é dos melhores.

Quando Sandro reclamou, e com toda a razão, daquela arbitragem terrível de Jefferson Schmidt, veio o recado para que Pallaoro parasse com as declarações mais críticas relacionadas à Federação Catarinense de Futebol.

Fiquem atentos senhores diretores. Vocês sabem muito bem a importância de se estar perto do poder, no núcleo das decisões.

Expectativas e esperanças

quarta-feira, dezembro 21st, 2011

Já está batendo saudades

A Chapecoense vai se montando para a temporada 2012.

Este momento está mais bem organizado do que em temporadas anteriores.

A diretoria da Chapecoense está mais agressiva e entrou no mercado com uma postura diferente, ousando mais nas propostas.

E pela primeira vez a atuação de Cadú Gaúcho está mais livre, pois está tendo a possibilidade de prospectar o mercado com mais liberdade e autonomia.

A Chapecoense segue na política de não apostar em medalhões, no que, aliás, está muito correta, e segue contratando atletas em uma faixa etária baixa, com o perfil de quem precisa se posicionar no mercado.

O próprio técnico escolhido é um nome que busca visibilidade no mercado, ou seja, quer escrever seu nome na história de um clube importante de SC.

Se este time será melhor ou pior do que o modelo vitorioso de 2011 ninguém pode afirmar, mas existe um indicativo bastante positivo.

Amistosos estão definidos e oficializados pela Chapecoense conforme e-mail enviado ontem.

 

1º jogo: 30/12 – 20:00  São Luiz x Chapecoense:  -  Estádio 19 de Outubro.

 

2º jogo: 11/01 – 18:30  Santa Cruz x Chapecoense:  – Estádio dos Plátanos.

 

3º jogo: 14/01 – 18:00  Chapecoense x Ypiranga:  – Arena Condá.

 

Todos bons testes que servirão para avaliar as possibilidades de cada um e principalmente o estágio de preparação física do elenco que está nas mãos do competente Anderson Paixão.

Todos os amistosos seriam realizados fora de Chapecó, mas a diretoria decidiu trazer um deles para casa para que os torcedores tenham a possibilidade de avaliar a equipe. Decisão acertada.

A nova tese definitiva, do momento

segunda-feira, dezembro 19th, 2011

O jeito de jogar do Barcelona encantou a crônica esportiva brasileira. A maioria se mostra inebriada pela mecânica de jogo do elenco mais fantástico da atualidade.

E é bonito mesmo ver um time jogar como joga este Barcelona. A Laranja Mecânica, seleção holandesa de 1974, jogava de forma semelhante, porém foi vice-campeão na Copa da Alemanha. A seleção brasileira de Telê Santana, 1982, não era tão efetiva, mas jogava lindo demais. Sequer chegou a semifinais. A deslumbrante seleção nacional de 1970 antecipou um jeito de jogar e encantou a todos. Ganhou fácil, pois o resto era o resto.

O Barcelona vive a maturidade de um projeto que veio da base. Nove dos 11 foram formados no clube. Mas, sobretudo, existe um segredo neste encantador time Catalão. Eles jogam simples e enaltecem a coletividade.

Não reclamam. Não se jogam na área. Três ficam na defesa e sete se revezam entre armação, defesa e ataque.

É como se o esquema tático fosse uma roda de bobo.

Quando o adversário pensa em roubar a bola ela já está com outro jogador. Quando o adversário pensa em marcar o atacante, ele se transforma em armador e o ala já está dentro da área para concluir.

Não se monta um esquema deste porte e eficiência com qualquer grupo. É preciso existir uma compreensão fabulosa de que existem os mais e os menos talentosos, mas que todos são importantes.

O Barcelona evita as firulas, as passadas de pé em cima da bola, deixa de lado aquele toque a mais que os habilidosos aplicam pra cima dos menos dotados de técnica. Fica bonito, mas é pouco eficiente na maioria das vezes.

Porque Messi é o melhor do Mundo? Por que é completo. Arranca como nenhum outro. Passa com precisão. Conclui com maestria. Mas nem por isso o Barcelona joga apenas em função dele. Em vários momentos do jogo ele deixa de ser protagonista para ser um coadjuvante.

Querer estudar este time é perda de tempo. A simplicidade norteia o sucesso do Barcelona. É o futebol total!

Todos atacam e defendem com a mesma intensidade.

No Barcelona o jogador se adapta as exigências do clube e não contrário, como na imensa maioria das vezes.

 

 

 

 

Desbravando o Brasil

terça-feira, dezembro 13th, 2011

Há pouco tempo a Chapecoense sabia apenas o que era Santa Catarina e nada mais.
Hoje se vê obrigada, e que bom, a desbravar o Brasil em competições nacionais.
As séries D e C têm sido uma experiência interessante. Já estamos cansados deste mundo e queremos subir de posto.
Vem aí mais uma Copa do Brasil e com ela a novidade de jogar no Espírito Santo. O adversário da primeira fase será o São Mateus. Como está mais bem ranqueada, A Chapecoense joga primeiro fora. Passando de fase terá pela frente o Cruzeiro ou o Rio Brando do Acre.
Interessante este primeiro adversário. Uma novidade realmente.
A Copa do Brasil para a Chapecoense representa arrecadação. Sob este aspecto o primeiro adversário é pouco atraente. Já o Cruzeiro é interessante, mas sem o impacto da presença de um Grêmio.
O grande desafio seria passar para a terceira fase, missão nada fácil, mas que a Copa do Brasil gosta de criar umas zebras isso ela gosta!
O que não deve ser esquecido é que este primeiro encontro é um desafio entre campeões estaduais.
O nome completo do primeiro adversário da Copa do Brasil é extenso: Centro Educativo Recreativo Associação Atlética São Mateus. A entidade conta 47 anos de existência. As cores são o azul e o branco.
A cidade foi fundada apenas 44 anos após o descobrimento do Brasil. A população é de cerca de 110 mil habitantes.
A base da economia é a exploração de petróleo.
O apelido assusta: Pit Bull. O estádio é para menos de cinco mil pessoas, apesar do tamanho da cidade.

O Espírito Santo está encaixado entre o Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia e o mar. Vai ser uma viagem interessante, com toda certeza. E mais um detalhe. São Mateus fica mais ao norte do Estado, bem acima da Capital, Vitória.

Números, números, números…

segunda-feira, dezembro 12th, 2011

Matéria em jornal de circulação estadual mostra uma interessante realidade financeira das equipes da elite do futebol catarinense para a temporada 2012.

Os números me impressionaram.

O Figueirense deve bater nos R$ 42 milhões anuais. Depois aparece o Avaí com orçados R$ 22 milhões. Seguidos de Criciúma com R$ 15 Milhões, Joinville com

R$ 13 milhões e a Chapecoense com R$ 5 milhões anuais.

O segundo pelotão mostra o Marcilio Dias com R$ 1,8 milhão, Atlético de Ibirama com R$ 1 milhão, Metropolitano na faixa dos R$ 920 mil, Camboriú com R$ 800 mil e finalmente o Brusque com R$ 600 mil anuais.

Impressionante como o Figueirense abriu cancha no que se refere à parte financeira. Mesmo com a queda de divisão nacional o Avaí está bem situado. Criciúma e Joinville têm cerca de três vezes o orçamento da Chapecoense, sendo que ambos estão na série nacional que a Chapecoense pretende estar na temporada de 2013. Podemos notar o tamanho do desafio que espera o Verdão. Surpresa positiva é o Marcilio Dias com uma projeção bem otimista comparando com a realidade de anos anteriores. O Atlético de Ibirama, no que pese o potencial, mesmo estando na casa do milhão, evita extrapolar limites. O Metropolitano, por ser de Blumenau, uma potência econômica do Sul do Brasil, deixa a desejar com um orçamento magro em comparação com o potencial da cidade. Camboriú vai lutar com unhas e dentes para se manter e a decepção é o Brusque que este vai penar.

Mesmo assim, a soma de todos os 10 clubes da elite catarinense, chama a atenção pelo crescimento sentido nas últimas temporadas.

Houve uma profissionalização nos cinco maiores, que se distanciam do segundo pelotão, e desta forma consolidam realidades distintas. Méritos para o Figueirense, que não por acaso, fez a campanha que fez nesta temporada na Série A do Campeonato Brasileiro.

Fuxicos e verdades

sexta-feira, dezembro 9th, 2011

Surgiu a noticia de que o Ipatinga poderia estar desistindo da Série B e desta forma a Chapecoense poderia herdar a vaga.

A cada final de ano surge uma novidade. A matéria apresentada pelo futebolsc.com baseou-se em uma matéria de um jornal, O Diário do Aço, de Ipatinga.

Para chegar à conclusão de que a vaga poderia ficar com a Chapecoense foi apenas uma questão de matemática simples. Sai um, entra outro.

Na verdade os colegas do site vislumbraram uma possibilidade de fechamento de portas do clube, já que os prejuízos se arrastam, a média de público é diminuta e houve ainda a queda para a segunda divisão estadual. Subir para a Série B era uma questão de honra. Subiram e agora se defrontam com a dura realidade de montar uma equipe com poucos recursos. A cota de televisão virá mais na frente.

As declarações do presidente do Ipatinga, Itair Machado, soam mais como um desabafo e uma provocação para que o torcedor do Vale do Aço se mexa e apóie a equipe. Pode ser vista também como uma forma desesperada de encontrar patrocinadores na cidade que banquem a estrutura, ou mesmo fazer como fez o Ituiutaba, hoje Boa Esporte, que trocou de cidade, o que sinceramente eu duvido.

Não adianta nem perder tempo em sonhar como uma vaga ganha.

Na verdade a Chapecoense ainda não está preparada para chegar a Série B. Faltam alguns degraus na escada.

Acompanhamos as dificuldades que existem para compor o elenco para o campeonato catarinense. Se a vaga tivesse sido conquistada dentro de campo já existiria um espírito motivador para que o projeto da Chapecoense 2012 andasse de outra forma.

Esta declaração do presidente do Ipatinga é apenas um balão de ensaio, uma provocação do tipo “ou me ajudam ou fechamos as portas”.

Ipatinga é uma potência industrial. Tem um estádio espetacular. Resta saber qual o motivo que leva o torcedor a este desanimo. Muito provavelmente a campanha estadual que levou ao rebaixamento. Quem sabe lá, como aqui, o que motiva mais é o campeonato estadual.

A Chapecoense vai de Série C em 2012 e nada mais.

Será melhor subir dentro de campo, para que não fiquemos ouvindo acusações de que entramos pela porta dos fundos.

Chapecoense pode herdar vaga do Ipatinga e subir à Série B

sexta-feira, dezembro 9th, 2011

Clube mineiro vive crise financeira e corre o risco de falir antes da temporada 2012

Sidnei Batista

Dentro de campo, Chapecoense perdeu a vaga na Série B para o Ipatinga

Foto: Rodrigo Goulart/Diário do Iguaçu As dificuldades financeiras parecem ter atingido em cheio o Ipatinga, de Minas Gerais. O clube que conseguiu o acesso ao Campeonato Brasileiro da Série B, desbancando a Chapecoense, pode estar se retirando dos gramados por tempo indeterminado. O Ipatinga aumentou consideravelmente as suas dívidas nesta temporada e está em situação precária para 2012.

 

O presidente do clube mineiro, Itair Machado, em entrevista ao Jornal Diário do Aço, de Ipatinga, foi enfático: “A situação do Ipatinga hoje é preocupante. Uma das coisas que mais incomodam é que, mesmo quando o clube estava no auge, em raras exceções ele conseguiu não ter prejuízos nos jogos. E isso é ruim. Se não der no mínimo três mil torcedores no estádio, é porque o torcedor não se preocupa em ter o time”.

 

“Temos um levantamento apontando que, em 13 anos de história do Ipatinga, houve prejuízo de renda em 80% dos jogos no Ipatingão”, explicou o dirigente.

 

O clube mineiro teve prejuízo em todos os jogos da temporada e não tem patrocínios suficientes para viabilizar a disputa do Campeonato Mineiro e Brasileiro da Série B de 2012.

 

Caso venha a se confirmar a “falência” do clube mineiro, os resultados conquistados pela Chapecoense na Série C beneficiariam a equipe catarinense, que herdaria a vaga deixada pelo time mineiro. Porém, a decisão ainda não está anunciada pelo Ipatinga, que deve dar uma posição à imprensa e torcida nos próximos dias.

 

Fonte: Futebolsc.com

Chapecoense conhece adversários da Série C 2012

quinta-feira, dezembro 8th, 2011

Com o apoio dos colegas da redação do FutebolSC.com destaco a seguinte matéria:

A Chapecoense já conhece seus adversários na Série C do Campeonato Brasileiro de 2012. Com o acesso do Joinville à Série B, o time do Oeste será o único representante catarinense na terceira divisão nacional.

O Verdão estará novamente no Grupo D, ao lado de Caxias-RS, Santo André-SP, Duque de Caxias-RJ e Madureira-RJ. Os dois primeiros foram adversários da Chapecoense na Série C de 2011, enquanto o penúltimo caiu da Série B.

Nota do Blog: Esta nova composição obrigará a viagens mais longas, mas acredito ser um grupo mais fraco do que o desta temporada.

Qual a sua opinião? Comente, opine!