Mão dupla

De fora para dentro

Uma nova mobilização está em andamento no que se refere à manutenção da Chapecoense na Série A do Campeonato Brasileiro.

Assim como aconteceu no ano passado, na fase mais aguda da Chapecoense na zona de rebaixamento, agora as forças fora de campo de unem no sentido de transmitir confiança ao elenco e desta forma fazer sua parte no processo. Ajuda? Com certeza, mas não decide, pois quem vai definir se a Chapecoense permanecerá na Série A são os jogadores e a comissão técnica.

Na segunda-feira, quando da chegada do elenco após a derrota para o Sport, eles foram recepcionados por um grupo de torcedores ligados as organizadas que realizaram um ato público de apoio. Boa iniciativa. Resta saber se nas arquibancadas, quando a bola rolar para Chapecoense e Palmeiras, se a intensidade do apoio será o mesmo do início ao fim.

Dirigentes e colaboradores reuniram-se, como de praxe, na noite de segunda-feira para deliberar sobre o momento da Chapecoense. Estão chamando formadores de opinião, gente influente na comunidade, para criar um clima positivo, deixando o pessimismo bem longe e tentando passar isso para o grupo de jogadores.

Veículos de comunicação começaram suas campanhas e por aí vai.

Mais uma vez Chapecó e a região fazem a sua parte. Sabemos a importância da manutenção da Chapecoense na Série A e tudo que envolve o projeto. De fora para dentro, já estamos ganhando o jogo. E lá dentro, como será?

De dentro para fora

Transpiração, pegada, jogadas agudas, pressão sobre o adversário o tempo todo, atenção em cada lance, doação completa, sentimento de decisão e principalmente vitória!

Palavras fortes, de significado muito claro e direto, que estão no vocabulário do futebol da Chapecoense, mas que não estão sendo utilizadas na intensidade que se deseja.

O jogo contra o Palmeiras se transformou em algo gigantesco.

É mais do que uma final de campeonato. Pode ser o jogo a tirar a Chapecoense da zona do rebaixamento e a encaminhá-la para os trilhos do primeiro é ótimo turno.

Não existe meio termo. Não é o jogo final, se perder está rebaixado, mas ele representa muito, não apenas pela importância natural do encontro, pelas circunstâncias do momento, mas tem uma importância ímpar no relacionamento time/torcedor.

À hora de recuperar a confiança é agora.

Fora de campo a mobilização começou. As redes sociais estão repletas de manifestações de positivismo.

Agora é à hora do de dentro para fora. O time precisa dar esta resposta. Muitas atividades acontecerão até o final de semana.

6 comentarios para “Mão dupla”

  1. Jr Verdão disse:

    Pra te falar a verdade eu tô p. com o time, mas agora é hora de dar apoio. Pra te falar a verdade não é nenhuma aberração se a Chape for para a série B, mas o que eu quero ver é raça, vontade.
    Só que eu fico pensando: Veja o exemplo do Barbio. Ano passado foi rebaixado pra série B com o Bahia, esse ano joga a série A pelo Verdão. Essa laia(jogadores) não tá comprometida com o clube, nós torcedores temos só a Chape, eles tem a profissão e muitos times para jogar ano que vem.

  2. Roberto disse:

    Isso tudo é bla bla bla…
    Se não mudar a escalação e a postura do time, toda esta “mobilização” de nada vai servir…
    E pensando bem, a série B era bem mais divertida…hehehe

  3. Fabricio ccó disse:

    Acho que muito mais importante que essa mobilização, seria interessante a diretoria e principalmente o comando técnico se não assistiu tentar solicitar e assistir o jogo entre Ceara e Luverdense ontem pela serie B e ver o que aconteceu pra não cair no mesmo erro.
    Individualmente e no papel o Ceara tem um bom time. Ontem jogou da mesma forma que a Chape vem atuando nesse 4-3-3. O meio campo era Baraka, Ricardo Conceição e Ricardinho, no ataque e jogando aberto de um lado Fernandinho(ex cri) Rafael Costa centralizado e aberto do outro lado Julio Cesar(ex Fig). Não faltou entrega dos jogadores, correram até a exaustão, porem correram de forma errada e não conseguiam chegar ao ataque eram facilmente marcados, jogadores longes um do outro e o Luverdense com um time inferior era muito mais perigoso e consistente, quando tomou o gol bateu o desespero a torcida começou a vaiar e dai acabou de vez.
    O que quero dizer é que esses esquemas moderninhos 4 2 3 1, 4 1 4 1, ou nesse ressuscitado 433, precisa ser bem treinado e principalmente ter um grupo de jogadores com muita qualidade pra ser bem executado, não vejo a Chape jogando brasileirão assim e estamos jogando assim desde o começo do ano. Por favor tentem mudar senão domingo seremos o novo Ceara. Por mais que temos jogadores abaixo do que podem render e a falta de qualidade em alguns. A maioria senão todos estão correndo, se esforçando, mas falta um melhor posicionamento. É o que penso

  4. Silvio SZ disse:

    Ja na saída de bola(se a Chape ficar com a saída) domingo contra o Palmeiras , ja vai dar pra ver que tipo de comportamento e tesao os jogadores terao noi jogo.

    Espero que seja com muita garra . Se comecarem a todo minuto recuar bola pra tras e zagueiro lançar daí meu…caixao.

  5. Chapecoense/Florianópolis disse:

    É verdade de nada vai adiantar essa mobiliza, se os Cachaceiros não jogarem !!!!! Mais uma vez vão fazer o torcedor de bobo

  6. Pedro disse:

    Já larguei mão. Esse ano já era. Sou pessimista mesmo. Esse time de bosta não me dá outra escolha. Pessimismo na veia!!! Única coisa que quero é Classificar pras quartas da sulamericana pra ver o River Plate jogando no Índio Condá e depois a Chape no Monumental de Nuñez!!!! Já estarei realizado!!! Série B não é o fim do mundo, não é fácil se manter na Série A com um orçamento como o nosso. Ainda mais com Dener, Rafael Lima, Apodi, Bruno Silva no time titular…Aí é até um milagre permanecer na Série A. O que vier é lucro.

Deixe um comentario