Quanta diferença

Quando a Chapecoense jogava apenas o Campeonato Catarinense ou andava lá pelas bandas da Série C, quando tínhamos um Gre-Nal, a cidade de Chapecó se mobilizava para o clássico gaúcho.

Eram comuns as carreatas, as grandes mobilizações e o vasto espaço que era destinado pela imprensa local.

Os bares ficavam lotados. As camisetas dos clubes de Porto Alegre eram vistas com muita facilidade nas ruas e as lojas especializadas em material esportivo enfeitavam suas vitrines com motivos colorados e gremistas.

Com a chegada da Chapecoense a Série B e ainda mais a Série A, houve uma retração natural em relação a dupla Gre-Nal e um crescimento espetacular da Chapecoense.

Quando uma cidade abraça seu time e o faz ocupar o lugar de destaque no seu coração, o projeto alcança sucesso.

Foi assim ontem, em um domingo chuvoso, mesmo sem a Chapecoense na decisão do Campeonato Catarinense e com Grêmio e Inter como quase sempre decidindo o Campeonato Gaúcho a cidade esteve quieta.

Hoje a Chapecoense comanda o mercado local, naturalmente, devido a sua escalada vitoriosa no cenário do futebol nacional, as boas ações de marketing e ao abraço carinhoso de toda uma região a entidade esportiva mais importante do Oeste de Santa Catarina.

Um domingo em que a Chapecoense não jogou, mas mostrou a sua força.

2 comentarios para “Quanta diferença”

  1. Manoel Avaiano disse:

    É assim que tem que ser, parabéns a cidade

  2. Jr Verdão disse:

    O que vi de camisa do inter hoje não foi brincadeira. Não fizeram carreata talvez pela lembrança do 5×0. E tem gente que anda meio nervoso por aí http://www.tudosobrechapeco.net/index.php/desc_noticias/homem_agride_irmaeo_apos_discussaeo_motivada_por_jogo_de_futebol

Deixe um comentario