Deu um banho

Chapecoense 4×1 Joinville.

Foi um verdadeiro baile da Chapecoense pra cima da ótima equipe do Joinville que estava a nove jogos sem saber o que era uma derrota. Foi a primeira sob o comando de Argel Fucks.

O primeiro tempo já marcou 3×0 para a Chapecoense sem deixar nenhuma dúvida sobre a superioridade da equipe verde e branca. No segundo tempo a Chapecoense tratou de administrar com muita inteligência o jogo e sempre esteve com o controle da situação.

Chegou a abrir um 4×0 para somente depois levar um. Destacando que houve ainda a perda de dois pênaltis, ou seja, foi uma aula de futebol, um verdadeiro baile para reanimar o elenco e acima de tudo dar o gás necessário para os jogos importantes que vem pela frente.

Houve uma mobilização interna importante. Primeiro foi à diretoria que chutou o pau da barraca e externou sua insatisfação relacionada aos mandos e desmandos da arbitragem e atitudes relacionadas à Federação Catarinense de Futebol.

Outra atitude inteligente foi deixar o grupo de jogadores e a comissão técnica fora destas queixas e focada no jogo. Quando houve a suspensão preventiva Souza o técnico imediatamente sacou o jogador da relação e tratou de recolocar Dema. Tudo certo. Outro fator a destacar é a de que Itamar Schulle trabalhou a equipe em jogadas ensaiadas que resultaram em gols e uma supremacia inegável pra cima de um grande time de futebol que é o Joinville. Agora existe organização tática. Que siga desta forma, não pode ser este um jogo de exceção.

Foi uma noite memorável da Chapecoense, resgatando a garra e a vontade de jogar que marcaram as melhores equipes montadas nesta cidade. Foi um banho de bola.

Efeito Athos

Todos os quatro gols marcados pela Chapecoense passaram pelos pés de Athos na noite de ontem. Ele sobrou em campo mostrando todas as qualidades que já levaram a Chapecoense a tentar sua contratação em outras duas oportunidades. Agora ele veio apenas por ter sido dispensado do Juventude de Caxias do Sul. Mas é assim mesmo no mundo da bola. Não da certo em um time e em outro o jogo vira.

Athos tem a qualidade de enxergar o jogo com antecedência. Seus passes foram precisos e desta forma a zaga adversária tem tremendas dificuldades para neutralizá-lo.

Assim como a Chapecoense eu espero que este jogo não tenha sido um fora de série do atleta e que ele tenha a capacidade de no mínimo repetir esta atuação. O bom é que dele nós podemos esperar algo de positivo.

Deu-se ao luxo de erra até pênalti para logo em seguida cobrar um escanteio que resultou em gol. Athos matou a pau.

 


 

 

Deixe um comentario