Derrota em jogo fraco

Tupi/MG 1×0 Chapecoense

Que prazer foi conhecer a linda cidade de Juiz de Fora e seu Estádio Radialista Mário Helênio.O povo mineiro é espetacularmente receptivo, de uma educação, de uma fidalguia digna de nota.

Este foi o quinto jogo da Chapecoense em solo mineiro.

Quatro derrotas e um empate, este que gerou desclassificação e perda de vaga para a Série B, ou seja, frente aos clubes de Minas Gerais, a Chapecoense, apresenta um desempenho terrível! Em Juiz de Fora não foi diferente.

A derrota por 1×0 foi injusta. Daí você pergunta. Se o desempenho da Chapecoense foi ruim, como pode ter perdido? O caso é que o Tupi achou um belo gol com o camisa 10, Hugo, o melhor em campo, mas o Tupi não é um dos possíveis rebaixados por acaso. O Tupi é muito limitado.

A Chapecoense teve dois momentos para empatar e até virar, com os zagueiros Leonardo e Fabiano, mas parou nas mãos do goleiro Rodrigo que construiu duas defesas espetaculares.

O primeiro tempo foi de boa movimentação, com mais ímpeto, mais vontade, já a segunda etapa foi um jogo horroroso.

A Chapecoense esteve mal arrumada dentro de campo. Por várias vezes o que vimos foi uma equipe com a posse de bola para sair jogando e os zagueiros ficavam trocando passes no campo defensivo e sem opção de tocar a bola de forma mais próxima e com isso se obrigavam a fazer da ligação direta a opção única para ligar o ataque. Pelo resultado é fácil definir que não funcionou.

A Chapecoense perdeu e mesmo assim está líder. Mostra que aquilo que foi construído antes está fazendo a diferença.

Não foi um bom jogo. Na verdade foi um jogo sofrível. Venceu o Tupi porque achou um gol. O jogo, por ter sido tão ruim, merecia apenas um clássico 0×0, marca indelével dos jogos sem nenhuma empolgação.

Os atacantes

Três atacantes da Chapecoense atuaram na tarde bonita de sábado na acolhedora cidade de Juiz de Fora em Minas Gerais,

Itamar Schulle seguiu na insistência com a formação de ataque com os ineficientes Jô e Lê. Nada aconteceu.

Entrou Thurram no lugar de Jô. Nada novamente.

A Chapecoense precisa urgentemente dar condições de jogo para Rodrigo Gral. Somente ele, neste momento, pode mudar o quadro de ineficiência da Chapecoense no ataque que é um absoluto nada. As oportunidades no jogo de sábado foram construídas mais uma vez por zagueiros.

Do jeito que está não é mais possível seguir em frente.

Um atacante como Lê, que em nove rodadas não marcou um gol sequer, não pode seguir jogando como titular.

Liberar Rodrigo Gral para o jogo de domingo contra o Santo André é uma obrigação para a diretoria.

2 comentarios para “Derrota em jogo fraco”

  1. vanderlei disse:

    tbm com esse atacque nosso de nervos fica dificil ganhar , nao sei como estamos liderando se o ataque nao dezencanta , ta brabo , quando ganha e no aperto , saldo de gols entao e um fracasso , nao sei nao se nao vamos morer na praia de novo ,,,,

  2. Thiago disse:

    Além de liberar o Rodrigo Gral, esta na hora de jogador de Posição X atuar na posição X e não ficar improvisando meio-campo na lateral…

    Coloca o Galiardo na Direita e deixa o Eliomar jogar no meio ao lado do Athos…

    E por favor, chega de Lê Lê Lê…

Deixe um comentario