Não creio em bruxas, porém…

Escalas de arbitragem para a fase semifinal do Campeonato Catarinense. Rapidez do TJD de SC em julgar os efeitos suspensivos de dois atletas do Avaí. A negativa do mesmo Tribunal para um atleta da Chapecoense. A briga pública do presidente da Chapecoense, Sandro Pallaoro, com a Federação Catarinense de Futebol e o Departamento de Arbitragem.

O adversário da Chapecoense é o Avaí, O Leão da Ilha, sediado no Bairro de Carianos em Florianópolis.

Todos estes ingredientes podem conduzir para a criação de fantasmas gigantescos, de manobras extra-campo, de mandingas de bastidores para que o Avaí chegue à decisão, seja com o Figueirense ou o Joinville, pois neste caso o gigantismo e a importância das praças seriam equivalentes aos interesses de audiência e exposição de patrocinadores.

Se tudo isso se traduzir em verdade é melhor fechar as portas da Chapecoense. Chega de futebol profissional em Chapecó!

Esta mania asquerosa de se fazer de coitado e esta insistência em se distanciar mais do que a geografia de Florianópolis me deixa particularmente irritado.

Em 2009 a Chapecoense decidiu um titulo contra este mesmo Avaí, primeiro jogo aqui com vitória da Chapecoense e um banho de bola. Segundo jogo lá e dois banhos de bola do Avaí. Tudo certo! Tudo dentro do futebol! Ou teve algum acerto?

A liberação por efeito suspensivo dos atletas do Avaí se justifica justamente por esta proximidade. Esta situação é muito diferente da vivida pela Chapecoense, pois o resultado final foi outro. Sempre enaltecendo que existe toda a base para a condenação dos atletas do Avaí.

Quanto ao restante e todas as manobras possíveis e imagináveis para tirar a Chapecoense da competição, somente terão sucesso se a Chapecoense deixar que aconteça. Se jogar futebol de qualidade passa por cima de tudo e de todos, mesmo de uma possível arbitragem tendenciosa.

Um árbitro mal intencionado se identifica em poucos minutos e com toda a cobertura de TV ele se enterra mais do que o desclassificado.

Então meus amigos e amigas, o negócio é jogar futebol de qualidade e fazer valer a vantagem vigente.

Neste encontro com o Avaí a Chapecoense só pode perder para ela mesma ou para estes equivocados pensamentos de perseguição contra os “coitadinhos do Oeste”.

Futebol se ganha e se perde dentro de campo, fora dele rolam as maracutais de dinheiro e outros favorecimentos.

O que salva o futebol é o que negócio de decide no 11 contra 11. Quem é mais competente ganha e ponto final.

Ou um time inteiro se vende?

4 comentarios para “Não creio em bruxas, porém…”

  1. Priscila disse:

    Em 2009 a Chapecoense decidiu um titulo contra este mesmo Avaí, primeiro jogo aqui com vitória da Chapecoense e um banho de bola. Segundo jogo lá e dois banhos de bola do Avaí. Tudo certo! Tudo dentro do futebol! Ou teve algum acerto?

    SERÁ?? SERÁ QUE HOUVE ALGUM ACERTO??

    Eis a pergunta que não tem resposta há três anos já…..

    Vamo que vamo meu Verdãooo………… to contigo sempre…..

  2. JORGE disse:

    Ao respeitado jornalista Fernando, acompanho periodicamente seu blog e dessa feita concordo em partes. Sabe-se que o futebol está longe de ser uma atividade ilibada quando se fala na credibilidade de todos aqueles que o fazem. Conhecemos inúmeros casos de corrupção, preconceito, desrespeito, mala branca, violência, etc… Particularmente se ouvir a narração das rádios de Chapecó sem que alguns profissionais errem consecutivamente nomes de jogadores e principalmente sem que haja uma ovação aos times do outro lado da ponte considero que teremos uma grande evolução, ao menos na ótica jornalística. Assim como o amigo também não aguento mais essa mania de perseguição, de se apequenar, o estilo coitadinho não pertence ao povo que pulsa nossa bela e Santa Catarina.
    Chapecoense, mas antes disso Catarinense e adeus ao outro lado do rio.

  3. Fabio disse:

    Jorge, perfeito. O vcs criam uma identidade CATARINENSE ou vcs sempre serão capachos do Gaúchos. É isso que nós aqui do litoral achamos de vcs. Odeiam Floripa e amam o RS. Prefiro me naturalizar Argentino! Abraços da ilha mais linda do MUNDO!

  4. Fabricio (timbó) disse:

    Fabio,
    Cuidado quando vc usa a palavra “nós”.
    Fale por vc. Tenho certeza que a grande maioria pensa diferente de ti.
    “Capacho de gaúcho”. Vc não teve ter atravessado a ponte nunca na tua vida.
    Tenho pena de gente como vc. Ninguém odeia ninguém.
    Floripa é linda e tenho muitos amigos por ai que não pensam da mesma forma.
    Procura estuda cara.
    Tem cada um que aparece.

    Abraços Fernando

Deixe um comentario