Arquivo para maio, 2012

Feijoada temperada

quarta-feira, maio 30th, 2012

Recebi do marketing da Chapecoense a seguinte nota:

Olá Fernando, há instantes recebi um telefonema do Daniel Cavagnoli, dando conta de que alguns jornalistas que cobriam o treino de agora à tarde haviam criticado bastante o evento do próximo sábado, principalmente em razão de estarmos veiculando a mídia em uma determinada emissora e de realizarmos o evento em um local fechado. Com isso, tomei a liberdade de repassar ao amigo algumas informações sobre a Feijoada do Verdão,  que talvez sejam capazes de esclarecer grande parte das questões que possam ser suscitadas.

Sobre a veiculação de mídia na emissora em questão, vale lembrar que o orçamento para veiculação de publicidade pela ACF é praticamente inexistente. Nesse aspecto, nos valemos para a veiculação de comerciais de uma verba que é disponibilizada pela Federação como contrapartida pela transmissão de televisão do Campeonato Catarinense. Mais especificamente, o que temos como verba de veiculação é a importância que fica disponível em forma de crédito na emissora, e que, em 2011, ficou em algo próximo de 80 mil reais. Nesse ano o valor, pelo que apuramos, é um pouco acima disso, só podendo ser aproveitado se for na forma de veiculação de mensagens televisivas até o final do ano. Por esse motivo, para não mexer no caixa do clube, sempre comprometido com assuntos diretamente ligados ao futebol, temos, habitualmente, lançado mão deste recurso para a veiculação de comerciais de TV.

Quanto à escolha do local onde será realizado o evento, a opção se deu em razão dos riscos inerentes a qualquer evento ao ar livre, destacando-se, entre estes, as intempéries, que poderiam comprometer totalmente a realização da festa. Além disso, nosso acordo com os proprietários da casa incluem o pagamento, por parte deles, de todas as despesas operacionais do evento, com o clube ficando somente com o compromisso dos ingredientes (obtidos a partir de parcerias com empresas como Aurora, Pallaoro, Tozzo e outras) e da venda das camisas, que, diga-se de passagem, estão vendendo bem. Fico à disposição do amigo para qualquer outra informação que possa ajudar a esclarecer eventuais dúvidas sobre a Feijoada do Verdão. Gostaria, na medida do possível, de contar com a grande audiência que você tem na cidade e na região para ajudar a divulgar este evento.

Grande abraço, Andrei Copetti.


Chama a Maria Machadão

domingo, maio 27th, 2012

Uma das personagens mais marcantes da obra de Jorge Amado, intitulada Gabriela Cravo e Canela, que será reexibida pela TV Globo, é a Maria Machadão. Mulher forte, com uma história de vida carregada de momentos marcantes, ela é a dona do cabaré da cidade de Ilhéus, na Bahia, onde a obra é ambientada.

Maria Machadão será encarnada nesta nova versão pela bela e cantante Ivete Sangalo.

Começo o texto falando sobre esta obra maravilhosa para fazer uma ligação com a Série C do Campeonato Brasileiro.

O Marília Atlético Clube, do interior de SP, quer tirar proveito do imbróglio envolvendo as disputas dos Campeonatos Brasileiros das Séries C e D, que tiveram o início suspenso pelo presidente do STJD.

O Marília já encaminhou contatos com os outros rebaixados na Série C do ano passado – Araguaína (TO), Campinense (PB) e Brasil (RS) – na tentativa de reunir os quatro clubes para solicitar à CBF (Confederação Brasileira de Futebol) que aumente de 20 para 24 equipes a Série C deste ano.

Não se trata de uma nova demanda jurídica, é apenas uma carona na onda que se estabelece.

Esta semana será decisiva no que se refere aos acontecimentos envolvendo as Séries C e D do Campeonato Brasileiro.

A pergunta que está sendo feita agora é a seguinte: A FIFA pode ou não desfiliar uma entidade esportiva que recorre à justiça comum?

O jurídico do Brasil de Pelotas garante que não.

Já tentaram estabelecer uma recompensa financeira para os reclamantes e uma promessa de vaga para a Série C de 2013.

Agora chega a proposta do Marília de aumentar para 24 o número de participantes.

Se um consenso não se estabelecer esta semana, chama a Maria Machadão para comandar este cabaré que está se transformando esta discussão.

 

Cada vez mais complicado

quinta-feira, maio 24th, 2012

A maior instância da justiça brasileira (STF) manteve a decisão do Tribunal de Justiça do RS e negou a CBF uma liminar que solicitava neutralizar a decisão homologada em Porto Alegre. Mais um absurdo promovido pela justiça comum, interferindo de forma nefasta no futebol brasileiro.

A CBF recorreu a FIFA para expulsar os litigantes e imediatamente Brasil de Pelotas e Treze da Paraíba foram suspensos, pois coincidiu o problema com a realização de uma assembleia da FIFA em Budapeste na Hungria.

O assunto ganha contornos de ineditismo e vai colocar a prova a competência do departamento jurídico da entidade.

A única saída para as equipes reclamantes seria a retirada das reclamatórias e a volta para seus locais de competição, caso contrário, sofreriam a mais pesada das penas que é a desfiliação definitiva, ou seja, a eliminação do mundo do futebol.

Brasil de Pelotas e Treze da Paraíba já declararam que não vão arredar pé da justiça comum, pois haveria um dispositivo na Constituição do Brasil que protegeria suas ações.

A situação chegou a um ponto de intransigência que Brasil de Pelotas e Treze da Paraíba acreditam que são mais fortes do que a FIFA e que seus advogados podem suplantar a maior entidade do futebol mundial com base na Constituição do Brasil. No momento parece estar descartada uma negociação com forte movimentação política nas internas da CBF.

O momento é perigosíssimo para o futebol brasileiro e diria que em nível mundial o que está acontecendo aqui está sendo acompanhado com muita atenção pelas raposas da bola.

A FIFA terá de ser muito incisiva para não correr o risco de perder sua autoridade e justamente para duas equipes da quarta divisão do futebol brasileiro.

O direito a defesa é uma ferramenta universal, mas tudo tem limite.


 

 

 

ATENÇÃO – URGENTE – FUTEBOLSC.COM

quinta-feira, maio 24th, 2012

24/05/2012 às 14:20:00

FIFA desfilia Treze e Brasil de Pelotas do futebol profissional

Catarinenses podem ter início nas Série C e D antecipados

SIDNEI BATISTA
@sidnei_batista

Na tarde desta quinta-feira, a FIFA resolveu eliminar o Brasil de Pelotas e Treze das competições geridas pela mesma, por terem ingressado na Justiça Comum.

O comunicado partiu da conferência da entidade máxima que está sendo realizado em Budapeste, na Hungria. O período em que os clubes vão permanecer com a punição ainda não é informado. A CBF deverá fazer um comunicado oficial através de seu site nas próximas horas.

A punição foi devido ao fato do ingresso por parte de Brasil de Pelotas e Treze na Justiça Comum, sendo que no estatuto da FIFA não é permitido ingressar em qualquer área jurídica, posterior as esferas desportivas.

Porém, vale salientar que a FIFA poderá rever a punição caso ambos os clubes desistam de suas ações na justiça comum, causando uma resolução imediata do imbróglio que está adiando as Séries C e D do Brasileirão.

Com isso, a medida adotada pela FIFA poderá facilitar o início das competições nacionais para a Chapecoense, Metropolitano e Marcílio Dias, não descartando novos capítulos nessa longa novela que atinge as Séries C e D.

Série C e D estão paralisadas

quarta-feira, maio 23rd, 2012

Por determinação do STJD, através de uma ação do Santo André de SP as Séries C e D não terão bola rolando neste final de semana.

As demandas judiciais que estão em andamento na justiça comum obrigaram o STJD a acolher a demanda da equipe paulista, e desta forma, enquanto que não estiverem resolvidas estas pendências os certames nacionais da terceira e quarta divisões não terão inicio.

A CBF aguardava o resultado de ações da entidade junto ao STF em Brasília que busca caçar as medidas acolhidas nos Estados de origem das equipes reclamantes, como isso não aconteceu, a manifestação do STJD se tornou obrigatória.

Escalas de arbitragem e calendário de transmissões já estavam definidas, mas o tamanho do problema, que pode desembocar na FIFA, obrigou a maior instância da Justiça Desportiva do Brasil a paralisar duas competições.

O caso é extremamente grave, passível de punições severas por parte da FIFA. Inclusive com desfiliações de clubes e federações.

Um erro jurídico monumental que teve origem no Tribunal de Justiça do RS acabou gerando este problema gigantesco.

Acerta mais uma vez a Justiça Desportiva ao paralisar as competições. O futebol brasileiro não pode correr o risco de receber uma punição máxima, justamente na véspera de uma Copa do Mundo.

É profundamente lamentável este tipo de situação, quando equipes não aceitam resultados de campo ou mesmo resultados jurídicos que demandaram em todas as instâncias derrotas aos reclamantes.

Este rolo todo acontece justamente no ano em que a Série C ganha sua maior visibilidade e investimentos de patrocinadores fortes.

E como ficam agora aqueles que afirmaram que a Série C começaria neste final de semana?

Erros de interpretação

terça-feira, maio 22nd, 2012

Impressionante o desencontro de informações relacionadas ao caso envolvendo o Brasil de Pelotas e todos os entraves causados por um a ação no Tribunal de Justiça do RS e posteriormente uma proposta torta e indecorosa apresentada pela própria justiça comum.

Alguns atribuem que a proposta em dinheiro e uma vaga na Série C de 2013 que seria oferecida para o Brasil de Pelotas partiu da CBF. Trata-se de um erro de interpretação brutal.

A proposta partiu do desembargador que cuida do caso na esfera do TJ do RS. A CBF apenas ouviu a proposta e tratou de buscar reparação na esfera superior da justiça comum, já que ela foi chamada pela mesma para se explicar. Em momento algum a CBF ofereceu qualquer beneficio ao Brasil de Pelotas. Foi à justiça comum que promoveu o encontro e propôs uma indenização ao reclamante, no caso o Brasil de Pelotas, como forma de estancar a ação. Foi uma audiência de conciliação.

Esta proposta de dar ao Brasil de Pelotas uma reparação por perdas e danos, que não existem, beira as raias do absurdo.

Seria o mesmo que o Santo André ser dono de uma casa, tendo ele a conquistado legalmente e posteriormente o Brasil de Pelotas ingressa com uma reclamatória alegando ter sido prejudicado. Mesmo de posse de toda a documentação, uma espécie de escritura pública, que comprova que a casa, ou no caso a vaga, era de propriedade dos paulistas, mesmo assim, a justiça determinasse que o Brasil devesse usufruir do imóvel por um ano, sem custas. A imobiliária, que no caso seria a CBF, teria de ressarcir o Brasil por supostas perdas. O Santo André teria de voltar a morar em imóvel inferior e somente se reconquistasse a possibilidade de voltar em nova disputa teria o direito de residir no imóvel que lhe é de fato e de direito. A imobiliária CBF abriria um precedente para que todos seus clientes descontentes pudessem buscar os mesmos benefícios. Importante dizer que a CBF e todas as esferas da justiça desportiva estão com ampla razão nas suas decisões unanimes em punir o Brasil de Pelotas.

O erro do desembargador foi não ter lido o artigo do regulamente geral das competições que deixa sob a responsabilidade dos clubes a situação legal na contagem de cartões de seus atletas. E para encerrar a lista de esquisitices deste caso o Brasil de Pelotas soltou nota dizendo que não aceita acordo.

Chama a mãe, pois o papai enlouqueceu!

Os fujões

segunda-feira, maio 21st, 2012

Desta vez foi do atacante Juba que resolveu se arrancar de Chapecó, mesmo tendo acertado verbalmente com a Chapecoense e resolveu no meio da conversa avaliar como mais interessante à proposta do Caxias, adversário da Chapecoense na Série C.

Ética no futebol é um tema sempre em voga. Palavra e fio de bigode é artigo de luxo. Enquanto que o contrato não estiver assinado, sempre paira uma dúvida.

No caso de Juba o erro teria sido do seu procurador que o obrigou a trocar de equipe em nome de um salário maior e consequentemente de uma comissão maior.

Certamente o atleta deve ter assinado um contrato com seu procurador que lhe possibilita determinar todos os seus passos.

Não é a primeira vez que isso acontece. E a cada vez que um fato deste tipo vem à tona o nome da Chapecoense aparece de forma muito negativa no noticiário.

Perder atleta para time de Série B e A até se justifica, seja pelo poderio econômico ou pela exposição maior que o atleta vai ganhar, mas perder para time de mesma divisão e ainda concorrente de chave é complicado.

Fica o exemplo positivo de Athos que soube honrar a palavra dada e desta forma se mostrou integro na sua forma de negociar.

Este negócio de jogador de futebol beijar escudo de time, cantar amores pela agremiação e se dizer apaixonado pela entidade é mais falso do que nota de três reais.

O negócio e simples e profissional. Recebe em dia, entra em campo, joga bola e resolve o que tem para ser resolvido e ponto final.

Para Juba a Chapecoense era a grande oportunidade para a sequência da temporada. Bastou um telefonema e uma ordem e tudo mudou.

Reitero que a Chapecoense não pode mais passar por este tipo de vexame de ser desvalorizada publicamente.

O mico cresce e vira um King Kong.

Caso Brasil de Pelotas

Hoje à tarde a Chapecoense havia recebido da agência de viagens que controla os deslocamentos das equipes da Série C que as passagens para São Paulo estavam reservadas. Tomei conhecimento disso às 15 horas.

O Brasil de Pelotas ainda não havia se pronunciado oficialmente sobre a proposta que recebeu para abrir mão da possibilidade de acessar a Série C e desta forma receber um determinado valor em dinheiro e mais uma vaga para a Série C de 2013.

A rádio corredor fervia na CBF na tarde de ontem, segundo informações do correspondente da Rádio Chapecó AM 1330 no Rio de Janeiro, Alex Lourenço, que foi mais além e ouviu o advogado contratado pelo Santo André para ingressar com uma ação no STJD visando paralisar as Série C e D caso seu pleito não venha a ser atendido. Noticia em absoluta primeira mão dada pela Rádio Chapecó hoje no Debate Esportivo.

O sorteio da arbitragem está marcado para esta terça-feira, ou seja, o limite é amanhã.

Este acordo proposto pelo TJ do RS que pretende dar ao Brasil de Pelotas uma vaga na Série C do ano que vem e mais o pagamento de uma indenização é um absurdo.

Dentro do seu tempo

quinta-feira, maio 17th, 2012

Na quarta-feira à noite o Conselho Deliberativo da Chapecoense esteve reunido para tratar de algumas mudanças no estatuto no que se refere ao processo eleitoral da entidade.

É preciso reconhecer que esta preocupação e esta ação específica representam um ganho histórico, pois eleição de diretoria na Chapecoense era assunto para ser tratado sempre em cima da hora e com muita pressão para que algum nome viesse a assumir este compromisso.

As mudanças estavam relacionadas ao tempo de participação para que um conselheiro tenha direito de votar e ser votado.

Agora para ser presidente o conselheiro terá de ter dois anos de casa. Para ser integrante da diretoria um ano. Para votar no mínimo cinco meses. Porém, as mudanças entrarão em vigor apenas para a eleição de 2014.

A intenção era de promover tais mudanças já para o pleito de dezembro, mas por uma questão levantada durante a assembleia se respeitou o tempo jurídico para uma mudança deste porte.

Os conselheiros acertaram ao dar tempo a esta transição, demonstrando amadurecimento e valorizando as regras internas da instituição.

Já havia escrito aqui mesmo neste espaço que a medida era válida, mas as regras do jogo não podem ser modificadas com ele em andamento.

As presenças do presidente Sandro Pallaoro e do empresários Izair Gambatto na assembleia geral deram o tom exato da importância do evento e já encaminha um panorama que será vivido em dezembro, quando poderemos ter um eleição com duas chapas, a não ser que uma das alas avalie que uma vitória poderia ser inviabilizada pelo posicionamento dos conselheiros.

Tudo dentro da normalidade e com alto grau de maturidade. Não poderia esperar outra postura de um Conselho Deliberativo formado por pessoas inteligentes e com alto grau de comprometimento com a entidade.

O evento foi realizado na sede da Associação Comercial e Industrial de Chapecó o que reforçou o teor de importância da iniciativa.

Ficou devendo

A Chapecoense tem hoje cerca de 200 conselheiros cadastrados no órgão interno. Destes, cerca de 150 estão em dia com sua contribuição, fator preponderante para ter direito de voto.

Na assembleia geral de quarta-feira apenas 29 estiveram presentes. A presença deixou a desejar, mas o nível do debate foi satisfatório.

Já escrevi aqui mesmo que não da mais para ficar em cima do muro. Os conselheiros terão de começar a tomar posição no que se refere às eleições da Chapecoense. Ficará uma imagem muito negativa e de falta de união se no momento da eleição tivermos uma participação magra como esta de quarta-feira.

Entendo que não é um exercício fácil tomar posição quando a maioria quer ver uma chapa de consenso, mas hoje a realidade é de disputa interna.

Gilson Vivian, presidente do Conselho Deliberativo, terá de animar o grupo para participar do processo, e tenho certeza de que conseguirá, pois é um aglutinador nato.

Oposição, ter ou não ter

quarta-feira, maio 16th, 2012

Oposição inteligente e concorrência aguçada e competente obrigam aquele que está no poder ou no topo a se mexer, inovar, inquieta o dia e não deixa espaço para a monotonia.

Algumas cidades optam pelo consenso na administração pública como forma buscar a união de seus munícipes. Na verdade, atrás desta estratégia, existe apenas o sentimento de eliminar oposicionistas e desta forma governar sem cobranças e uma fiscalização maior.

Em clubes de futebol funciona da mesma forma. Alguns clubes controlam hoje orçamentos maiores do que muitos municípios pequenos e médios espalhados pelo Brasil.

O futebol se transformou em um mega negócio.

Abre portas, estreita relacionamentos e possibilita conhecer um mercado em expansão.

Dentro dos clubes de futebol de grande porte existem várias alas, organizadas de tal forma que mantém seus integrantes permanentemente informados através de sites e outros veículos de comunicação.

Dentro dos clubes organizados a oposição trabalha forte e sempre de forma aberta e muita clara, deixando sempre a vista suas intenções e seus planos.

O que não pode existir é oposição burra e sistemática. Aquele tipo de oposição que não vê nada certo, que critica por criticar, com denúncias vazias e sem consistência.

Oposição inteligente e concorrência leal são extremamente saudáveis para o processo evolutivo.

Vejo com bons olhos os movimentos que se organizam para cobrar uma nova postura ou mesmo apresentar uma proposta inovadora. Quem julga é o eleitor seja ele em que âmbito for.

Reclamar da existência da oposição é um sintoma de que a presença da mesma preocupa. O melhor remédio é criar situações positivas para que esta oposição enfraqueça, para que o concorrente não alcance seus passos.

O dispositivo democrático da escolha livre é uma ferramenta que deve ser protegida a todo o custo, valorizada ao extremo e acima de tudo saber respeitar o resultado da escolha feita.

Ninguém é tão bom que não possa ser julgado ou mesmo deposto do poder. Ninguém é tão bom que um dia não possa perder a coroa.

Encarar os julgamentos do processo democrático e livre é para os fortes. Neste terreno os fracos não se criam.

Um passo a frente

A Chapecoense tem hoje um Conselho Deliberativo formado e atuando. Foi um passo e tanto na direção da organização da entidade.

Agora é preciso dar mais um passo importante. Dar ao sócio torcedor o direito ao voto, o poder de contribuir na escolha do presidente da Chapecoense.

Este passo representaria a verdadeira valorização deste contingente de mais de cinco mil associados que hoje formam este quadro.

Este passo representará um amadurecimento importante para a entidade. Bons exemplos estão aí e podem ser adaptados a realidade local.

Envolver verdadeiramente o sócio torcedor no dia a dia da Chapecoense é um caminho sem volta. Passa por esta estrada o engrandecimento da entidade.

Com a palavra o Conselho Deliberativo da Chapecoense.

 

Mudanças no estatuto

terça-feira, maio 15th, 2012

Recebi um retorno do presidente do Conselho Deliberativo da Chapecoense, Gilson Vivian, referente às mudanças no estatuto da Chapecoense que serão levadas a efeito, ou não, na assembleia do dia 16 de maio, conforme convocação que está sendo publicada.

A principal mudança a ser proposta é a exigência de que o conselheiro que desejar ser presidente da Chapecoense terá de ter no mínimo dois anos na função. Para ser integrante da diretoria o prazo proposto é de um ano.

Para que um novo conselheiro tenha direito a voto ele deverá ter no mínimo cinco meses de conselho, ou seja, quem ingressar agora terá condições de votar, mas não de ser votado.

No que se relaciona a remuneração ao presidente, assunto que vem ganhando espaço nas discussões internas, Gilson Vivian foi categórico ao afirmar que este assunto não estará na pauta da próxima assembleia. Ele mesmo disse que chegou a ser favorável à remuneração do presidente da Chapecoense, mas que após analisar melhor e comparar a Chapecoense com a estrutura da Associação Comercial de Chapecó, mudou de opinião. Segundo Vivian, devem ser remunerados os integrantes das gerências específicas que executam as tarefas designadas pela diretoria.

A intenção do conselho é proteger a Chapecoense de aventureiros que poderiam se infiltrar na entidade e desta forma fazer dela uma fonte de renda. Palavras do presidente do Conselho Deliberativo.

As mudanças propostas não tem relação com a montagem de esquemas que poderiam beneficiar a atual diretoria para a busca de uma reeleição, prejudicando desta forma o grupo oposicionista. Toco neste ponto porque ouvi muitas versões e teses relacionadas à possibilidade de criação de manobras para beneficiar a situação. Bobagem.

Gilson Vivian disse que não vai concorrer a reeleição para a presidência do Conselho Deliberativo da Chapecoense. Seguirá apenas como conselheiro, pois outras atividades estão lhe tomando muito tempo.

Agradeço ao empresário Gilson Vivian pela leitura diária da coluna e pelo retorno, sempre de forma muito educada.