Arquivo para janeiro, 2012

Um olhar sobre o campeonato

terça-feira, janeiro 31st, 2012

Com três rodadas realizadas já é possível fazer um balanço.

A Chapecoense surpreende pelos resultados, mas mostra mais uma vez que iniciar o trabalho com um mês de antecedência em relação a maioria faz muita diferença.

Neste momento o Metropolitano está em uma posição na tabela que lhe permite sonhar com um passo maior. Os próximos jogos contra Figueirense e Joinville serão determinantes.

O Avaí, mesmo com as limitações técnicas, é um grupo que vai crescer. Mauro Ovelha sabe comandar muito bem este tipo de projeto. Já venceu duas em três.

O Figueirense começou arrebentando e depois deu uma baixada no rendimento. Tem um belo elenco, mas não é tudo aquilo que alguns querem pregar. Uma vitória e dois empates. Tem futebol para mais.

O Atlético de Ibirama parece ter encontrado uma fórmula, tipo essas de bolo pronto que fazem tanto sucesso, para montar equipes competitivas, aquelas de desequilibram a tabela. Muito cuidado com eles, sempre.

O Criciúma decepciona. Apenas três pontos, com uma vitória e duas derrotas. Pelo custo do elenco o rendimento está muito abaixo. Parece desmotivado.

O Brusque vai passar trabalho nesta temporada. O elenco é bastante limitado. Quando meu amigo e comentarista da Rádio Cidade de Brusque, o popular Xirú, esbraveja na cabine, ele tem razão. Falta muito.

O Joinville tem um elenco muito bom. Mas a ressaca da conquista da Série C ainda está fazendo efeito. Está faltando vestiário para o JEC. Vai crescer quando um técnico de porte assumir. Caso contrário não decola. Ainda não venceu.

E o Marcilio Dias, com apenas um ponto é o lanterna. É o próximo adversário da Chapecoense em Itajaí, na quarta-feira. Vai entrar em campo com total obrigação de vencer e com técnico balançado. Pedreira! A pressão sobre a arbitragem será terrível.

Domingo já vamos bater quase na metade do turno. Não existe tempo para filosofia e fórmulas mágicas. É preciso jogar futebol.

 

Que sofrimento danado

segunda-feira, janeiro 30th, 2012

Chapecoense 2×1 Camboriú. Decisão de jogo aos 48 da segunda etapa.

A Chapecoense não jogou bem, foi na verdade a pior das três atuações até aqui.

O time esteve muito desorganizado e deu muitos espaços para um adversário que é humilde no orçamento, mas que tem sim suas qualidades.

Gilberto Pereira mexeu mal na equipe no intervalo de jogo e acabou entortando o time de deu ainda mais espaços ao Camboriú, que felizmente não soube aproveitar.

Nomes estão voltando do departamento médico e desta forma terão obrigatoriamente lugar no time, notadamente Jean Carlos, Diogo Roque e Marcos Alexandre.

Não quero aqui avaliar a qualidade de atletas que estão no mercado há tanto tempo em apenas três jogos, mas os momentos de alguns nomes remetem a esta necessidade.

Notei da cabine de transmissão que faltou sim uma pegada mais forte por parte de alguns e que destoam em campo.

Outra preocupação está relacionada contra ao excessivo numero de passes errados da Chapecoense. Faltou posse de bola e novamente a ligação direta tem sido uma ferramenta largamente utilizada.

A Chapecoense possui nomes para suprir as deficiências até aqui detectadas. Internamente já se tem a possibilidade de resolver com qualidade estes problemas. Virtude de um grupo numeroso.

Sem citar nomes, mas alertando sobre as posições deficientes, temos problema de comando de ataque, ala esquerda, meia de criação e a atuação dos volantes.

Nem tudo está errado, mas é inegável a necessidade de fazer o time crescer e tornar-se confiável.

Não credito apenas a sorte as três vitórias em seqüência, ela esteve sim presente, mas a bola parada, tão deficiente no ano passado, está fazendo a diferença. Sem falar no zagueiro Fabiano que marcou três dos quatro gols marcados até aqui.

 

Foto – Daniel Cavagnolli/ACF.

Uma arrancada fulminante

quinta-feira, janeiro 26th, 2012

Saber aproveitar o início do campeonato, enquanto que a maioria está cambaleante, pode ser a chave da porta para a primeira vaga a semifinal da competição.

A Chapecoense apresenta rendimento de 100% em dois jogos, em um universo de nove, chegando a este jogo de domingo, em casa, contra o Camboriú, com a possibilidade de manter este rendimento e chegar à marca de 33% do caminho percorrido na primeira fase.

Se este objetivo for alcançado a Chapecoense se habilita para levantar o turno. Este item, somente ele, já é mais do suficiente para fazer a Arena ganhar uma lotação muito acima da verificada na estréia.

Os seis pontos alcançados até aqui foram contra equipes de tradição, Avaí e Brusque, o que não significa que jogar contra o caçula Camboriú já são favas contadas.

A Chapecoense não está apresentando um bom futebol, ainda. O primeiro tempo em Brusque foi sofrível. Com as modificações impostas por Gilberto Pereira, à equipe rendeu mais, ganhou o jogo, mas ainda falta um tanto para que a equipe tenha um desempenho condizente com o status de atual campeã catarinense.

O jogo de Brusque foi quase um xerox do jogo contra o Avaí. Falta desempenho aos volantes. Articulação de meio de campo pouco produtiva. João Paulo é pesado e reclama em demasia. A ala esquerda está produzindo pouco.

Em compensação, Nivaldo está em grande fase. O trio de zagueiros está se entendendo muito bem, deixando a saudade de Dema de lado. Matuto pela direita precisa apenas simplificar mais.

Se já estiverem prontos, Marcos Alexandre, Diogo Roque e Jean Carlos têm lugar na equipe imediatamente.

A vitória em Brusque esteve muito calcada na sorte. Não se pode contar com ele sempre.

No Augusto Bauer foram duas bolas na trave que a Chapecoense levou. Uma no pênalti. O Brusque errou duas conclusões de frente para o gol. Nivaldo fez uma defesa extraordinária e no final quase levou um frango, mas acabou se recuperando a tempo.

Um fator positivo desta equipe que ainda não está pronta é a capacidade que possui na administração do resultado positivo. Fez isso duas vezes sem muito sobressalto. Demonstração inequívoca de maturidade.

 

Foto: Daniel Cavagnoli/Assessoria Imprensa Chapecoense.

 

 

Você sabe quem são os amigos do seu filho (a)

terça-feira, janeiro 24th, 2012

Os incidentes registrados em Chapecó na madrugada de sábado e no domingo, quando torcedores de Avaí e Chapecoense se engalfinharam e até tiros foram disparados, mostrou uma face terrível do submundo do futebol que lamentavelmente chegou a Chapecó.

O que mais me impressionou foi à presença de adolescentes nestes grupos de arruaceiros.

Você pai, você mãe, sabe quem são os amigos e amigas dos seus filhos?

Tome cuidado, pois depois que a desgraça se estabelecer, não adiante reclamar.

A estupidez extrapolou os limites do futebol e se transformou em quebra-quebra, que atingiu estabelecimentos comerciais e veículos.

A policia agiu com rigor. Da mesma forma o judiciário.

Tomara que este episódio sirva de exemplo para que pequenos idiotas que acreditam estar fazendo algo extraordinário quando partem para a violência em nome de um time de futebol e que tenham a consciência que as autoridades estão aí para impor limites. Que a sociedade rejeita este comportamento e que um imbecil destes pode dar aos seus pais o desgosto de sepultar um filho.

Assisti na TV o depoimento de um guri, torcedor do Avaí, algemado em cima de uma caminhonete da PM. Disse ele que foi provocado e que não poderia se calar diante da intimidação. Partiu para a briga. Pela cara era menor de idade. Pegar em um livro nem pensar! Ir ao estádio como faz a imensa maioria de torcedores do bem não tem graça!

O negócio é lutar e se arriscar a levar uma bala na cabeça.

E se o tiro que foi disparado contra o rapaz que teve o braço esquerdo atingido de raspão fosse deslocado poucos centímetros? Velório. Gente chorando. Pedidos de justiça. Caminhada de protesto nas ruas. A imagem de Chapecó manchada mais uma vez.

Justiça se começa a construir dentro de casa. Dando limites aos filhos e sabendo com quem eles convivem e que tipos de influências norteiam suas cabeças.

Depois do mal feito pouco se resolve.

Nunca consegui entender as guerras. Nunca consegui encontrar uma justificativa que pudesse colocar as nações umas contra as outras.

O fanatismo religioso me deixa amedrontado. O excesso de fé leva a discriminação e as guerras santas que povoam o mundo.

Muito menos consigo compreender quando se briga e se mata em nome de uma paixão por um time de futebol. Nem tanto a paixão, mas sim o ódio pelo contrário.

Foi o suficiente para vencer

segunda-feira, janeiro 23rd, 2012

Chapecoense 1×0 Avaí.Começar vencendo é sempre importante, ainda mais em cima do Avaí e com todas as circunstâncias que envolviam o jogo.

Fora de campo tivemos sérios embates entre torcedores que levaram muitos para a delegacia e outros para o hospital. Fato altamente lamentável e que terá desdobramentos jurídicos. Uma pena.

Dentro de campo um jogo sofrível sob o aspecto técnico, bem típico de inicio de temporada e do trato físico dos atletas que ainda está muito amarrado.

Mauro Ovelha levou a campo o que tem de melhor para a competição. Uma ou duas peças podem entrar ainda.

Já a Chapecoense iniciou a temporada sem nove de seus atletas que brigam diretamente pela titularidade.

A vida de Mauro Ovelha não será fácil em Florianópolis com este elenco.

A Chapecoense errou passes em demasia na maior parte do tempo. É preciso evoluir rapidamente sob este aspecto.

Gilberto Pereira já deu o tom da forma como pretende trabalhar nesta temporada. Ou os atletas se adaptam as suas exigências técnicas ou ele saca do time.

O público decepcionou nesta abertura. Não tivemos cinco mil pessoas presentes na Arena. As confusões entre torcedores que foram registradas certamente colaboraram para desanimar muita gente a ir até a Arena,

Mauro Ovelha terá dias de cobrança, seja da imprensa ou dos torcedores até o meio de semana. Ficou provado que o inicio antecipado da preparação antecipada fez a diferença sim.

O momento é de entender que estamos no inicio de temporada e um pouco de calma nas analises se faz necessário.

Gostei da postura do técnico Gilberto Pereira sob o aspecto de participação a beira do gramado.

Começar vencendo é muito importante.

 

Vai começar a festa

sexta-feira, janeiro 20th, 2012

 

Neste sábado teremos a abertura de mais um Campeonato Catarinense de Futebol.

Esta edição inicia revestida de grande expectativa por estar sendo considerada de antemão a mais competitiva e organizada de todos os tempos. Que assim seja!

Os investimentos realizados pelos 10 integrantes da elite do nosso futebol, chama a atenção.

Destes, cinco ultrapassam orçamentos na faixa de R$ 5 milhões. O Figueirense bate nos R$ 30 milhões. Os outros cinco, mais modestos, não podem ser considerados investimentos baixos.

Quem vai ser a zebra do ano? Aposto em dois elencos. Atlético de Ibirama e Marcílio Dias.

Tenho muita curiosidade em ver o desempenho do Metropolitano, que está patinando em sua organização desde a fundação. Não se admite uma cidade do porte e da força de Blumenau não ser grande também no futebol.

Poderemos ter alguma decepção entre os grandes? É lógico que sim, mas não ao ponto de rebaixamento.

A Chapecoense se preparou de forma organizada e discreta, como convém. Nada de pirotecnias e exageros. Tudo muito calmo e dentro de um cronograma estabelecido. O que não era esperado é este movimento forte no departamento médico. Mas faz parte do negócio.

O jogo entre Chapecoense e Avaí será o da TV aberta, mais um ingrediente para deixar o espetáculo ainda mais importante.

Estou gostando da postura da diretoria da Chapecoense no que se refere a sua visão da competição. Não estabelece uma obrigação de conquista, mas também não se faz de coitadinha e fica a reclamar das mazelas de ser o time a morar mais distante dos demais.

Há muito tempo este fator local deixou de ser problema para ser na verdade uma benesse. Com este distanciamento a Chapecoense está criando a sua identidade.

Outro fator que chama a atenção é o volume grande de pessoas se associação via plano empresa. Já são mais de dois mil neste mês de janeiro. Foi uma grande sacada da diretoria, sem dúvida.

Agora e abrir este Kinder Ovo e ver o que tem lá dentro.

Esta expectativa é forte fator motivacional para que uma lotação expressiva se confirme na Arena neste domingo.

As equipes investiram, a fórmula foi ajustada para melhor, torcedores estão empolgados, resta apenas a FCF não atrapalhar e a arbitragem ter o mínimo de decência no seu trabalho que certamente será este o melhor Catarinão de todos.

ATENÇÃO

sexta-feira, janeiro 20th, 2012

 

Acabou de sair de forma oficial por volta das 10:45 a LIBERAÇÃO da Arena Condá para a partida deste domingo, entre as equipes da Chapecoense x Avaí. A Arena está pronta para receber o público, e a esperança é de casa cheia para ver novamente o atual campeão estadual em campo. Todos os caminhos nos levam a Arena neste domingo.

 

 


A mesma novelinha

quarta-feira, janeiro 18th, 2012

Parece reprise do Vale a Pena Ver de Novo. Neste caso não vale a pena ver, mas enfim.

A liberação da Arena Condá, a cada início de ano, é uma novela que se repete e que deixa sempre a sensação de ser desnecessária e desgastante. E na verdade é exatamente isso.

Nenhuma obra nova foi realizada no local do ano passado para este. O mesmo laudo produzido no ano passado serve para este. Ou seja, era apenas manter aquilo que havia sido feito na temporada anterior e já estaria tudo certo.

Apenas dois estádios estão com pendências. Como sempre a Arena Condá que agora divide atenções com o SESI de Blumenau.

Não se pode mais admitir que a cada ano tenhamos esta exposição desnecessária de Chapecó e da Chapecoense.

Os administradores da Arena precisam ser mais eficientes, menos relapsos e alguém da Chapecoense precisa contribuir.

Tem agente público e funcionário da Chapecoense achando que ainda se levam estas situações no grito. Este tempo já passou faz tempo. Ficam deixando o tempo passar e nos últimos momentos correm como loucos para resolver uma série de situações.

A construção da Arena Condá é um marco para o esporte de Chapecó, porém, muitos erros já foram cometidos e que poderiam ter sido evitados. A ala sul foi uma espécie de cobaia. Erram na altura e no posicionamento. A ala norte já teve erros corrigidos. A forma como a obra se desenvolve deixa a desejar pelo aspecto da organização e limpeza. A construtora responsável poderia ser mais eficiente neste aspecto.

Instalaram uma sala de imprensa em lugar impróprio e sem ventilação. Mais um erro que consome dinheiro público. Realizam pequenas obras sem pesquisar e solicitar a opinião de quem quer que seja e os erros vão se sucedendo.

Tem gente tratando com indolência esta questão das vistorias. E se a liberação não acontecer, quem será responsabilizado? 

Estão brincando com coisa muito séria. O presidente da Chapecoense, Sandro Pallaoro, está uma fera, e com razão.

Vamos trabalhar minha gente!

Sem comparações

Alguns gostam de comparar a Arena Condá com outros estádios de SC. Não existe comparação. Cada caso é um caso. Cada realidade exige que medidas diferentes venham a ser tomadas. Existem as regras gerais, mas as especificas e que acabam ganhando destaque.

Quando chega a comitiva responsável pelas vistorias aqui em Chapecó eles já sabem que o relatório vai ser grande e que terão de voltar para a liberação. Quem sabe não seria a hora de surpreendê-los?

As cobranças se acumulam, mas nenhuma delas é exagerada ou de difícil resolução.

Um caso clássico são os famosos tapumes de madeira. A ação do tempo os deixa destruídos. Não é preciso esperar que os policiais militares ou os bombeiros mandem trocá-los. É preciso antecipar as demandas e revolvê-las de uma vez.

Este assunto me irrita profundamente.

 

Foto: ClicRBS.

Voltando a trincheira

segunda-feira, janeiro 16th, 2012

Após meu período de férias estou de volta a este valorizado espaço para comentar e analisar nosso esporte.

A Chapecoense entra na reta final de preparação para a estréia no Campeonato Catarinense contra o Avaí. Resultados de amistosos e a forma como toda a preparação foi concebida, deixa no ar um sentimento de muita confiança nas possibilidades da Chapecoense para esta temporada.

Nitidamente foi a melhor preparação de todos os integrantes da elite do futebol catarinense. As equipes estão sendo montadas ainda e desta forma cada atleta chega com um condicionamento físico, criando a necessidade de equiparação em busca de um padrão. Isso leva tempo. Como a Chapecoense iniciou sua preparação como muita antecedência existe a tendência de que neste quesito ímpar ela esteja mais bem posicionada.

Na Chapecoense, como sempre, não se fala em conquista estadual. Fala-se em correr por fora.

Posicionamento correto da diretoria. Porém, a meta se acessar a Série B é quase uma lei. O foco está muito voltado para este passo importante e inadiável na vida da Chapecoense. Querer a Chapecoense quer a cerca de três anos subir para a segunda divisão nacional. Faltaram-lhe qualidade e experiência nas oportunidades que se apresentaram. E mesmo assim chegou bastante perto.

Estará a Chapecoense madura para dar este passo? Parece que sim.

Para esta temporada já houve um incremento orçamentário na ordem de 20%. Quando chegar a Série B este mesmo orçamento terá a necessidade de chegar perto dos R$ 10 milhões, ou seja, quase dobar. Como forma de implementar um planejamento adequado para o futuro, espero que este quesito já esteja sendo avaliado.

De resto, vamos para os jogos oficiais, que realmente interessam a todos nós.

Maior visibilidade

Nas andanças de férias conversei com muita gente.

Impressiona positivamente o conhecimento daqueles que acompanham o futebol, sobre a Chapecoense. Esta visibilidade foi alcançada a base de muito trabalho e principalmente conquistas.

Desde 2007 a Chapecoense tem exportado talentos para equipes de ponta e isso tem colaborado neste sentido.

O mais recente tema de debate é a chegada de Douglas Grolli no Grêmio. Seu rendimento nos treinos tem chamado a atenção e o nome da Chapecoense está na berlinda.

 Cada vez mais a Chapecoense deve criar mecanismos para deixar a marca em evidência. Muito já está sendo feito.