Arquivo para agosto, 2015

Olhando para frente

segunda-feira, agosto 31st, 2015

Hoje a Chapecoense está na metade da tabela, com a mesma pontuação lhe separando do G4 e do Z4. São seis pontos.

Não é uma posição confortável, mas também não é desesperadora como querem fazer crer alguns.

Ela pede cuidados, pois duas derrotas seguidas em uma competição tão nivelada como a Série A faz muita diferença. E a Chapecoense já foi derrotada em sequência.

Uma derrota para o Santos na quinta-feira pode determinar uma nova realidade na temporada para a Chapecoense, a de lutar verdadeiramente para não entrar na zona de rebaixamento ou colar nela, portanto, o jogo contra a Ponte Preta se transforma em uma decisão. E a situação da Ponte Preta é muita parecida com a da Chapecoense, e eles enfrentarão já na quarta-feira o Cruzeiro que está em situação ainda mais delicada. A Chapecoense jogará em Santos já sabendo o tamanho do problema na rodada.

Agora é o momento de muita sabedoria e de escolhas afinadas e bem feitas. Existe uma sinalização para que a Chapecoense atue com time misto frente ao Santos para que o elenco principal esteja inteiro para o desgastante jogo de domingo às 11 da manhã.

O tema já gera muita polêmica e se a Chapecoense for derrotada na Vila Belmiro, Vinicius Eutrópio será massacrado. Chegará para o jogo contra a Ponte Preta com a obrigação total de vencer.

Sinceramente, vejo com angústia uma possibilidade de time intermediário da Chapecoense para jogar na Vila. A não ser que a proposta seja a de se defender com unhas e dentes. Retranca ao estilo Guarani de Bagé.

Quem decide é Eutrópio e o departamento de futebol.

O jogo dos erros

domingo, agosto 30th, 2015

Chapecoense 1×3 Corinthians

A Chapecoense errou demais, principalmente na primeira etapa. Dois gols que foram oferecidos ao adversário e com isso o Corinthians não menosprezou os presentes. O gol de Bruno Rangel ao final da primeira etapa deu novo alento.

A segunda etapa da Chapecoense foi melhor do que a do Corinthians, mas faltou a finalização e quando ela foi bem executada por Camilo o goleiro Cássio fez uma defesa gigantesca.

Errar contra time grande é fatal. Quando a Chapecoense exercia forte pressão sobre o adversário veio um pênalti infantil e o Jadson deu números finais ao jogo.

Para a Chapecoense vencer era necessário fazer um jogo de exceção, o que não aconteceu, pois os erros da etapa inicial foram fatais.

Fica o ensinamento de como não se enfrentar um time grande.

Ao final o técnico Tite  elogiou a Chapecoense, destacou a segunda etapa do time de Eutrópio e parabenizou pela boa campanha, mas disse que o resultado foi justo. O técnico do Corinthians foi correto.

Agora é o Santos na quinta-feira, lá na Vila Belmiro, jogo complicado e que terá de servir de compensação para esta derrota em casa, para evitar uma aproximação com a zona de rebaixamento.

Eutrópio na Chapecó AM 1330

sexta-feira, agosto 28th, 2015

Esteve participando do Debate Esportivo da Rádio Chapecó AM 1330, na quinta-feira, o técnico da Chapecoense, Vinicius Eutrópio.

Como sempre muito solícito e educado.

Duas questões ganharam destaque.

A primeira em relação às atuações da Chapecoense fora de casa e a comparação com os resultados alcançados na Arena Condá. O comandante da Chapecoense não concorda com as opiniões de que a Chapecoense joga de forma diferente quando atua fora e acredita que poucas vezes o time atuou mal, perdeu, mas jogando um bom futebol.

Outra questão está relacionada às opiniões contrárias de uma parcela significativa dos torcedores que mesmo com a boa campanha não conseguem reconhecer em Vinícius Eutrópio um bom técnico. Ele é muito criticado.

Disse que nunca ouviu nenhuma crítica, que nas abordagens na rua ele sempre foi muito bem tratado e que não consome informações de redes sociais e mesmo dos veículos de comunicação que dão espaço para as opiniões dos torcedores.

Respeito suas opiniões. Reconheço em Eutrópio um profissional bem acima da média aqui em SC e com boa projeção na carreira. Gosto do trabalho dele.

O único, porém, é que Eutrópio nega as atuações menos brilhantes da Chapecoense fora de casa e não ouve críticas em relação ao seu trabalho, mas faz parte.

Foi um debate bem interessante.

 

Tchau Macaca

quinta-feira, agosto 27th, 2015

Chapecoense 3×0 Ponte Preta

 

Só para lembrar que Macaca é o carinhoso apelido da Ponte Preta. Isso é coisa de antigamente, pois nos dias de hoje o politicamente não permitiria.

Em relação ao jogo, o resultado demonstra exatamente a superioridade e maior organização da Chapecoense.

O gramado molhado pelo temporal que resolveu marcar presença justamente em cima da hora e deixou o jogo com muito contato e ruim tecnicamente. O gol de pênalti veio aos 46 da etapa inicial, deixando a situação bem melhor e desequilibrando os planos da Ponte Preta.
Na segunda etapa as escolhas de Vinicius Eutrópio foram mais eficientes do que as de Doriva e desta forma a vitórias por 3×0 veio naturalmente.

A melhor troca foi à entrada de Tiago Luis. Ele entrou e já marcou um gol espetacular. Foi o gol que deu a tranqüilidade para naturalmente chegar à marca do terceiro e definitivo tento.

Agora a Chapecoense projeta o jogo contra o Corinthians no domingo e toda a seqüência importante que tem pela frente na Série A e de olho nos jogos da Sul-Americana para saber se o próximo adversário é paraguaio ou chileno.

Foi uma noite importante para a Chapecoense em sua trajetória de crescimento e realizar um jogo internacional faz parte deste novo e espetacular momento.

Mais uma etapa foi alcançada.

E hoje?

quarta-feira, agosto 26th, 2015

 

Logo mais a Chapecoense encara no jogo de volta pela Sul-Americana a Ponte Preta. Lá deu 1×1.

Bom lembrar que o saldo qualificado está no regulamento.

O mesmo resultado leva para os pênaltis. Sem gols, da Chape e qualquer vitória interessa para ambos.

Times mistos mais uma vez dos dois lados, mas um pouco mais turbinados em relação ao jogo de Campinas.

Vale uma vaga para a fase internacional da Sul-Americana. Para a Chapecoense é algo histórico, já para a Ponte Preta não, pois já decidiu o título e perdeu, aliás, naquele ano foi também rebaixado, o que preocupa a diretoria, pois naquele ano eles priorizaram a Sul-Americana e além de perder aquele que seria seu primeiro título, acabou perdendo o foco na Série A e se deu muito mal.

A diretoria da Chapecoense deseja muito a vaga, assim como o elenco. Já não vejo a mesma motivação em relação à Ponte Preta.

Jogo às 22 de hoje na Arena Condá.

E qual é a sua expectativa, torcedor?

Mais do mesmo

domingo, agosto 23rd, 2015

Coritiba 1×0 Chapecoense

 

A Chapecoense não mudou nada em relação ao turno e mais uma vez foi derrotada fora de casa, por placar magrinho. Não houve possibilidade de melhora do aproveitamento fora de casa, ou seja, nenhuma novidade.

O gol do Coritiba foi um acaso, uma falha da zaga da Chapecoense e uma boa conclusão de Henrique.

A posse de bola da Chapecoense foi de 62%, sim, mas e daí? Exatamente aí reside o segredo do jogo, pois ter posse de bola e não saber o que fazer com ela de nada adianta.

Tecnicamente foi um jogo fraco, com inúmeros erros de passes e lançamentos, que apenas ressalta que a zona de rebaixamento é uma realidade para o Coritiba não por acaso e que o rendimento da Chapecoense fora de casa é muito ruim.

Mais uma vez ficamos nos perguntando, questionando o porquê a Chapecoense não joga bem fora de casa.

A distância entre as apresentações da Arena Condá com as de outros estádios e arenas é tão grande, que parece que a Chapecoense joga com duas equipes diferentes.

Assim como nós não temos respostas, tenho certeza que o próprio Vinicius Eutrópio não sabe responder o questionamento.

Chamou-me a atenção a forma lenta como a Chapecoense atuou na manhã de ontem. O time esteve sem velocidade, demorado em conectar o ataque e por isso perdeu.

E segue o mesmo de sempre. Chapecoense fora de casa não empolga, mas em casa é avassaladora.

Se melhorasse um pouco apenas fora da Arena Condá, estaria no G4. Já pensaram nisso?

 

Tudo ou nada

sexta-feira, agosto 21st, 2015

É desta forma que o Coritiba está tratando o jogo de domingo, às 11 da manhã, no Couto Pereira, contra a Chapecoense.

A tabela de classificação mostra o momento delicado do Coxa Branca, que segue na zona de rebaixamento, ocupando a 18ª posição, com apenas 18 pontos.

Pode até sair da incômoda posição, mas para isso precisa vencer a Chapecoense, torcer por derrota de Avaí ou Figueirense e ainda aguardar pelo saldo de gols. Não é missão fácil, mas a vitória para o Coritiba representa um oxigênio importante, pois empate e derrota é asfixiante.

As limitações do Coritiba são conhecidas. O time ainda não encontrou o ponto de equilíbrio. Falta qualidade em todos os setores e não tem conseguido fazer da sua casa um diferencial, ponto que justamente faz a diferença para a Chapecoense, sem querer comparar os dois times, pois o elenco da Chape é mais qualificado.

A diferença entre Coritiba e Chapecoense ao final do turno é de 10 pontos. Uma demonstração clara e inequívoca da superioridade técnica da Chapecoense, pois todos já se enfrentaram e os rendimentos são muito diferentes.

Vencer no Couto Pereira não será missão fácil para a Chapecoense, principalmente se jogar com na maioria das vezes jogou fora de casa. Jogando o que pode e deve jogar fora da Arena Condá, tenho certeza que a Chapecoense vence o jogo.

Teoricamente a necessidade da Chapecoense aponta para seis vitórias em 19 jogos restantes. Arriscar fora de casa me parece bastante razoável, para encurtar caminho e mirar outras possibilidades.

 

OBS: Perdão pelo mando de campo invertido da ilustração, mas era o que havia para o momento.

 

Bom resultado

quinta-feira, agosto 20th, 2015

Ponte Preta 1×1 Chapecoense

Copa Sul-Americana.  

Apesar das opções das equipes por times reservas, tivemos um bom jogo de futebol, apesar de não ter havido grandes destaques individuais, mas o coletivo das duas equipes acabou falando mais alto.

Foi um grande resultado da Chapecoense, fora de casa, que deixa a Chapecoense com a possibilidade de jogar por dois resultados o empate sem gols e claro, vitória.

Eu fui para o jogo com os dois pés atrás, pois dois times reservas e sabidamente dois elencos que não tem lá grandes reservas técnicas, mas ao final fiquei feliz com o que vi e contei na Rádio Chapecó AM 1330.

Na verdade o empate foi um resultado justo, pois houve um equilíbrio de ações de parte a parte e não existe nada a reclamar nesse sentido.

O gol sofrido pela Chapecoense teve um ingrediente interessante. O autor do gol, Wagner, fez a famosa cera, ficou fora de campo e foi justamente aí que a Ponte Preta encontrou o espaço que lhe possibilitou a execução de um belo tento.

Agora é virar a chave novamente e mirar o compromisso no domingo pela manhã contra o desesperado Coritiba.

Bom jogo para desencantar fora de casa.

 

Um novo desafio

terça-feira, agosto 18th, 2015

Noite para a Chapecoense estrear uma novidade em seu calendário (22 horas de quarta-feira, 19 de agosto), a Copa Sul-Americana, uma espécie de segunda divisão da Copa Libertadores da América, que ainda precisa ser mais bem dimensionada e por parte do Brasil, pois outros Países já organizaram com eficácia seus calendários.

Um evento internacional, que começa com enfrentamento entre times de um mesmo País. Economia, nada mais do que isso, justifica o começo entre Ponte Preta x Chapecoense em Campinas no Estádio Moisés Lucarelli.

Enquanto a Libertadores da América já conhece seu campeão, as Copas do Brasil e Sul-Americana, invadem o calendário do futebol brasileiro justamente na sua fase mais aguda.

O evento ficará interessante se a Chapecoense passar para a fase internacional, podendo enfrentar equipes do Uruguai, Paraguai ou do Chile, com dois representantes.

O bom de tudo é que a Chapecoense se insere em uma nova realidade, com organização diferente, com exigências maiores e ganha experiência.

Para não perder o foco no Campeonato Brasileiro Série A, que segue necessitando de atenção especial, pois o objetivo primeiro ainda não foi alcançado, jogará com time reserva contra a Ponte Preta, mas mesmo assim com um grupo capaz de enfrentar seu adversário com qualidade e se transformando em uma chance para aqueles que desejam construir uma nova realidade dentro do time.

Vamos lá, com a Chapecoense, pelos caminhos do futebol e agora, pela vez primeira, em um certamente internacional. Momento histórico, com certeza.

De gente grande

segunda-feira, agosto 17th, 2015

Sabe aquele jogo lá de Goiânia? Esquece.

A Chapecoense venceu por 2×1 o Atlético-MG jogando futebol de qualidade, de Séria A, com estilo.

Foi um jogo de muita pegada, de muitas alternativas por parte das duas equipes.

Sabidamente o Atlético-MG daria trabalho, pois tem um elenco muito bom e um conjunto equivalente.

Em casa a Chapecoense tem se mostrado muito forte e aí está a diferença da campanha acima da média, fechando o turno com 28 pontos. Meta alcançada.

Os dois gols da Chapecoense foram muito bonitos. A falta cobrada por Cleber Santana apenas reforça o acerto que foi a sua contratação. Jogador diferenciado, que sabe o que faz com a bola. Deu a Chapecoense uma dinâmica que ela não tinha no meio de campo.

O gol de Apodí foi de puro oportunismo. Um balão da zaga para o campo de ataque, a disputa com o marcador, ganhou na corrida, deu o drible desconcertante, deixando o oponente deitado e fez um lindo gol. Sim, levou a bola com a mão. Foi um lance rápido, com o bandeira tendo a visão encoberta e por isso nada foi marcado. Irregular? Sim. Bonito? Espetacular.

O gol sofrido pela Chapecoense foi muito mais por erro do Danilo do que por mérito do Atlético-MG.

Vitória gigantesca e que mostra que a Chapecoense está no caminho certo. Mas é bom olhar a tabela com cuidado sempre, pois a turma que está abaixo se aproxima e uma pequena série de insucessos pode mudar a situação radicalmente. Por hora, tudo certo. Novamente a Chapecoense foi o único de SC a vencer na rodada.

 

FOTO – Cleberson Silva – Assessoria de Imprensa Chapecoense.