Dentro do seu tempo

Na quarta-feira à noite o Conselho Deliberativo da Chapecoense esteve reunido para tratar de algumas mudanças no estatuto no que se refere ao processo eleitoral da entidade.

É preciso reconhecer que esta preocupação e esta ação específica representam um ganho histórico, pois eleição de diretoria na Chapecoense era assunto para ser tratado sempre em cima da hora e com muita pressão para que algum nome viesse a assumir este compromisso.

As mudanças estavam relacionadas ao tempo de participação para que um conselheiro tenha direito de votar e ser votado.

Agora para ser presidente o conselheiro terá de ter dois anos de casa. Para ser integrante da diretoria um ano. Para votar no mínimo cinco meses. Porém, as mudanças entrarão em vigor apenas para a eleição de 2014.

A intenção era de promover tais mudanças já para o pleito de dezembro, mas por uma questão levantada durante a assembleia se respeitou o tempo jurídico para uma mudança deste porte.

Os conselheiros acertaram ao dar tempo a esta transição, demonstrando amadurecimento e valorizando as regras internas da instituição.

Já havia escrito aqui mesmo neste espaço que a medida era válida, mas as regras do jogo não podem ser modificadas com ele em andamento.

As presenças do presidente Sandro Pallaoro e do empresários Izair Gambatto na assembleia geral deram o tom exato da importância do evento e já encaminha um panorama que será vivido em dezembro, quando poderemos ter um eleição com duas chapas, a não ser que uma das alas avalie que uma vitória poderia ser inviabilizada pelo posicionamento dos conselheiros.

Tudo dentro da normalidade e com alto grau de maturidade. Não poderia esperar outra postura de um Conselho Deliberativo formado por pessoas inteligentes e com alto grau de comprometimento com a entidade.

O evento foi realizado na sede da Associação Comercial e Industrial de Chapecó o que reforçou o teor de importância da iniciativa.

Ficou devendo

A Chapecoense tem hoje cerca de 200 conselheiros cadastrados no órgão interno. Destes, cerca de 150 estão em dia com sua contribuição, fator preponderante para ter direito de voto.

Na assembleia geral de quarta-feira apenas 29 estiveram presentes. A presença deixou a desejar, mas o nível do debate foi satisfatório.

Já escrevi aqui mesmo que não da mais para ficar em cima do muro. Os conselheiros terão de começar a tomar posição no que se refere às eleições da Chapecoense. Ficará uma imagem muito negativa e de falta de união se no momento da eleição tivermos uma participação magra como esta de quarta-feira.

Entendo que não é um exercício fácil tomar posição quando a maioria quer ver uma chapa de consenso, mas hoje a realidade é de disputa interna.

Gilson Vivian, presidente do Conselho Deliberativo, terá de animar o grupo para participar do processo, e tenho certeza de que conseguirá, pois é um aglutinador nato.

3 comentarios para “Dentro do seu tempo”

  1. Fabricio disse:

    Fico meio indignado quando vejo esta situação. Não há um grupo de oposição, apenas um empresário que ficou magoado com a atual gestão. Se houve pouca adesão a reunião para alterações no estatuto, ficou claro que os conselheiros ausentes concordavam com as decisões que seriam tomadas. Caso contrário, estariam presentes, reinvidicando, contestando as decisões propostas pela diretoria. Deixem o Sandro, o Maninho, o Davi e cia ltda seguirem o ótimo trabalho que estão fazendo. Chega de cornetas!

  2. fernando disse:

    Caro Fabrício. Respeito sua opinião, mas quando escrevo aqui que existe um grupo de oposição é porque ele existe. O Gambatto representa sim uma ala dos conselheiros que ingressaram a seu convite quando ele colaborava com a atual diretoria.
    A pouca adesão dos conselheiros se deu pelo fato de muitos alegaram que não ficaram sabendo da mesma.
    Gostar ou não do Gambatto é uma situação, mas deixar de reconhecer que existe oposição a atual diretoria é não querer enxergar.
    Um abraço e bom final de semana.

  3. Roberto disse:

    Concordo.. oposição existe mesmo, e até que me provem ao contrário, é daquelas com raciocínio idêntico a que existe na política… daquelas que colocam em primeiro lugar os intereses próprios, daquelas que torcem contra o time pra colocar a culpa na atual diretoria, daquelas que emprestam campo pro adversário… é sim, daquelas… uma pena que é essa oposição que vai estar a frente do nosso querido verdão na próxima temporada… uma pena. Mas exixte uma esperança, assim como uma Dilma e um PT conseguem manter o Brasil crescendo, por que não uma “oposição” dessa laia não pode manter o Verdão em ascenção?

Deixe um comentario