Arquivo para março, 2012

Desdobramentos de um linchamento

quinta-feira, março 29th, 2012

Souza, zagueiro da Chapecoense que foi afastado preventivamente devido à lesão de um atleta do Figueirense no jogo do final de semana passado, foi linchado publicamente por parte da imprensa de Florianópolis e taxado de assassino por integrantes da comissão técnica do Orlando Scarpelli.

Os desdobramentos e reações inerentes à ação eram inevitáveis. Os males estão feitos. Um atleta recupera-se de lesão e fica parado um determinado tempo e outro foi jogado no balaio dos bandidos.

Agora está em andamento uma tentativa de montar uma campanha para recuperar a simpatia perdida e ao mesmo tempo explicar a postura adotada. Quando existe a necessidade de se explicar uma determinada atitude é porque ela carrega resalvas.

Se houve exagero na entrada de Souza também houve por parte de determinados cronistas esportivos quando levantaram a bandeira da moralidade e forçaram sim o TJD de SC a tomar uma medida, mesmo que a distância.

Bom lembrar que a medida adotada pelo TJD está amparada na legalidade, porém, aconteceu apenas por pressão de parte da imprensa. Outra ala não foi levada em consideração. O TJD errou ao privilegiar um veículo de comunicação em detrimento dos demais na divulgação da pena imposta.

Outra manifestação que causou estranheza foi a de que a Chapecoense poderia perder a simpatia da imprensa da Capital, devido às reclamações do presidente Sandro Pallaoro, quanto à arbitragem e as medidas jurídicas que prejudicaram a Chapecoense, pois teria sido, segundo alguns, a imprensa de Florianópolis que guindou a Chapecoense ao posto de quinta força estadual. Quer dizer que as conquistas e os números da história e da caminhada da Chapecoense não valem nada? Quer dizer então que se parte da imprensa da Ilha resolver a Chapecoense cai de posto?

Eu sabia que eles eram fortes, mas não a este ponto.

A Chapecoense não é a quinta força mesmo! Hoje é a primeira, pois no armário da Rua Clevelândia repousa a taça de Campeão de SC.

Deu um banho

quarta-feira, março 28th, 2012

Chapecoense 4×1 Joinville.

Foi um verdadeiro baile da Chapecoense pra cima da ótima equipe do Joinville que estava a nove jogos sem saber o que era uma derrota. Foi a primeira sob o comando de Argel Fucks.

O primeiro tempo já marcou 3×0 para a Chapecoense sem deixar nenhuma dúvida sobre a superioridade da equipe verde e branca. No segundo tempo a Chapecoense tratou de administrar com muita inteligência o jogo e sempre esteve com o controle da situação.

Chegou a abrir um 4×0 para somente depois levar um. Destacando que houve ainda a perda de dois pênaltis, ou seja, foi uma aula de futebol, um verdadeiro baile para reanimar o elenco e acima de tudo dar o gás necessário para os jogos importantes que vem pela frente.

Houve uma mobilização interna importante. Primeiro foi à diretoria que chutou o pau da barraca e externou sua insatisfação relacionada aos mandos e desmandos da arbitragem e atitudes relacionadas à Federação Catarinense de Futebol.

Outra atitude inteligente foi deixar o grupo de jogadores e a comissão técnica fora destas queixas e focada no jogo. Quando houve a suspensão preventiva Souza o técnico imediatamente sacou o jogador da relação e tratou de recolocar Dema. Tudo certo. Outro fator a destacar é a de que Itamar Schulle trabalhou a equipe em jogadas ensaiadas que resultaram em gols e uma supremacia inegável pra cima de um grande time de futebol que é o Joinville. Agora existe organização tática. Que siga desta forma, não pode ser este um jogo de exceção.

Foi uma noite memorável da Chapecoense, resgatando a garra e a vontade de jogar que marcaram as melhores equipes montadas nesta cidade. Foi um banho de bola.

Efeito Athos

Todos os quatro gols marcados pela Chapecoense passaram pelos pés de Athos na noite de ontem. Ele sobrou em campo mostrando todas as qualidades que já levaram a Chapecoense a tentar sua contratação em outras duas oportunidades. Agora ele veio apenas por ter sido dispensado do Juventude de Caxias do Sul. Mas é assim mesmo no mundo da bola. Não da certo em um time e em outro o jogo vira.

Athos tem a qualidade de enxergar o jogo com antecedência. Seus passes foram precisos e desta forma a zaga adversária tem tremendas dificuldades para neutralizá-lo.

Assim como a Chapecoense eu espero que este jogo não tenha sido um fora de série do atleta e que ele tenha a capacidade de no mínimo repetir esta atuação. O bom é que dele nós podemos esperar algo de positivo.

Deu-se ao luxo de erra até pênalti para logo em seguida cobrar um escanteio que resultou em gol. Athos matou a pau.

 


 

 

A opinião do Dr. Davi

terça-feira, março 27th, 2012

Recebi ontem um e-mail do Dr. Daví Barela Dávi, proprietário da Nostra Casa, patrocinador da Chapecoense e abnegado colabor da causa esportiva. Leia com atenção este texto maravilhosamente bem escrito pelo empresário.

A força da imprensa no esporte profissional

Na condição de patrocinador e acima de tudo fanático pela nossa Chapecoense, me arvoro no direito de emitir uma opinião sobre os assuntos pertinente a nossa representante no esporte profissional.

Há que se considerar, primeiramente, não é a finalidade ver enfraquecer ou discordar com o trabalho da imprensa, tanto falada como escrita. Em outras palavras, o que seríamos sem a imprensa?

Oportuno frisar, a imprensa de Chapecó é muito competente e goza de credibilidade, tanto é verdade que foi considerada a segunda força na comunicação no Estado de Santa Catarina.

Num enfoque mais preciso, trato sobre a conotação dada durante as partidas da Chapecoense, quando vemos um jogador não produzir aquilo que desejamos. Embora esse profissional dedique empenho, nem sempre culmina numa jogada efetiva. Por outro lado, não podemos crucificá-lo por isto. E é este o motivo da minha observação no tocante a darmos a força necessária e na hora certa.  Torcer na hora boa de vitória é muito fácil, agora no momento que todo esse conjunto, atletas, direção comunidade padece de um respaldo neste sentido, lança-se vaias e criticas desairosas contra esse atleta. Por certo, não temos dúvida, o resultado será desastroso.

De observar, que a produção naquele momento do jogo, decairá sensivelmente, não terá o mesmo ímpeto de continuar a partida cheio de entusiasmo e produzindo o seu trabalho com sucesso. Portanto, cria-se um questionamento para ser avaliado.

Analisando a questão sob a ótica da nossa imprensa, que está sempre atenta às demandas dos ouvintes e leitores, na busca de respostas satisfatórias de levar a notícia como ela verdadeiramente acontece, evidentemente, desde que não haja prejuízo no desenvolvimento do trabalho dos abnegados da Chapecoense, que se dedicam a organizar uma tarefa que quem ganha é a comunidade. No caso concreto, por ocasião das transmissões durante os jogos, incitando o torcedor a torcer fervorosamente para a Chapecoense, sem exaltar uma que outra vaia que surja na oportunidade.

Para que não haja dúbia interpretação dos meus argumentos, ofereço dois exemplos que se coadunam com a minha afirmativa.  O primeiro foi no inicio dos jogos do Toni, quase que a torcida e a imprensa o baniram. Outro fato, é do Lucas que aqui esteve há pouco tempo, hoje se tornou ídolo no Criciuma e da mesma forma foi escorchado.

De todo modo, sabemos que a cobrança é benéfica e traz resultados significativos, porém, no momento certo, com críticas pontuado os equívocos e uma criteriosa avaliação pós jogo.

Baseado nessa premissa, é que tomamos a liberdade de externar nosso sentimento de poder elevar cada vez mais o nome do clube que representa a nossa cidade.

Chapecó, 26 de março de 2012

Daví Barela Dávi.

 

Nota do Blog: Concordo plenamente com o que está acima escrito. A Crítica deve ser baseada na inteligência e não na mediocridade. Deve-se sim analisar a atuação do profissional dentro de campo e do dirigente nas ações por ele proposta, sem julgamento de valores. A crítica desprovida de critérios e bases para sua construção deve ser combatida sempre.

As palavras do Dr. Daví Barela Dávi sempre foram o norte para minha atuação profissional. Parecem ter sido tiradas de um Manual de Postura. Sinto-me muito a vontade para aplaudir o amigo pelo texto enviado.

 

Segue a zica do Scarpelli

domingo, março 25th, 2012

Figueirense 3×0 Chapecoense

Olhando apenas o placar pode-se chegar à conclusão de que foi uma barbada, mas não foi. O placar mente. Não foi para tanto.

O Figueirense saiu na frente após um pênalti que suscitou várias dúvidas, com comentaristas acreditando que não foi e com outros achando que houve, mas que desequilibrou o jogo em beneficio dos donos da casa. Wandenson que cometeu o suposto pênalti levou amarelo. Logo em seguida cometeu falta e levou o segundo. Ou seja, se errou no pênalti, se obrigou a errar mais uma vez na expulsão.

Apesar do placar a Chapecoense se comportou bem no jogo. Atuando de forma mais articulada na meia cancha, mas ainda com pouca criação ofensiva, que segue comprometendo na busca de resultados positivos.

Olhando sob a ótica da posse de bola e presença em campo o placar de 3×0 foi mentiroso.

Outro fator de desequilíbrio foi à preparação física muito melhor do Figueirense, pois a Chapecoense pregou no gramado logo aos 20 minutos da etapa final. Atuou grande parte do jogo com um homem a menos, mas não se pode negar esta realidade.

O Figueirense está realizando uma campanha brilhante baseada em um trabalho muito profissional, bem executado e focado na conquista do campeonato e estes mecanismos estão realmente fazendo a diferença.

A Chapecoense está melhorando desde a chegada de Itamar Schulle, mas é preciso dar alma ao ataque. Se houvesse outras opções certamente João Paulo e Jean Carlos não teriam mais espaço.

A estreia de Athos foi positiva, pois se deve levar em consideração que ele chegou e já saiu jogando.

Quarta-feira teremos uma verdadeira decisão frente ao Joinville, jogo de seis pontos, contra a equipe que mais cresceu na competição desde a chegada de Argel Fucks. Este sim será o mais importante jogo da competição até aqui. Perder em casa representará rasgar a chance de chegar a semifinal.

José Acácio da Rocha

A arbitragem foi um desastre na noite de ontem no Orlando Scarpelli. José Acácio da Rocha provou mais uma vez que é um profissional, que apesar de ostentar um escudo da CBF, tem profundas deficiências.

Como explicar o fato de que na quarta-feira, quando ele foi quarto árbitro no jogo da Copa do Brasil em Chapecó ele disse que seria o árbitro deste jogo, quando o sorteio aconteceu somente na quinta-feira?

A arbitragem de SC vive seu pior momento nos últimos anos. O departamento está envolvido em cobranças e denúncias de beneficiamentos que são de arrepiar.

A diretoria terá de tomar atitudes muito severas para que a Chapecoense não seja prejudicada em sua própria casa.

Todo cuidado é pouco. Saber pressionar dentro de campo assim como fora dele será decisivo. A imprensa já está fazendo sua parte denunciando situações muito estranhas.

Na TV aberta

quinta-feira, março 22nd, 2012

Chapecoense x Cruzeiro/MG pela Copa do Brasil, jogo válido pela segunda fase da competição, está confirmado para a Arena Condá no dia 11 de abril, uma quarta-feira, as 21:50 horas e terá TV aberta.

Este jogo será transmitido pela Globo Minas e não deve ter sinal para a Região Sul.

Um ganho de visibilidade muito interessante para Chapecó e para a Chapecoense, não resta dúvida.

O jogo de volta também está marcado para o mesmo horário em TV aberta e será realizado na Arena do Jacaré no dia 18 de abril, na cidade de Sete Lagoas. Para que este jogo aconteça a Chapecoense não pode ser derrotada por dois gols ou mais de diferença. O jogo não será realizado em Belo Horizonte, devido às reformas do Mineirão para a Copa do Mundo de 2014.

Para a Chapecoense a Copa do Brasil representa além de uma fonte de renda muito positiva e uma vitrine magnífica, uma oportunidade ímpar para unir o grupo, criar identidade e na busca do entrosamento desejado.

 

Classificada

quarta-feira, março 21st, 2012

Chapecoense 3×1 São Mateus.

Em primeiro lugar o que melhorou foi à atitude da Chapecoense.

Itamar Schulle conseguiu sim mexer com os brios da equipe e em dois jogos venceu todos.

O São Mateus foi um adversário muito interessante e valorizou sim esta classificação, mesmo com todas as suas limitações, mas jamais abdicou de jogar e sempre apelou para o futebol, jamais apelou para a violência ou para o anti-jogo.

Poderia ter sido um jogo mais fácil, não fosse o exagero de gols perdidos, mas ficou de bom tamanho.

A Chapecoense ganha à possibilidade de angariar recursos financeiros muito interessantes. Garante mais R$ 120 mil de cota e terá um jogo contra o Cruzeiro, em casa, que pode somar mais uns R$ 400 mil de renda. O que não pode é perder a vaga no primeiro jogo, pois desta forma entrega 60% da renda para o adversário.

A soma pode chegar à venda de Grolli.

Importante mais uma vez salientar que a Chapecoense ganhou em qualidade na distribuição tática com a chegada de Itamar Schulle. Nitidamente o técnico está dando um voto de confiança para seus comandados e não criticou nenhuma peça, apesar dos erros cometidos.

O maior teste de Itamar Schulle será no domingo frente ao Figueirense, que é disparada a melhor equipe de SC no momento. Este será o jogo para ver realmente quem tem garrafas para vender.

Athos está chegando para a meia cancha. Vem aí mais uma meia segundo a diretoria. Nomes para o ataque também estão sendo buscados.

Parece que a zica deu uma trégua. Este jogo contra o Cruzeiro representará mais uma página memorável na história da Chapecoense.

 

As escolhas de Itamar Schulle

terça-feira, março 20th, 2012

No treino de hoje a tarde Itamar Schulle optou pela seguinte formação para o time titular que enfrenta o São mateus/ES na noite desta quarta-feira pela Copa do Brasil, e este deverá ser seu 11:

Nivaldo, Fabiano, Souza e Dema, Grillo, Vanderson, Eliomar e Neném, William, Leandrinho e João Paulo.

Entraram ainda Esquerdinha e Jean Carlos.

Itamar Schulle disse hoje no Debate Esportivo da Rádio Chapecó AM 1330 que pretende com esta escalação simplificar o máximo possível e escalar os atletas nas posições em que melhor se adaptam. Faz sentido.

Quanto a liberação do setor Oeste da Arena Condá, uma reunião amanhã as 10 horas vai avaliar a situação. A tendência é pela liberação.

E a novidade do dia ficou por conta da contratação do meia Athos, que estava no Juventude de Caxias do Sul e foi dispensado após a derrota para o Inter por 7×0. A Chapecoense já havia tentado em outras temporadas sua contratação. Sua apresentação deve acontecer antes do jogo contra o São Mateus, amanhã a noite.

 

De olho na Copa do Brasil

segunda-feira, março 19th, 2012

Para a Chapecoense chegar à conquista de uma Copa do Brasil, feito apenas alcançado pelo Criciúma em SC, é uma utopia, algo muito improvável e distante.

Porém, jogar com inteligência para ganhar visibilidade e muito dinheiro é possível e necessário.

Pois é com este olhar que a Chapecoense terá de encarar o São Mateus do Espírito Santo na noite de quarta-feira.

Hoje, no Debate Esportivo da Rádio Chapecó AM 1330, esboçamos uma escalação que consideramos adequada para o jogo e para a seqüência do calendário, ao menos para um curto espaço de tempo, antes das novas contratações serem confirmadas.

Concluímos que seria uma escalação equilibrada a seguinte formação: Nivaldo, Leonardo, Dema e Souza, Grilo, Vanderson e Diego Telles, Eliomar, Esquerdinha, Leandrinho e João Paulo. Quem começou a defender esta escalação foi o Badá. Concordei na hora.

Desta forma seriam evitadas muitas improvisações, nomes que não estão produzindo ficariam apenas como opção e outros que estão um pouco acima dos demais seriam valorizados.

Não existe motivo agora para tirar Nivaldo do gol. O trio de zagueiros é de grande experiência. Fabiano poderia atuar, mas como ficará de fora do jogo contra o Figueirense o jogo serviria para entrosar a formação. Os dois volantes é o que se tem para o momento. Eliomar merece jogar no setor do gramado que gosta de jogar e pode render mais, articulando e chegando para concluir. A dupla de atacantes é o que a Chapecoense tem de melhor para o momento.

A formação do jogo de quarta-feira terá de ser a mesma, ou muito próxima daquela que jogará no Orlando Scarpelli no jogo mais complicado do campeonato.

Você, leitor, concorda com esta formação?

A volta da vitória

domingo, março 18th, 2012

Chapecoense 2×0 Marcílio Dias.

Tecnicamente foi um jogo muito fraco em que mais uma vez ficaram evidentes as carências nos setores de meio de campo e nas alas. O ataque voltou a operar, o que é uma noticia a ser comemorada.

A estréia do técnico Itamar Schulle serviu para animar alguns jogadores, apenas alguns, mas ao menos houve alguma evolução neste aspecto. Outros, como Neném e Jean Calos, seguem sendo meras peças decorativas dentro de campo, não estão produzindo nada vezes nada. Com estes dois a conversa terá de ser diferente. Ou começam a jogar ou mudam de freguesia.

Não se pode cobrar de Itamar Schulle uma condição melhor de atuação, mas ele que pediu para ver o time de perto, no que faz muito certo, viu uma equipe muito limitada e necessitando de reformas urgentes.

A volta de Dema foi muito bem vinda. Ele ainda está carregando as dificuldades do retorno de lesão, mas sabe muito bem compensar com vibração e um comportamento competitivo, que deve servir de exemplo para alguns preguiçosos que andam vestindo a camisa verde e branca.

Para completar o quadro de dificuldades foram expulsos Fabiano e William, em um jogo de 13 cartões e mais três expulsões por parte do Marcílio Dias.

A Chapecoense começou o jogo dando esperança ao torcedor quando fez um gol antes dos oito minutos, mas foi só. Na volta para a segunda etapa o que vimos foi um Marcílio Dias melhor, obrigando a Chapecoense a trabalhar muito na defesa. Perdi as contas de quantos escanteios teve a seu favor o Marcílio Dias. Foi uma falsa superioridade, mas a bola esteve mais com o Marinheiro.

Até que finalmente Eliomar deu números finais ao jogo.

Após oito jogos sem vencer a Chapecoense ganhou, mas segue sem convencer. Será um sofrimento em cima do outro até o final. Valeu pela vitória e seus três pontos.

Após o jogo o presidente da Chapecoense, Sandro Pallaoro, declarou que nesta semana chegam quatro contratações. Um ala pela direita, um meio de campo e dois atacantes.

 

Foto – Daniel Cavagnolli/ACF. 

A mão pesada do Ministério Público

sexta-feira, março 16th, 2012

O Ministério Público em Chapecó resolveu agora interditar de vez o setor Oeste da Arena Condá e desta forma todo o setor de cadeiras, que já estava interditado, terá também o fechamento das cobertas e das cabines de rádio e TV, juntamente com a Tribuna de Honra.

O fato se deve ao não início das obras de recuperação da cobertura que abrange grande parte deste setor.

O constrangimento existe e não se pode fugir dele.

Existia uma expectativa de que o referido setor pudesse ser liberado para este final de semana. A administração da Arena havia solicitado que funcionários limpassem a área, o que foi feito, mas o que acabou por acontecer foi à interdição total.

Chapecoense e Prefeitura de Chapecó estavam alertados sobre a possibilidade de interdição total, mas a demora no início das obras acabou por ocasionar mais este episódio que gera desgaste e a necessidade de explicações que é sempre ruim.

As obras de recuperação devem iniciar já neste sábado o que possibilitaria a liberação do importante espaço já para o jogo da Copa do Brasil na quarta-feira frente ao São Mateus do Espírito Santo.

Concordo com a interdição de toda a área por parte do Ministério Público. Se não existe segurança, na avaliação do MP, para abrigar torcedores, não existe também para que a imprensa trabalhe no mesmo local.

Não tenho a possibilidade de avaliar tecnicamente se a cobertura oferece risco ou não de desabamento, nem mesmo o promotor responsável pelo caso o tem, mas como nenhum engenheiro atestou em laudo que a cobertura não oferece risco, coube ao Ministério Público fazer seu papel de proteção ao cidadão e ao consumidor, no caso o torcedor.

Tecnicamente já está tudo ajustado no sentido de dar condições as emissoras de rádio e TV para a cobertura do jogo. Sob este aspecto houve rapidez e bom entendimento.

O correto é recuperar as estruturas e evitar novas ações.

Quando o Ministério Público sugere algo é de bom alvitre seguir a recomendação. Assim está sendo feito.