Erros de interpretação

Impressionante o desencontro de informações relacionadas ao caso envolvendo o Brasil de Pelotas e todos os entraves causados por um a ação no Tribunal de Justiça do RS e posteriormente uma proposta torta e indecorosa apresentada pela própria justiça comum.

Alguns atribuem que a proposta em dinheiro e uma vaga na Série C de 2013 que seria oferecida para o Brasil de Pelotas partiu da CBF. Trata-se de um erro de interpretação brutal.

A proposta partiu do desembargador que cuida do caso na esfera do TJ do RS. A CBF apenas ouviu a proposta e tratou de buscar reparação na esfera superior da justiça comum, já que ela foi chamada pela mesma para se explicar. Em momento algum a CBF ofereceu qualquer beneficio ao Brasil de Pelotas. Foi à justiça comum que promoveu o encontro e propôs uma indenização ao reclamante, no caso o Brasil de Pelotas, como forma de estancar a ação. Foi uma audiência de conciliação.

Esta proposta de dar ao Brasil de Pelotas uma reparação por perdas e danos, que não existem, beira as raias do absurdo.

Seria o mesmo que o Santo André ser dono de uma casa, tendo ele a conquistado legalmente e posteriormente o Brasil de Pelotas ingressa com uma reclamatória alegando ter sido prejudicado. Mesmo de posse de toda a documentação, uma espécie de escritura pública, que comprova que a casa, ou no caso a vaga, era de propriedade dos paulistas, mesmo assim, a justiça determinasse que o Brasil devesse usufruir do imóvel por um ano, sem custas. A imobiliária, que no caso seria a CBF, teria de ressarcir o Brasil por supostas perdas. O Santo André teria de voltar a morar em imóvel inferior e somente se reconquistasse a possibilidade de voltar em nova disputa teria o direito de residir no imóvel que lhe é de fato e de direito. A imobiliária CBF abriria um precedente para que todos seus clientes descontentes pudessem buscar os mesmos benefícios. Importante dizer que a CBF e todas as esferas da justiça desportiva estão com ampla razão nas suas decisões unanimes em punir o Brasil de Pelotas.

O erro do desembargador foi não ter lido o artigo do regulamente geral das competições que deixa sob a responsabilidade dos clubes a situação legal na contagem de cartões de seus atletas. E para encerrar a lista de esquisitices deste caso o Brasil de Pelotas soltou nota dizendo que não aceita acordo.

Chama a mãe, pois o papai enlouqueceu!

5 comentarios para “Erros de interpretação”

  1. silvio sz disse:

    Esse silencio da CBF é positivo.
    A CBF nao vai quere bater boca com um clube de futebol, principalmente se tratando de Brasil de Pelotas, que ninguem sabe, ninguem viu.
    Perdeu em todas as instancias desportivas e foi se socorrer na justica comum do RS.
    Pode ser até que retarde por mais uma semana o inicio da serie C, mas a CBF vai agir com rigor c om o brasil de pelotas, se Deus quiser.

  2. luciano lyra disse:

    olha o brasil de pelotas está certo o santo andre so entrou com o processo contra o brasil qndo viu que ia cair, e a cbf nao informou ao brasil qnto a suspensao do jg nao tinha em lugar algum com o clube ia saber disso? chega de ajudar times de sao paulo e rio gnte o futebol é feito no brasil todo e nao so la. a cbf deveria sim pagar uma multa ao brasil e assegurar sua vaga na serie c ano que vem isto sim seria o correto.

  3. vanderlei disse:

    o negocio e a cbf cumprir o que manda fifa , clubes que entram na justiça comum devem ser defiliados , dai vao para com isso e cair na real ,se foi comprovado que o jogador jogou suspenso , tao reclamando o que , so por deus mesmo

  4. Marcelo Xavante disse:

    Fernado Doesse

    Informe-se meu amigo.

    É por isso que esses blogs nunca tem respeito ou não são levados a serio.
    Só passam informações erradas.

Deixe um comentario