Ligado e desligado

A preocupação relacionada à possível perda de algum jogador da Chapecoense para outros clubes e mesmo um assédio sobre o técnico Gilmar Dal Pozzo é real e está sendo comentada pelos torcedores.

A campanha exuberante da Chapecoense eleva alguns nomes a um patamar de destaque, o que é absolutamente natural. Preço a ser pago pelo bom trabalho executado.

Na entrevista coletiva após a vitória de 3×2 da Chapecoense sobre o Paysandu, em um jogo para não ser esquecido, Gilmar Dal Pozzo disse que vai sair para a folga e a primeira providência será desligar o celular, em uma alusão clara de que até pode receber convites, mas que pretende mesmo é ficar.

Já o goleador da Série B. Bruno Rangel (foto), perguntado sobre o celular, se ele ficaria ligado ou desligado, disse que vai deixar ele ligado sim, e se receber alguma proposta, vai avaliar com seu procurador.

Se Bruno Rangel disse isso é porque já teve alguma sondagem. Tudo dentro da normalidade do mercado que já está aquecido.

Agora é uma questão de avaliação, tanto da Chapecoense quanto dos profissionais.

Vale a pena sair da Chapecoense para outro clube? Qual é o clube? Qual é a proposta? Eles pagarão em dia como paga a Chapecoense? Perguntas que buscam respostas.

Deixe um comentario