Arquivo para maio, 2013

Quem não faz leva

quarta-feira, maio 29th, 2013

Chapecoense 1×1 Oeste.

O primeiro tempo foi de total superioridade por parte da Chapecoense. Ela amassou o Oeste. Três bolas na trave e um gol de pênalti. Foi um massacre.

Veio o segundo tempo e com ele uma mudança de propostas. A Chapecoense se fechou e tentou administrar o resultado, já o Oeste foi mais atrevido e Roberto Cavalo colocou seu time para cima e buscou o empate, com coragem e mais arrojo.

O Oeste teve dois arremates ao gol e em um deles fez um lindo gol com Fernandes.

Não gostei da atuação do técnico Gilmar Dal Pozzo. Foi bem no primeiro tempo, mas muito mal na segunda etapa. Substituiu mal, principalmente quando optou por Dieguinho, que pouco fez. Outro que entrou mal foi Soares. Gilmar optou por tirar Fabinho Alves e errou tremendamente.

Na verdade Roberto Cavalo foi muito mais técnico na segunda etapa. Gilmar Dal Pozzo voltou aos seus piores dias na etapa final e se mostrou pouco arrojado. Debito na conta do nosso técnico os dois pontos perdidos em Erechim.

Como explicar uma atuação de gala na primeira etapa e outra abaixo da média na etapa final? Cansaço? Não creio.

Houve sim uma mudança de proposta de jogo e ela foi muito equivocada.

É preciso reconhecer. O campeonato é longo e deste empate é preciso retirar ensinamentos.

Foto – Diego Carvalho/Aguante Comunicação/Chapecoense. 

O jogo de Erechim

domingo, maio 26th, 2013

O Estádio Colosso da Lagoa em Erechim será palco do jogo de terça-feira, 21:50, pela Série B do Campeonato Brasileiro.

O adversário será o Oeste de Itápolis/SP, que subiu com a Chapecoense na temporada passada.

Nas suas estreias na Série B, rendimentos bem distintos. Enquanto a Chapecoense goleou o Boa Esporte em Varginha por 4×1, o Oeste em Itápolis apenas empatou em casa com o Avaí, em 1×1, e aos 48 da segunda etapa, com surpreendente gol de goleiro.

O jogo será realizado em Erechim devido à perda de mando de campo por parte da Chapecoense, quando do episódio do sinalizador. O prejuízo se estabelece, ao passo que após uma bela estreia fora de casa à presença de público na Arena Condá certamente seria representativa.

Mas vamos lá! Fica o ensinamento e o exemplo daquilo que não deve ser repetido. O Palmeiras levou cinco jogos de gancho devido à invasão de campo quando da sua queda para a Série B. A paixão tem limites.

Quanto ao jogo, acredito que será mais complicado do que o de Varginha. O Boa Esporte está sem entrosamento, com uma média de idade alta e com preparação física deficitária. Não acredito que o Oeste estaja neste patamar baixo. Creio estar mais bem preparado.

O jogo em Erechim, no Colosso da Lagoa, tira o fator local, tira a força da Arena, mas é uma novidade apenas para o Oeste, fator que pode sim colaborar.

A curiosidade é que a Chapecoense pegou e pega nos dois primeiros jogos, adversários que já cruzaram seu caminho.

Analises e possibilidades

domingo, maio 26th, 2013

É inevitável, já após a primeira rodada da Série B, que uma gama intensa de analises aborde sobre as possibilidades de quem sobe e quem desce.

Quase todos acreditam que o Palmeiras é um dos que sobe. Pelo nome sim, pelo futebol ainda não. Mas deve subir sim.

Restam três vagas. Aparecem agora muito mais pelo nome do que pelo futebol, já que a analise é muita rasa. Nomes como Avaí e Figueirense, Ceará, Paysandu, Sport do Recife, Atlético Goianiense, ABC de Natal, Paraná e América Mineiro. São nove para três vagas. Alguns já apontam a Chapecoense e o Joinville como postulantes a uma corrida por fora. Pode ser.

Para a Chapecoense o primeiro projeto é não cair, ganhar experiência, conviver com todas as novidades e adequar seu planejamento a uma competição longa e desgastante.

O rebaixamento não pode ser descartado, assim como o acesso para a Série A também. Tudo pode acontecer neste universo da Série B. As equipes se equivalem muito.

Vai contar muito a qualidade da preparação física dos elencos, as peças de reposição e a qualidade das mesmas, pois não é suficiente possuir um elenco com 11 ou 15 bons nomes, se o restante não acompanhar, fica complicado. O campeonato é muito longo, virão às lesões e as suspensões.

São nada mais, nada menos, do que 38 jogos em sequencia, seis na primeira perna e depois 32, um atrás do outro. O nível de exigência é enorme.

Uma estreia de luxo

sábado, maio 25th, 2013

Boa Esporte 1×4 Chapecoense

Foi de lavar a alma de todos. Uma estreia maravilhosa da Chapecoense, jogando um dos melhores jogos da temporada, mostrando que o abatimento pela perda do titulo estadual já passou batido.

Duas estreias perfeitas. Alan e Augusto jogaram demais e mostraram que foram acertadas as contratações.

O time jogou coeso e em bloco, foi efetivo ao extremo e quando pode marcar, marcou.

Não deu chance de o adversário respirar. Fez um gol na primeira etapa. Voltou para o segundo tempo e já aos oito minutos já estava 3×0. E veio o quarto gol. Só depois e de impedimento o Boa descontou.

Foi um passeio, foi um atropelamento.

Athos entrou mais uma vez muito bem no jogo e sou aproveitar mais uma chance do técnico. E ele falou sobre isso ao final do jogo.

O começo empolga, mas deve ser tratado com muita sabedoria e sem muita festa. O campeonato é longo e o elenco sabe disso e fez questão de enaltecer.

Ficou evidente a vantagem da Chapecoense em ter mantido o elenco do Campeonato Catarinense e ainda ter incorporado bons nomes. Enquanto isso, O Boa Esporte se desmontou e começou quase do zero.

O planejamento se mostra correto, mas acima de tudo ficou evidente que a Chapecoense tem um grupo de personalidade e maduro. Começamos muito bem.

O assessor fica

quarta-feira, maio 22nd, 2013

A diretoria da Chapecoense optou por manter no cargo o assessor de imprensa, Diego Carvalho. O fato é que houve no domingo da decisão mais desentendimentos envolvendo o profissional e colegas de imprensa. Em um dos episódios eu mesmo estive envolvido.

No domingo um diretor disse que ele estava fora. O mesmo diretor informou ontem que “foi dada uma nova chance e que a cartilha agora é a da educação”.

Agora a cartilha é a da educação? Antes não era preciso?

Desde sua chegada, Diego Carvalho, tem colecionado desafetos, com base na sua forma rude de tratar colegas de imprensa. A cada dia uma nova reclamação. Reconheço que Diego Carvalho é trabalhador, conhece a área de atuação, melhorou em muito a qualidade do trabalho entregue a imprensa, mas na forma de se relacionar ele está completamente equivocado.

Tomara tenhamos o estabelecimento de uma nova fase. Tomara possamos conviver harmoniosamente.

A diretoria deu seu recado ao apoiar o assessor de imprensa. Se ele fica é porque está fazendo o correto e quem está errando são os cronistas esportivos.

Semânticas a parte, a vida segue. Na verdade, tem gente na Chapecoense que apenas faz de conta que respeita a imprensa. A vida é assim mesmo.

Boa sorte, Diego Carvalho.

Top da Bola

terça-feira, maio 21st, 2013

Os cronistas esportivos de SC escolheram mais uma vez os destaques do Campeonato Catarinense.

Impossível não haver distorções. Normal em qualquer escolha de quem é o melhor, pois as opiniões divergem, jamais teremos unanimidade de pensamentos. É assim mesmo, mas a promoção é válida e engrandece nosso futebol.

O craque do campeonato, por exemplo. Marquinhos do Avaí foi o escolhido, tendo Lins do Criciúma em segundo e Rafael Costa do Metropolitano em terceiro.

Entre os três, Lins foi o melhor. Nivaldo ficou atrás de Bruno, o goleiro campeão. Se Nivaldo foi o menos vazado, deveria ser ele o primeiro.

Como treinador, Vadão ganhou. Correto, pois foi o campeão, tendo Dal Pozzo em segundo e Adilson Batista em terceiro. Sem retoques.

Na arbitragem colocaria em primeiro lugar Paulo Henrique de Godoy Bezerra. Ganhou Heber Roberto Lopes, como esperado.

Na meia cancha deveriam aparecer Ivo e Neném, mas O “craque” Marquinhos tirou o lugar do bom jogador do Criciúma.

Na preparação física Anderson paixão deu um banho e levou o troféu.

Bruno do Criciúma foi à revelação, merecidamente. E Antenor Angeloni o melhor dirigente. Foi o campeão e merece o destaque pelo que fez e está fazendo no Tigre.

Festa bonita. A Chapecoense levantou 14 troféus, coroando uma linda campanha.

Perdeu lutando

domingo, maio 19th, 2013

Chapecoense 1×0 Criciúma.

Criciúma campeão catarinense, merecidamente, pois soube segurar a Chapecoense, na base da personalidade e da aplicação e com defesas monumentais do goleiro Bruno, do Tigre.

O torcedor da Chapecoense está triste, mas soube reconhecer a valentia do time e o aplaudiu ao final da jornada.

A Chapecoense perde seu primeiro título em casa e este sentimento inédito se mostra realmente dolorido.

Gilmar Dal Pozzo foi corajoso, colocou o time pra cima, dominou o jogo inteiro e fez a sua parte.

O Criciúma construiu uma vantagem importante em casa e soube controlar o jogo fora, de tal forma, que a Chapecoense não conseguiu fazer o segundo gol.

Existem derrotas e derrotas. Esta da Chapecoense é uma derrota que veio com luta e por isso o torcedor soube reconhecer a aplicação dos atletas.

Agora vem ai, já ao final da semana, a estreia da Chapecoense na Série B e a volta do Criciúma na Série A. Duas equipes com calendário completo.

A torcida seguirá abraçando o time, eu tenho certeza. A chegada a Serie B é de grande importância e é preciso  estar ao lado em toda a jornada, longa e desgastante.

Parabéns ao Criciúma pela conquista. Foi merecida e sem retoques.

 

O último ato

sexta-feira, maio 17th, 2013

Domingo, 16 horas, Arena Condá, Chapecó, Chapecoense e Criciúma se encontram para a apresentação do último ato do Campeonato Catarinense 2013.

Como tudo, nesta vida de correrias, este campeonato passou muito rápido.

Os dois melhores, o vencedor do turno contra o vencedor do returno, que mesmo assim tiveram de passar por uma semifinal em que estavam as duas equipes da Capital, são os finalistas.

Uma semana intensa para os dois postulantes ao título de melhor da temporada estadual. A Chapecoense somente se preparando e o Criciúma jogando a Copa do Brasil e despachando mais um.

O foco agora se volta para o jogo deste domingo.

A vantagem do Criciúma existe, está sendo considerada, mas não é exatamente do tamanho que alguns acreditam ser.

A Chapecoense, apesar de estar atrás no marcador, joga em casa e com apoio incondicional do seu torcedor.

O que era para ser feito, foi feito. O que era para ser analisado, foi analisado. Agora é dentro de com os atletas.

Tenho muita curiosidade em saber sobre a postura das equipes em campo, como elas começarão o jogo. Acredito que o Criciúma não mude sua forma de jogar, já a Chapecoense, tenho comigo que vem surpresa por aí.

Com os treinos fechados, resta apenas tentar imaginar o que pode ser feito.

Vai dar certo

quarta-feira, maio 15th, 2013

Impressionante a convicção que toma conta dos torcedores da Chapecoense, sobre à virada de jogo que teremos em Chapecó na tarde do próximo domingo e que teremos sim a quinta estrela na camisa do Verdão.

Não é uma falsa expectativa. É um sentimento verdadeiro.

E eu vou junto nessa trilha. Tem algo de muito forte no ar que traz com ele uma certeza de que a Chapecoense vai sim realizar seu melhor jogo do ano e que vai suplantar este grande adversário que é o Criciúma e desta forma teremos uma conquista épica!

Quando a cidade assume seu papel, quando ela abraça seu time, cria-se um ambiente muito positivo que mexe com o elenco de tal forma que a vitória vem mesmo.

Gilmar Dal Pozzo tem estrela, isso não se pode negar.

Vejo o elenco da Chapecoense extremamente identificado com o projeto e com a capacidade de aprender com os erros.

As manifestações são fortes e encontram eco, seja em redes sociais ou em iniciativas que envolvem a indústria e o comércio.

Chapecó se veste de verde e branco e está ansiosa na espera do grande jogo.

Criciúma fez sua parte, mas agora é a nossa vez e o ato final desta história é aqui, na terra dos desbravadores.

É com esta força que a Chapecoense vai pra cima do bom Criciúma. Já passamos por cima de situações muito mais complicadas. Nós acreditamos!

“Temos de fazer o melhor jogo dos 40 anos”

terça-feira, maio 14th, 2013

Foi com esta frase que Gilmar Dal Pozzo (foto) abriu a  entrevista coletiva de hoje na Arena Condá.

Falou até na possibilidade de iniciar o jogo com três homens de ataque, mas esta formação ainda está sendo avaliada.

O dilema é não levar gol, fazer o primeiro e depois resolver a equação realizando ao menos mais um para levar a decisão para os pênaltis.

Gilmar Dal Pozzo falou em jogo excepcional e de ampla superação, ou seja, o nível de exigência está no pico máximo.

E se a decisão for para a cobrança de pênaltis, ele pode trocar o goleiro? Fiz a pergunta, no sentido de que Nivaldo nunca foi um grande pegador de pênaltis. Gilmar Dal Pozzo ficou surpreso com a pergunta, pois segundo ele não possui um levantamento de aproveitamento deste fundamento nos treinos. Disse que vai observar o rendimento e não afastou a possibilidade de uma troca ao final do jogo, caso a decisão se encaminhe para tal. Achou tão interessante a observação, que ao final da entrevista voltou para conversar mais sobre o tema.

Entrevista tranquila, sem sobressaltos, sem maiores cobranças, focada realmente naquilo que interessa que é a decisão.

A frase de inicio da entrevista coletiva deixa claro de que forma a Chapecoense vai encarar este jogo.

A Chapecoense vai pra cima, buscando encurtar a vantagem imediatamente, somente depois, com equilíbrio, buscará a definição.