Arquivo para maio, 2014

O retorno do BR 9

sexta-feira, maio 30th, 2014

O clima é o melhor possível no retorno de Bruno Rangel a Chapecoense.

Na chegada ao aeroporto a festa estava armada de forma espontânea, com a presença de um bom número de torcedores, do presidente da Chapecoense e de diretores, da imprensa, enfim, de quem faz e acompanha o dia a dia do clube.

Bruno chegou feliz, atendeu a todos, deu entrevistas e seguiu para o hotel. Tudo simples e natural.

Na sexta-feira uma entrevista coletiva foi organizada para atender as emissoras de TV, com transmissão ao vivo, dando grande destaque ao retorno do maior goleador da história da Série B. Uma iniciativa inteligente do assessor de imprensa da Chapecoense, Cleberson Silva. O clima está leve entre os colegas de imprensa e a Chapecoense, a paz voltou a reinar e voltamos as nossas origens.

Neste final de semana teremos outras ações envolvendo Bruno Rangel, como sessão de autógrafos e no dia do jogo uma aproximação com o torcedor.

Um retorno que pode marcar efetivamente uma nova fase na Chapecoense. Com Bruno Rangel, outros quatro atletas deverão ser contratados e na próxima semana o novo técnico deverá ser apresentado.

Uma vitória em cima do Bahia será a senha para dar inicio a um novo momento para a Chapecoense na Série A.

 

Foto – Cleberson Silva/Chapecoense. 

Está na cara

quinta-feira, maio 29th, 2014

Os problemas da Chapecoense são de conhecimento nacional, daqueles que acompanham o futebol.

Nas oito rodadas até aqui, a Chapecoense não protagonizou nenhum vexame, porém, venceu apenas um jogo e empatou outro dois. Muito longe do necessário para se firmar na Série A em 2015.

Existem os problemas pontuais e os coletivos.

Pontualmente a Chapecoense necessita de dois articuladores de meio de campo e necessita de uma reforma geral no ataque, para dar a ele a eficiência de uma equipe de Série A, pois o que temos visto não é aceito em equipes amadoras.

Coletivamente a equipe precisa ser arrumada em campo. Houve evolução, mas quase todos os gols sofridos foram gestados em um erro de passe na frente e paridos pelo posicionamento equivocado da zaga.

Para corrigir, somente contratando. Para o ataque, Bruno Rangel já está ai. Acredito que possa retomar seus bons momentos. Está voltando motivado. Ele sozinho não irá resolver. Está na hora de aumentar o campo de visão e começar a garimpar em outros locais, que não apenas os que a Chapecoense hoje tem relacionamentos estreitos.

Será preciso abrir o cofre e creio investir pesado, quem sabe até mesmo assumindo compromissos além desta gestão, para manter a Chapecoense na Série A.

Sem investimentos a Chapecoense rebaixa com uma campanha vexatória. A conversa de Abel Braga, de que a Chapecoense não rebaixa com esse time é conversa fiada.

Dos problemas da Chapecoense sabe a diretoria e sabemos nós.

Perdeu lutando

quarta-feira, maio 28th, 2014

Inter 2×0 Chapecoense

A Chapecoense perdeu, mais ouvi elogios após o jogo, com analises de colegas de imprensa a até mesmo do técnico Abel Braga do Inter. Fico com o pé atrás.

Em muitos momentos a Chapecoense foi mais time, teve mais posse de bola, mas pecou nas finalizações, na demora em definir as jogadas e com duas desatenções que acabaram definindo os dois e o placar.

O futebol de Série A é feito de detalhes e o Inter soube matreiramente aproveitar as duas oportunidades que surgiram.

A Chapecoense está mais bem organizada em campo com o comando técnico de Celso Rodrigues, está mais compacta e jogando mais leve, mas ainda existem problemas pontuais que precisam ser resolvidos. A Chapecoense está sem competência no ataque. A irregularidade de Neuton na ala esquerda preocupa.

A Chapecoense precisa buscar na objetividade a solução para o problema da última bola. O time acaba se enrolando e deixa muito espaço para os adversários.

Os torcedores reclamam muito das atuações de Roni, Bergson e Fabinho Alves e com razão.

Bom lembrar também que o Inter jogou sem sete jogadores titulares. O Inter pode mais, mas a Chapecoense está perto do seu limite produtivo e isso precisa ser reconhecido.

Agora é o Bahia no domingo. Somente a vitória dará alguma dignidade a primeira perna da competição.

 

Para ajeitar a casa

segunda-feira, maio 26th, 2014

A Chapecoense é a equipe de menor expressão dentro da Série A. Qualquer vitória ganha uma proporção maior do que uma vitória na Série B. Quando a vitória não vem após sete jogos, o valor aumenta.

A vitória contra o Palmeiras teve a importância potencializada por uma série de fatores. O ápice da crise não foi quebrado com a demissão do técnico e sim com a vitória após a sua saída.

Uma derrota frente ao Palmeiras seria terrível não somente pelo aspecto da tabela, mas sim pelo fator emocional, já que o enfrentamento entre torcedores, diretoria e imprensa seria inevitável.

O jogo contra o Inter deixa a Chapecoense na posição de franco atirador. Se perder não será nada de anormal, o que não pode é levar um banho de bola para não enfraquecer o elenco. Um empate ou uma vitória seriam espetaculares.

O grande jogo antes da parada para a Copa do Mundo será contra o Bahia no próximo domingo. Uma vitória é imperiosa neste jogo para deixar a Chapecoense em situação mais confortável e fora da zona de rebaixamento.

Faz muita diferença realizar a preparação da parada da Copa do Mundo fora da zona de rebaixamento.

Jogando da forma como jogou contra o Palmeiras, com imposição e autoridade, sem se encolher e ficar tempo todo atrás da linha da bola, será possível.

Uma vitória para marcar um novo momento

domingo, maio 25th, 2014

Chapecoense 2×0 Palmeiras

Ela demorou em chegar, mas veio em um momento emblemático na Chapecoense. A vitória foi construída com autoridade e com futebol de velocidade, de vontade e de aglutinação.

Em uma semana em que houve a necessidade de demissão de um técnico, de desmonte de parte de uma equipe vencedora, mas que não mais conseguia vencer, a vitória veio e de forma muito madura.

Fica para a história que Celso Rodrigues foi o primeiro técnico a vencer na Série A do Campeonato Brasileiro. Ele merece. Sujeito sério, trabalhador e que almeja algo maior na sua carreira e que marcou seu nome na história.

A vitória retira a Chapecoense da lanterna, mas ainda a mantém na zona de rebaixamento, porém, aproxima o time da porta de saída da incomoda situação e projeta a possibilidade de uma parada para a Copa do Mundo fora do rebaixamento.

A vitória veio, a torcida se reencontrou com o time, a atuação mostrou uma equipe mais solta e uma carga de ansiedade muito menor.

Foi seguramente a melhor atuação da Chapecoense na temporada. Em 2014 a Chapecoense não teve nenhuma atuação parecida como a de ontem na Arena, que tomara, represente uma nova fase, um novo momento.

Contra o Palmeiras a Chapecoense voltou a ser o Verdão do Oeste.

Derrubaram o papai

sexta-feira, maio 23rd, 2014

Alguns atletas do elenco da Chapecoense gostam de utilizar a expressão “nosso grupo é uma família”, para salientar a união do elenco.

Pois bem, derrubaram o papai escada abaixo.

Alguns jogadores da Chapecoense precisam ter a consciência de que foram eles que tiram Gilmar Dal Pozzo do comando. Foram eles, alguns atletas, que motivaram a troca, através de um futebol sem resultados positivos.

Gilmar Dal Pozzo defendeu seu elenco com unhas e dentes e pagou com a queda. Foi traído por alguns jogadores sem nenhuma identificação que simplesmente estavam se lixando para o fato de Dal Pozzo defendê-los frente a tudo e a todos. Existe sim um grupo de bons profissionais na Chapecoense. Gente sabedora de suas obrigações e que justifica o salário e respeita a entidade. Eles devem estar tristes pela queda de um profissional que mais acertou do que errou na sua passagem pela Chapecoense.

O grande erro de Gilmar Dal Pozzo foi confiar em alguns que mereciam ter saído muito antes do que ele.

 

Sai deixando muitos admiradores

sexta-feira, maio 23rd, 2014

O técnico Gilmar Dal Pozzo sai da Chapecoense deixando muitos admiradores, dentro da diretoria e entre os torcedores.

Homem correto, de caráter ilibado, trabalhador e vencedor na sua passagem pela Chapecoense. O que o derrubou foi o momento ruim e por ter acreditado em alguns atletas que lhe apunhalaram pelas costas. Uma espécie de fechamento de ciclo.

O novo técnico a ser contratado vai chegar na base da pressão, pela necessidade por vitórias e pela saudade que Dal Pozzo já deixa entre muitos torcedores.

A imagem que fica de Dal Pozzo é positiva, mas também de um técnico ainda em formação. Ele precisa de um pouco mais de tempo e amadurecimento para se firmar no mercado de ponta. Tenho certeza que terá uma carreira promissora. Aqui na Chapecoense ele fez um trabalho exuberante, mas quando chegou a Série A lhe faltou tarimba para ver que com o elenco que lhe ofereceram a missão de permanecer na Série A não seria possível.

Sai de cabeça erguida, deixando admiradores, não deixa a porta aberta, deixa-a escancarada, para voltar quando houver uma possibilidade.

Não me tornei um amigo de Dal Pozzo, mas me tornei um admirador pelo profissional correto que é e torço pela evolução e pelo sucesso dele.

Um futebol miserável

quinta-feira, maio 22nd, 2014

Criciúma 1×0 Chapecoense

Nova derrota e com um futebol miseravelmente ruim, de péssima qualidade e de simplesmente nenhuma conclusão ao gol adversário e com um nível de passes errados que beirou a Série D.

Na primeira etapa o 1×0 saiu barato. Na segunda etapa até que a Chapecoense esboçou algo, mas durou pouco e houve muitas oportunidades para o Criciúma ampliar, que somente não o fez porque Danilo esteve em mais uma noite espetacular.

A Chapecoense está decaindo. Algo precisa ser feito com urgência e com comando forte. Somente trocar o comando técnico não vai adiantar. É preciso contratar.

Gilmar Dal Pozzo disse que jamais colocará seu cargo a disposição. Admitiu que o grupo tem problemas de qualidade.

A situação está confusa e a diretoria precisa encontrar um norte.

A diretoria de futebol, pela primeira vez, admitiu que o time jogou mal e que ficou difícil defender o elenco.

Agora é a vez do Palmeiras. Domingo será um teste de fogo, daqueles que pode definitivamente provocar mudanças.

A situação está beirando o limite dos limites.

Jogo ruim e resultado bom

domingo, maio 18th, 2014

Atlético-PR 1×1 Chapecoense

Tecnicamente o jogo foi ruim, pois em muitos momentos s bola foi mal tratada.

O resultado de empate foi bom no olhar isolado do jogo, pois foi fora de casa, mas olhando o todo, a Chapecoense está na lanterna e por isso o resultado deveria ter sido de vitória.

O gol sofrido pela Chapecoense foi mais um momento de  desatenção da zaga e justamente em momento de troca de jogador. Mais um momento de total falta de experiência.

O empate veio no final e na base da superação, através de Tiago Luiz aproveitando uma bola de Fabiano que está voltando a ser aquele jogador importante.

É preciso reconhecer que houve muitos passes errados, falta qualidade, falta ajustar os setores e a Chapecoense chega para a 6ª rodada ainda em construção e com a obra bem no começo.

O Atlético-PR também está jogando pouco e deixando seu torcedor muito preocupado.

A Chapecoense está precisando de nomes novos e mudar sua dinâmica de jogo.

Na entrevista coletiva Gilmar Dal Pozzo valorizou muito o resultado e atuação da equipe, como era de se esperar, mas foi exagerado em alguns pontos.

Agora e pensar no Criciúma, adversário direto na fuga do rebaixamento.

 

O vírus na rota da Chapecoense

sexta-feira, maio 16th, 2014

Não bastassem todos os problemas que estão sendo enfrentados pela Chapecoense no início da caminhada da Série A, uma virose atingiu 10 atletas do elenco e colocou sobre a mesa do técnico um verdadeiro quebra-cabeça.

Para completar, Wanderson segue fora, por lesão, assim como o atacante Leandro. O zagueiro Rafael Lima está suspenso.

A única garantia de Gilmar Dal Pozzo é que o esquema tático não muda e a Chapecoense jogará contra o Atlético-PR com a mesma distribuição de sempre, mas com mudanças nominais dependendo da condição clínica dos atletas.

Muitos problemas se acumularam e a vida do técnico se transformou em um dilema.

Já o Atlético-PR está mais tranquilo no que se refere aos problemas médicos, mas jogará fora de seus domínios, em Maringá, cumprindo perda de mando de campo. A provável escalação: Weverton; Sueliton, Cleberson, Léo Pereira e Lucas Olaza; Deivid, Paulinho Dias, Natanael e Marcos Guilherme; Marcelo (Bruno Mendes ou Douglas Coutinho) e Ederson. O meia Paulinho Dias vai reencontrar amigos e fazer seu primeiro jogo contra a Chapecoense.

Esperar o que? Superação. O momento da Chapecoense exige exatamente isso. Mesmo com um time modificado e mesmo lutando contra uma virose o time precisará buscar na superação o seu ponto forte.

O jogo será realizado no Estádio Willie Davids (foto) em Maringá.