Arquivo para agosto, 2013

Uma prova de fogo

sexta-feira, agosto 16th, 2013

Chapecoense x Paraná Clube, na tarde deste sábado, tem tudo para ser um daqueles jogos complicados, de muita exigência e de nervos a flor da pela.

O tradicional Paraná tem uma bela equipe, formada por jogadores de muita experiência e um jovem técnico, com uma visão moderna de futebol e que tem tudo para pavimentar uma bela estrada na sua carreira.

A tendência é de um jogo mais aberto, ao estilo daquele contra o Sport na Ilha do Retiro, com muita posse de bola de lado a lado, com muito tempo de bola rolando e com as duas equipes rondando a área do adversário o tempo todo.

Será, com certeza, um jogo muito diferente daquele contra o Guaratinguetá, que teve o adversário a maior parte do tempo atrás da linha da bola, tornando o jogo chato e cansativo, sem muita qualidade.

A frase da semana é: “Este é um jogo de seis pontos”. E realmente é. Por ser um jogo contra um adversário direto ao G4, por ser em Chapecó, a obrigação é toda da Chapecoense na busca de uma vitória.

Será este, com certeza, o jogo mais complicado da temporada.

A crise financeira por que passa o Paraná Clube fica do lado de fora do campo. Dentro dele veremos uma equipe que sabe atacar, pois tem peças neste setor de muita qualificação, mas também é uma equipe que sabe se defender com qualidade.

Chegou a hora da verdade. Teremos hoje um grande jogo.

 

Um grupo que se acerta

quinta-feira, agosto 15th, 2013

Para que uma equipe de futebol consiga alcançar seus objetivos a coletividade deve ser preservada na base da amizade e do bom senso.

Na Chapecoense, dois exemplos devem ser valorizados, pois representam exatamente este sentimento de time, de coletivo.

O volante Augusto declarou nesta semana que não se incomoda em ser substituído no intervalo dos jogos e reconhece que as determinações de Gilmar Dal Pozzo estão corretas, ao passo que em duas oportunidades, Danilinho, entrou em seu lugar e fez dois gols de falta.

Mostra-se feliz e motivado, mesmo não sendo aproveitado durante todo o jogo.

Outro bom exemplo de grupo é Soares. Atacante que já passou por grandes equipes, como o Grêmio, poderia querer bancar uma situação de titular, mesmo porque quando entra se mostra decisivo. Mas não. Joga quando pode e mesmo assim deixa pública a sua felicidade em estar na Chapecoense e rasga elogios aos colegas. Aos poucos retoma sua carreira e está sabendo aproveitar cada minuto dos poucos em que é solicitado a desempenhar sua função com rara qualidade.

É assim que se monta uma equipe vencedora. Espaços e limites são respeitados e todos vibram em uma mesma nota. Parabéns aos dois.

 

A crise paranista

quinta-feira, agosto 15th, 2013

O Paraná Clube vive uma crise financeira que desencadeou uma cobrança pública diferente do inteligente técnico Dado Cavalcanti.

Após vencer o Boa Esporte o técnico utilizou a coletiva de imprensa para tornar público que os salários estão atrasados e que os atletas tem feito arrecadações de dinheiro para ajudar os funcionários mais humildes para que não passem por necessidades ainda maiores.

Não é a primeira vez que isso acontece com o Paraná Clube. O presidente do clube fez eco ao que falou o treinador, na intenção de sensibilizar os torcedores para que apoiem de forma efetiva a entidade e para que empresários paranistas invistam e façam com que o Paraná Clube possa driblar esta crise que tem a tendência de se agravar ainda mais.

Pareceu até uma jogada ensaiada. A verdade é que o time está correspondendo dentro de campo. Os jogadores e a comissão técnica estão fazendo sua parte, mas a diretoria está de mãos amarradas, pois sequer conseguiu um patrocinador máster para a camiseta.

Mesmo sendo uma equipe de uma capital importante e rica como Curitiba, o Paraná Clube enfrenta as fortes concorrências de Atlético e Coritiba, clubes de maior torcida e que tem aos seus lados os maiores investidores.

Até que ponto os jogadores manterão a vontade de jogar? Eis a questão. Tudo tem limite e parece que ele já foi atingido dentro do vestiário da Vila Capanema.

Dois jogos para decidir o futuro

quarta-feira, agosto 14th, 2013

Pode até parecer exagero, mas encaro os jogos contra Paraná Clube e América-MG como dois encontros decisivos para a caminhada da Chapecoense na Série B.

Os clubes estão subindo de produção, a faixa de cima da tabela está muito competitiva e mesmo com a vantagem nos pontos e com dois jogos em atraso a Chapecoense não pode deixar passar estes dois jogos em branco.

Tanto Paraná Clube quanto América-MG são equipes de qualidade e que vão rivalizar até o final na parte de cima da tabela, sem falar que são dois clubes de capitais e que certamente ganham muito em interesse suas presenças na Séria A, seja para a CBF ou para a TV.

Deixar escapar duas vitórias em casa contra equipes deste porte pode representar um atraso grande na caminhada, nada que comprometa uma manutenção na Série B, mas sim na possibilidade de acesso a Série A.

A tendência agora é a criação de dois grupos dentro da Série B. Um grupo com aqueles que podem subir e o outro que lutará para não cair. A elite deve manter cerca de oito equipes na sua concepção e desta forma uma aproximação dos rivais na tabela pode ser fatal para um projeto maior.

Tem muito ainda pela frente, mas é preciso encarar estes dois jogos desta forma, como duas decisões.

Serão dois jogos duríssimos, de muita pegada e de grande exigência física e técnica.

A presença do torcedor será preponderante para o sucesso nas duas próximas missões.

Quanta diferença

terça-feira, agosto 13th, 2013

Vou comparar três equipes importantes do futebol de SC e seus momentos no cenário do futebol brasileiro.

Começo pelo Criciúma. O momento não é bom e as cobranças dos torcedores são muito fortes. Oito jogos sem vencer e registro até mesmo de briga entre um torcedor e um jogador em uma boate, com direito a tapa e cusparada.

Mesmo assim o experiente presidente Antenor Angeloni mostra-se sereno e tenta de forma profissional manter sua equipe na elite, sem alarde e sem nenhum tipo de comportamento intempestivo.

Agora o Joinville. Não se firmou ainda na Série B, vive momento de instabilidade, mas tem totais condições de alcançar o acesso, desde que seu presidente, Nereu Martinelli, controle sua ânsia de falar mal publicamente de seus funcionários, criando um clima ruim e sempre deixando o vestiário em pé de guerra.

E por fim a Chapecoense. Vive um momento espetacular. O melhor time do Sul do Brasil em competições nacionais e mesmo assim o que se ouve são declarações contidas, sem nenhum tipo de arrogância, sem nenhuma atitude que possa tirar o foco daquilo que foi traçado e jamais aceitando que a temporada já está com suas conquistas garantidas.

São três momentos distintos e três comportamentos que exemplificam muito bem estilos de comando. Um mal e seu comandante não perde a elegância. Outro dentro da competição e seu comandante fazendo guerra interna. E o terceiro vivendo uma fase esplendorosa sem fazer nenhum alarde e respeitando o seu momento e o momento dos outros. Cada time tem a cara dos seus dirigentes.

A bola parada decidiu

segunda-feira, agosto 12th, 2013

Chapecoense 1×0 Guaratinguetá

Aos dois minutos e meio da segunda etapa uma cobrança de falta com Danilinho, que entrou no intervalo, somado a uma falha do goleiro Everson decidiu o jogo.

Não foi uma atuação no mesmo nível das demais que já realizou aqui em Chapecó. Não é possível jogar bem sempre e na tarde de domingo realmente não foi uma apresentação daquelas que estamos acostumados.

O importante realmente foi à vitória e ela veio e são mais três pontos na tabela e uma consolidação no G4 e uma grande possibilidade de alcançar a primeira meta que é a de se manter na Série B já no fechamento do primeiro turno.

Daqui para frente à realidade vai ser esta mesmo. Times jogando fechados, com forte poder de marcação e dificultando a vida da Chapecoense. Ninguém espera por facilidades mesmo.

Pela frente dois jogos muito complicados em casa. O Paraná Clube do Brasil e o jogo atrasado para organizar a tabela contra o América-MG, dois times candidatos diretos a uma vaga no G4. Serão duas provas muito fortes para a equipe de Gilmar Dal Pozzo.

Grandes possibilidades de termos o retorno de Fabiano na equipe para melhor a saída de bola pela ala direita e quem sabe outras providências que possam ser tomadas pelo técnico.

A enrascada de Alan

quinta-feira, agosto 8th, 2013

Em uma entrevista ao Diário Catarinense, para o competente colega Darci Debona, Alan reveleou que tomou sim um medicamento, segundo ele dado por seu pai, para aliviar um inchaço no seu tornozelo.

Em um primeiro momento ele disse não ter ingerido nenhum tipo de medicamento. Agora veio a revelação.

Certamente este fator foi determinante para que o médico da Chapecoense, Dr. Mendonça, não tivesse sofrido nenhum tipo de punição, pois a medicação foi ingerida sem seu controle.

Alguns cobram que houve falta de força política da Chapecoense. Isso é besteira! Não existe força política contra uma confissão.

O atleta cometeu um erro ao aceitar o medicamento, não resta dúvida. Não acredito que tenha errado deliberadamente, foi uma imaturidade que está lhe custando caro, pois todo atleta deve saber que medicamentos somente aqueles prescritos pelo médico do clube e nada mais.

A substância encontrada não melhora o rendimento do atleta, ele não obtém vantagem nenhuma com ela, até perde, pois se desidrata, mas sabidamente ela é proibida.

Uma avaliação será feita na segunda-feira para saber se vale a pena recorrer da pena de seis meses imposta ao atleta pelo STJD. O risco que se corre é de que a pena possa aumentar para um ou até dois anos, já  que uma pena de seis meses não é comum nestes casos.

Uma sinuca de bico. Não houve má fé do jogador, mas ele ingeriu sim uma substância proibida e se enfiou em uma enrascada das grades.

A grande sensação da Série B

terça-feira, agosto 6th, 2013

Chapecoense 3×0 Atlético-GO

Não foi um jogo fácil na primeira etapa, muito mais pela falta de efetividade da Chapecoense do que por alguma virtude do Atlético-GO, que sejamos sinceros, é muito fraco. O Atlético está apenas no nome, dentro de campo corre bastante, mas de futebol de verdade pouco apresentou.

Já na segunda etapa a situação foi bem diferente. A saída de Augusto e a entrada de Danilinho deu outra dinâmica ao jogo e a Chapecoense ganhou muito na qualidade de passe e a aproximação à área adversária foi inevitável.

O primeiro gol de Bruno Rangel foi uma consequência direta das medidas tomadas no intervalo. O gol de falta de Danilinho foi um primor. O terceiro gol, mais um de Bruno Rangel, foi mais uma jogada de efetividade, com participação direta de Fabinho e um gol arrojado do atacante da Chapecoense.

Um placar de 3×0 com a efetividade da melhor equipe da competição em aproveitamento.

Nota baixa para a arbitragem que veio do Paraná. A mais fraca até aqui. Errou muitas vezes, foi complacente com a violência e deu apenas um cartão para Rafael Lima por reclamação que acaba tirando o zagueiro para o próximo jogo. Um desastre total, além de ter sido autoritário e passou dos seus limites.

A Chapecoense está voando. É a grande sensação do futebol brasileiro neste momento.

 

O ritmo frenético da Série B

segunda-feira, agosto 5th, 2013

Nas duas séries de ponta do futebol brasileiro é assim, não existe tempo para muita comemoração ou para lamentações. Pois é um jogo em cima do outro.

A Chapecoense mal desembarcou dos dois jogos no Nordeste e já encara hoje o Atlético-GO, nesta terça-feira, às 19:30, na Arena Condá.

O Atlético de Goiânia chega carregando uma crise e necessitando de reabilitação. Renê Simões pediu as contas após a derrota para o Paraná Clube em pleno Serra Dourada. PC Gusmão é a nova aposta. Nova não, pois ele já conhece muito bem a casa e chega com a fama de disciplinador, de linha dura, para recolocar a equipe nos trilhos. Houve outras trocas na comissão técnica.

A situação é de entrada na zona de rebaixamento, já que tem a mesma pontuação (13 pontos) daquele que abre a zona da degola, o São Caetano.

Para este jogo de hoje em Chapecó o comandante da equipe de Goiânia será o conhecido Gilberto Pereira (foto), que já treinou a Chapecoense e que deixou aqui bons relacionamentos, mas também deixou mágoas com a diretoria, já que ingressou na justiça para cobrar algo que lhe era devido na sua visão.

Gilberto Pereira conhece bem a Chapecoense e é homem de confiança da diretoria do Atlético. O time de Gilberto Pereira tem problemas já que Marino está suspenso, Denner e Ricardo Jesus continuam no departamento médico se recuperando de contusão e são desfalques para o jogo.

Mesmo com a distância na tabela o Atlético-GO sempre merece ser respeitado. Jogo para lotar a Arena, pois a fase da Chapecoense é espetacular.

Uma passagem histórica pela Ilha do Retiro

segunda-feira, agosto 5th, 2013

Sport do Recife 1×2 Chapecoense

A Ilha do Retiro recebeu mais de 19 mil torcedores na tarde de um sábado 03 de agosto de 2013, com céu carregado e com duas equipes jogando pressionadas por resultados ruins nos compromissos anteriores.

Foi um jogo muito pegado, de forte marcação e mesmo sem gols na primeira etapa o jogo foi de boa qualidade.

Veio à segunda etapa e com ela todas as surpresas que estavam reservadas. Primeiro o gol de abertura do marcador, pelo Sport, com uma cobrança de falta magistral por parte do ótimo Marcos Aurélio. Nivaldo ficou petrificado no lance.

Á partir daí foi a Chapecoense quem mandou no jogo, mostrando muita personalidade e encarando o Sport e um estádio cheio de torcedores apaixonados.

Os momentos finais do jogo reservaram para a Chapecoense os dois lances mais importantes.

Um pênalti bem marcado e bem cobrado. E uma falha espetacular do zagueiro Pereira, que foi aproveitada com maestria. Ambos os gols com a assinatura do goleador da Série B, Bruno Rangel.

Estava consolidada uma virada espetacular e histórica dentro de um dos estádios mais importantes do futebol brasileiro.

Merecida vistoria, para uma equipe que soube reconhecer a atuação deficiente contra o Ceará e que se remontou rapidamente e encarou com autoridade um adversário que sempre se mostra forte.