Arquivo para abril, 2012

Fim de linha na Copa do Brasil

quinta-feira, abril 19th, 2012

Cruzeiro 4×1 Chapecoense

A Chapecoense resistiu bravamente até levar o gol de virada e aí a casa caiu, com a Chapecoense pregando no gramado e dando muito espaço para o Cruzeiro, que se acha muito bom, mas que está jogando mais no nome do que na qualidade.

O primeiro tempo da Chapecoense foi primoroso até os 40  minutos, depois disso a realidade foi de uma equipe cansada, sem forças para reagir e com alguns atletas visivelmente se dosando para o jogo de domingo frente ao Avaí.

Esperava ver o Cruzeiro extremamente agressivo, mas o que vi foi uma equipe que ganhou o jogo com facilidade apenas pelo cansaço do adversário.

Uma derrota para uma equipe do porte do Cruzeiro é absolutamente normal, o que ninguém queria era a goleada, que lamentavelmente acabou sendo concebida.

O Cruzeiro tem se notabilizado em sair perdendo e depois busca o resultado na base do abafa, fator este que tem deixado o torcedor da Raposa Mineira bastante cabreiro e com forte contestação sobre o trabalho do limitado técnico Wagner Mancini.

Outro fator a ser destacado é o de que a Chapecoense tem severas limitações no seu banco de reservas. As trocas surtem efeito contrário, ao passo que a Chapecoense cai vertiginosamente de produção.

O gol novamente foi feito pelo zagueiro Fabiano e com o ataque novamente deixando a desejar.

A derrota da Chapecoense passa muito pelo fraco futebol da dupla Athos e Neném, que estiveram muito aquém daquilo que vinham produzindo em outras jornadas.

O que preocupa é a possibilidade de abatimento do elenco para o jogo de domingo frente ao Avaí.

Será preciso um trabalho específico para moldar o psicológico da Chapecoense de forma positiva para o jogo que realmente importa.

Fica o sabor amargo de uma goleada.

 

Calendário de time grande

terça-feira, abril 17th, 2012

A vida da Chapecoense mudou em um curto espaço de tempo. O que era um time que atuava quatro meses no ano passou a ser uma associação de futebol com calendário de janeiro a novembro.

A presença na Copa do Brasil e o jogo de quarta-feira contra o Cruzeiro, deixa bastante explicito este momento positivo, pois em Sete Lagoas a Chapecoense defenderá a permanência de SC na competição. Só sobrou o Verdão para contar a história.

O jogo contra o Cruzeiro, exatamente na semana de preparação para uma semifinal de campeonato estadual, tem seu lado negativo, tira o foco e faz o elenco viajar quando poderia estar apenas centrado naquilo que é considerado o filé mignon do primeiro semestre, mas é melhor estar na Copa do Brasil do que assisti-la apenas na TV.

A Chapecoense chega ao ponto de escalar uma equipe mista contra um Cruzeiro, para preservar nomes importantes para o jogo de domingo frente ao Avaí, na Ressacada.

Nada de esnobação, é necessidade mesmo!

Na tarde de domingo, antes da bola rolar contra o Criciúma, o prefeito de Chapecó, José Claudio Caramori e o presidente da ALESC, Gelson Merísio, anunciaram que tudo está pronto e encaminhado para a troca do gramado da Arena, assim que a bola parar de rolar, lá pelo mês de novembro. Investimento inadiável que ganha parceiros de porte.

A Chapecoense tem hoje presença política no Governo do Estado e na Assembleia Legislativa que permitem acessar recursos de vulto para fazer frente às necessidades de crescimento da Arena Condá.

Passado o Campeonato Catarinense e a Copa do Brasil começa o grande projeto do ano que é chegar a Série B do Campeonato Brasileiro, um verdadeiro pulo do gato na história da Chapecoense. Tem muito pela frente ainda.

Relacionamento com os associados  

Recebi de um sócio das cobertas da Chapecoense a missão de encaminhar um pedido, fazer um teste com sua carteira e alertar a Chapecoense para um problema, a forma de cobrança das mensalidades.

Este associado tenta desde fevereiro receber seus boletos para pagar suas mensalidades, sem sucesso.

Testei na tarde de domingo se o acesso ainda estava liberado. O sistema negou na catraca eletrônica.

Seria interessante disponibilizar pelo site, mediante uma senha de sócio torcedor, os boletos. Eles seriam impressos pelo próprio associado que encaminharia seu pagamento.

O relacionamento melhoraria muito.

O sistema está funcionando para bloquear o acesso dos inadimplentes, mas está falhando no envio de boletos de pagamento. Ou seja, tem gente querendo pagar e não consegue.

Fica o alerta e a sugestão.

Chapecoense confirma a boa fase

domingo, abril 15th, 2012

Chapecoense 3×1 Criciúma

Foi um jogo de total tranquilidade da Chapecoense que em momento algum foi pressionada pelo Criciúma, que está desmantelado.

É triste ver uma equipe do tamanho e da importância do Criciúma se arrastando no gramado, mesmo com todo o potencial econômico que lá existe.

A Chapecoense tem se transformado no grande algoz do Criciúma nos últimos anos, com resultados constrangedores para a equipe do Sul de SC.

Independente da situação do adversário a Chapecoense foi muito mais efetiva e soube jogar com a responsabilidade de ter de vencer e assim o fez com absoluta maturidade, sem sequer ter a necessidade de forçar o jogo. Jogou sobrando.

Foi um jogo em que muitas vezes nem parecia que estava valendo uma vaga para a semifinal, tamanha a sonolência de alguns momentos.

A Chapecoense chega a esta semifinal amplamente credenciada para chegar a mais uma decisão, pois vive seu melhor momento na competição, mias equilibrada e com produção de meio de campo que mudou o formato da equipe dentro de campo.

Esta maturidade também se reflete nas mais variadas situações, como a posse de bola, o saber parar o jogo, um posicionamento adequado dentro das quatro linhas e um futebol de solidariedade com um grupo fechado e sabedor daquilo que quer.

Itamar Schulle tem méritos incontestes na formatação do time e a na forma como estabeleceu um padrão de jogo que deu ao elenco um poder de fogo que antes não possuía.

A Chapecoense chega a esta semifinal única e exclusivamente por seus méritos com absolutamente nada a explicar.

A semifinal

Figueirense, Chapecoense, Avaí e Joinville, eis os quatro grandes do futebol de SC, presentes na semifinal por justiça, baseado naquilo que produziram ao longo da competição. Os demais não tinham nenhuma possibilidade de estar presentes, inclusive o Criciúma, que desmereceu a competição ao passo que abdicou de jogar.

O Metropolitano pintou bem, mas quando se leva cinco gols em casa na reta de chegada não se pode reclamar de nada.

A Chapecoense é a segunda melhor campanha da competição após todos terem jogado entre si, o que dimensiona muito bem o tamanho da obra.

Jogar em casa a decisão da vaga representa muito, pois além de jogar a última frente ao torcedor possibilita dois resultados iguais, sem pênaltis ou prorrogação.

A Chapecoense alcançou mais um objetivo traçado, agora é seguia em frente e superá-los.

Cuidado com a armadilha

sexta-feira, abril 13th, 2012

Angeloni quer mudança de rumo

Domingo Chapecoense e Criciúma se enfrentam em mais uma batalha doméstica na busca de uma vaga para a semifinal do Campeonato Catarinense.

Este enfrentamento é realmente marcante dentro da história do nosso futebol.

O Criciúma vive sua maior crise desde a chegada do empresário Antenor Angeloni ao comando do Tigre.

O ambiente interno está deteriorado. A fogueira das vaidades arde forte e já consumiu egos e profissionais. A troca na estrutura de direção do futebol é constante. Patrocinadores ameaçam romper contrato ou não renová-los.

A crise está instalada, mas muito cuidado Chapecoense, que aí pode estar montada uma armadilha poderosa.

Nada melhor para debelar uma crise do que vencer fora de casa e passar de fase.

Acreditar que o Tigre vem para Chapecó morto é uma ingenuidade que pode custar caro.

Acredito que a diretoria da Chapecoense em conjunto com a comissão técnica pensam da mesma forma.

O momento da Chapecoense é muito bom e realmente parece que a lição do jogo contra o Atlético de Ibirama foi assimilada e desta forma não se quer errar mais.

O momento é de esquecer a cor e o nome do adversário que está do outro lado do gramado. Ele deve ser avaliado sempre como um grande do nosso futebol. Focar apenas virtudes e tentar neutraliza-las.

Os defeitos aparecem sozinhos e oferecem oportunidades ao adversário de forma natural, não é preciso sequer forçar.

Mesmo em crise o Criciúma é time grande e assim deve ser encarado.

A missão da Chapecoense é tratar apenas dos seus assuntos e deixar que os assuntos do adversário sejam administrado por eles.

Reitero. Cuidado com a armadilha que pode estar sendo montada para derrubar o índio.

Uma questão de tempo

A crise deflagrada no Heriberto Hulse era uma questão de tempo.

Faz algum tempo que Antenor Angeloni vem emitindo algumas opiniões que indicavam que algo iria acontecer.

O empresário está publicamente externando sua contrariedade com o rumo que o projeto tomou no Criciúma.

Dinheiro é muito importante no futebol e em qualquer setor, mas o excesso dele somado a inexperiência de alguns e a sanha de outros em entrar na roda da fortuna, desencadearam este momento delicado e que certamente colocará o Tigre em outra rota.

Angeloni cansou de desembolsar dinheiro e não avistar sequer um resquício de retorno. Deve estar se sentindo usado. Ele é um poderoso homem de negócios que sabe muito bem identificar quando está sendo enrolado.

O momento  para deflagar esta mudança não é o ideal, mas parece que todos os limites do bom senso foram ultrapassados.

Angeloni quer gerir um negócio, não um circo de pulgas.

Foto: Futebolsc.com/João Pedro Alves/CEC

Jogou como gente grande

quinta-feira, abril 12th, 2012

Chapecoense 1×1 Cruzeiro/MG

A Chapecoense jogou com uma aplicação digna de

elogios e encarou como devia a forte equipe do Cruzeiro

e conquistou um empate que perfeitamente poderia se

transformar em vitória, pois a Chapecoense construiu

oportunidades para tanto. O goleiro Fabio fez duas defesas

espetaculares para garantir o empate.

Em alguns momentos o Cruzeiro deu a impressão de que

tinha a convicção de que poderia ganhar a hora que bem

entendesse. Pagou caro.

Este jogou criou uma duvida. O que poderia oferecer a

Chapecoense frente ao Cruzeiro? Existia sim o temor

de perder o jogo por um placar que anulasse a segunda

partida, não posso esconder este sentimento.

Porém, com uma aplicação de um time maduro e com

personalidade a Chapecoense concebeu uma bonita

apresentação, digna de elogios.

O Cruzeiro chegou e saiu reclamando do gramado e

alguns atribuíram a este fator o resultado do jogo. Ledo

engano. Reitero que se alguém mereceu a vitória esta foi a

Chapecoense.

Itamar Schulle conseguiu neutralizar peças importantes do

Cruzeiro com uma distribuição tática eficiente. Uma única

falha resultou em gol, demonstrando o trabalho árduo que

a Chapecoense teve para garantir o segundo jogo.

Itamar Schulle errou apenas no jogo contra o Ibirama, de

resto mostrou qualidades e uma capacidade de aglutinar o

elenco em torno de um projeto de qualificação que merece

aplausos.

Este espírito encarnado pela Chapecoense deve

acompanha-la sempre. Este é o sentimento capaz de

neutralizar vantagens inimigas e fazer uma equipe que tem

lá suas limitações, mas que consegue sim se superar.

Foi uma grande apresentação da Chapecoense, sem

dúvida.

Um encontro memorável

quarta-feira, abril 11th, 2012

Hoje é noite de Chapecoense e Cruzeiro de MG, a Raposa, na Arena Condá.

A Copa do Brasil, com seu perfil democrático, possibilita encontros entre equipes de várias divisões do futebol brasileiro e o que era taxado como uma estratégia política da CBF acaba se transformando em uma ferramenta de divulgação para entidades como a Chapecoense e a possibilidade de galgar degraus antes inimagináveis.

Na Copa do Brasil a Chapecoense já encarou grandes como Internacional, Atlético Mineiro e agora o Cruzeiro.

Eliminou um campeão brasileiro, o Guarani de Campinas no Brinco de Ouro. Apresentou-se e fez bonito no Planalto Central frente ao Brasiliense.

Deixou de jogar no Beira Rio, mas esteve no Mineirão. Não foi bem é verdade, mas esteve lá.

Agora tem a possibilidade de suplantar outro gigante do futebol brasileiro, com nomes de seleções nacionais e jogar na Arena do Jacaré em Sete Lagoas.

O momento é grandioso, assim como é gigantesca a estrutura montada para a cobertura do evento. Teremos TV aberta, duas emissoras de canal fechado, inúmeras emissoras de rádio, jornais de renome e a internet atuando em tempo real, tudo direcionado para a Arena Condá em Chapecó.

Por isso que briguei tanto para que batizassem de Arena Chapecó o local do jogo, mas fazer o que?

A realidade dentro de campo será a luta do Cruzeiro em eliminar o jogo de volta e a Chapecoense lutando para se manter viva. Nada que impossibilite uma surpresa, mas convenhamos que o desafio se estabeleça dentro deste patamar de realidade.

Do lado de fora da Arena estão enfileirados caminhões de transmissão de TV que já dão uma ideia da importância do evento.

É inescapável dizer que neste momento a Chapecoense é a grande divulgadora de Chapecó em todo o território nacional, no que pese nosso potencial na agroindústria.

É uma honra receber o Cruzeiro em Chapecó. E será uma honra maior ainda vencê-lo, para jogar mais uma vez nas Minas Gerais.

 

Uma semana decisiva

segunda-feira, abril 9th, 2012

Em uma semana a Chapecoense pode arrecadar um bom dinheiro, garantir um jogo decisivo em Minas Gerais contra o Cruzeiro, eliminar um adversário tradicional do Campeonato Catarinense e definir seu lugar na semifinal da competição.

Esta mesma semana lhe possibilita o desastre de perder a vaga na Copa do Brasil, entregar 60% da renda, encerrar precocemente o estadual e instalar uma crise com severas cobranças na Arena Condá.

Pode ainda haver um meio termo e se for o caso que se fique fora da Copa do Brasil e que siga no Campeonato Catarinense. Seria menos traumático para o torcedor, mesmo batendo forte no caixa.

A Chapecoense plantou em seu quintal este momento ao perder de forma indolente uma classificação antecipada e terá de se esforçar muito para dar a volta.

Uma vantagem importante é a de que a Chapecoense não precisará viajar, decidirá tudo em casa, sem desgaste com deslocamentos e ao lado do torcedor.

Alguns pregam a necessidade de que alguns atletas sejam poupados no jogo de quarta-feira para que tenham capacidade plena no jogo de domingo.

Não creio ser esta a medida correta. Jogador gosta mais de atuar duas vezes na semana do que esperar uma semana inteira para jogar.

No embate de quarta-feira estará em jogo, além de um montante financeiro bastante representativo, a imagem da Chapecoense. Não existirá demérito em ser eliminado pelo Cruzeiro por dois gols de diferença, mas ser goleado é depor contra uma história de conquistas forjada na base do sacrifício. Está em jogo a dignidade de uma instituição, fator que deve ser cobrado de forma muito clara pela diretoria.

Já o jogo de domingo frente ao Criciúma representa uma obrigação. Este discurso do inicio de temporada de que a meta era ficar entre os cinco melhores não cola.

O único resultado aceitável será a vitória.

Uma semana de fracassos determinará nova troca na comissão técnica. Fica esperto Itamar Schulle.

Uma semana decisiva

segunda-feira, abril 9th, 2012

Em uma semana a Chapecoense pode arrecadar um bom dinheiro e garantir um jogo decisivo em Minas Gerais contra o Cruzeiro e eliminar um adversário tradicional do Campeonato Catarinense e definir seu lugar na semifinal da competição.

Esta mesma semana lhe possibilita o desastre de perder a vaga na Copa do Brasil e entregar 60% da renda e encerrar precocemente o estadual e instalar uma crise com severas cobranças na Arena Condá.

Pode ainda haver um meio termo e se for o caso que se fique fora da Copa do Brasil e que siga no Campeonato Catarinense. Seria menos traumático para o torcedor, mesmo batendo forte no caixa.

A Chapecoense plantou em seu quintal este momento ao perder de forma indolente uma classificação antecipada e terá de se esforçar muito para dar a volta.

Uma vantagem importante é a de que a Chapecoense não precisará viajar, decidirá tudo em casa, sem desgaste com deslocamentos e ao lado do torcedor.

Alguns pregam a necessidade de que alguns atletas sejam poupados no jogo de quarta-feira para que tenham capacidade plena no jogo de domingo.

Não creio ser esta a medida correta. Jogador gosta mais de atuar duas vezes na semana do que esperar uma semana inteira para jogar.

No jogo de quarta-feira estará em jogo, além de um montante financeiro bastante representativo, a imagem da Chapecoense. Não existirá demérito em ser eliminado pelo Cruzeiro por dois gols de diferença, mas ser goleado é depor contra uma história de conquistas forjada na base do sacrifício. Está em jogo a dignidade de uma instituição, fator que deve ser cobrado de forma muito clara pela diretoria.

Já o jogo de domingo frente ao Criciúma representa uma obrigação. Este discurso do inicio de temporada de que a meta era ficar entre os cinco melhores não cola.

O único resultado aceitável será a vitória.

Uma semana de fracassos determinará nova troca na comissão técnica. Fica esperto Itamar Schulle.

 

Salto alto

segunda-feira, abril 9th, 2012

Chapecoense 2×3 Ibirama.

Credito à petulância a derrota da Chapecoense  para o Atlético de Ibirama.

Nitidamente a Chapecoense acreditou que poderia vencer a hora que bem entendesse.

A zaga esteve ridícula e Fabiano foi responsável direto pela derrota.

Jogo com arbitragem muito fraca e se achando como a Chapecoense.

O que era para ser uma semana de jogos importantes, mas com tranquilidade, ganhou contornos de fortes cobranças.

A Chapecoense perdeu por merecimento.

Itamar Schulle esteve muito mal também. A equipe voltou do vestiário dormindo e logo levou o terceiro gol.

Fica o ensinamento para que esta semana não seja trágica.

 

O destino quer que assim seja

sábado, abril 7th, 2012

Neste domingo a Chapecoense decide uma vaga para a fase semifinal do Campeonato Catarinense contra o Atlético de Ibirama. Jogo às 16 horas na Arena Condá.

Novamente o Atlético de Ibirama cruza o caminho da Chapecoense. Este mesmo Ibirama deu a Chapecoense à oportunidade de se manter na elite do futebol catarinense e na sequência conquistar o quarto título estadual.

Pois neste domingo é justamente este Atlético de Ibirama que deverá ser batido para que a Chapecoense consolide sua vaga a segunda e importante fase da competição.

Time por time a Chapecoense tem larga vantagem, mas é preciso respeitar as qualidades do adversário e principalmente sua aplicação dentro de campo.

Recebi uma informação de que o Ibirama poderá estar sem a presença de seis jogadores, são eles: zagueiros Jajá e Alemão, volante Xipote, atacantes Kilder, Rogério e Matheus. Voltam segundo a fonte Silvio Bido e Victor Hugo.

Com ou sem desfalques, completo ou não, o que realmente importa é o comportamento da Chapecoense, que em mantendo o desempenho dos dois últimos jogos certamente ganha o jogo e leva a vaga.

Duas mudanças chamam a atenção na Chapecoense para este jogo. No gol retorna Rodolpho na vaga do lesionado Nivaldo. Na meia cancha Neném está fora devido ao terceiro cartão.

Curiosamente são dois atletas que viviam bons momentos. Nivaldo estava fechando o gol. Neném cresceu de produção de forma muito consistente desde a chegada de Athos.

A manutenção da suspensão do zagueiro Souza reforça ainda mais o sentimento de união entre os integrantes do elenco.

Jogo marcante e cheio de significados este entre Chapecoense e Atlético de Ibirama.