Arquivo para outubro, 2015

O jogo da confirmação

sexta-feira, outubro 30th, 2015

No domingo às 17 horas a Chapecoense jogará contra o Atlético-PR. Jogo que pode ser a confirmação da Chapecoense na Série A de 2016.

O adversário já atingiu a marca de 42 pontos que no momento representa a manutenção e não deve mudar.

O Atlético-PR chega para jogar sem pressão e cansado devido à viagem para o Paraguai, em que foi desclassificado na Copa Sul-Americana.

A Chapecoense teve um jogo desgastante na quarta-feira, mas venceu, ganhou moral, reforçou a parte psicológica e não viajou. Faz muita diferença.

O Atlético é sempre uma equipe complicada de ser enfrentada. Marca forte sabe propor o jogo.

Cabe a Chapecoense jogar com muita intensidade, olhando o jogo como uma verdadeira final de campeonato.

Antecipar a confirmação de permanência na Série A representa acelerar o processo de planejamento para 2016, confirma uma premiação muito boa e evita o estresse de olhar a última rodada e ainda não ter encontrado a solução para alcançar a grande meta.

Com certeza Guto Ferreira trabalhou bem o elenco para a busca da vitória e ele sabe o quão importante é encurtar o caminho. Faça hoje o que deve ser feito hoje, é assim que se faz.

 

Uma noite fantástica

quinta-feira, outubro 29th, 2015

Chapecoense 2×1 River Plate

Na noite de 28 de outubro de 2015 a Chapecoense fez o campeão da Libertadores da América tremer dentro do uniforme.

Venceu o jogo e deu um baile. Um juiz mal intencionado, um gol perdido, uma defesa milagrosa e uma bola na trave trataram de escrever o restante da história. Era para ter sido 5×1 para a Chapecoense.

A desclassificação foi uma decorrência de resultados combinados, de um regulamento, que acabou se mostrando injusto por tudo aquilo que foi mostrado em campo.

Transmito jogos da Chapecoense pela Rádio Chapecó AM 1330 a 10 anos. Já narrei títulos, acessos e muitas passagens memoráveis, mas o jogo de ontem foi o maior no que se refere à doação do time, a coragem do técnico, a participação dos torcedores e a emoção que o jogo nos ofereceu.

A Chapecoense está fora da Copa Sul-Americana, mas deu um baile no poderoso River Plate e encheu a gente de alegria.

Parabéns a todos, diretoria, elenco, comissão técnica e torcedores. Foi um verdadeiro show.

Agora é vencer o Atlético-PR e carimbar a Série A 2016.

 

FOTO – globoesporte.com 

Novo manto

terça-feira, outubro 27th, 2015

Camiseta de time de futebol tem uma aura diferenciada. Existe uma reverência, um respeito, pois ali não está apenas um pedaço de tecido, está uma parte da história.

A Chapecoense jogará amanhã à noite com seu novo uniforme 03. A terceira camisa retorna com o listrado horizontal, nas cores verde escuro e verde claro que homenageia a nação indígena da etnia Kaingang, que viveu na região de Chapecó, segundo a fornecedora do material esportivo do clube.

O novo material que já começou a ser comercializado vem com duas camisetas. A nova 03 e uma retrô, lembrado a de 77, ano do primeiro título da Chapecoense.

As duas camisetas custam na média R$ 349,00, vem em um kit. A nova 03 sai por R$ 189,90, preço médio das outras camisetas recentemente lançadas.

Na maior parte das lojas especializadas o sócio terá um desconto.

A realidade é outra. Há pouco tempo a Chapecoense quase que mendigava uma parceria, hoje uma empresa do porte da Umbro lanças várias peças por ano e está aproveitando a forte visibilidade deste jogo contra o River Plate para mais um lançamento.

A comemorativa de 77 é linda. Branca com detalhes em verde e apenas o escudo.

A nova 03 já é mais arrojada, com cores marcantes, mas gostei muito da modelagem.

Vamos as compras senhoras e senhores. Tem para todos os tamanhos e também modelagem feminina.

O cansaço lhe dominou

domingo, outubro 25th, 2015

Chapecoense 1×1 Avaí

 

Tecnicamente o jogo foi prejudicado pelo tempo, que teimou em chover pela manhã e também durante quase todo o jogo. Quando o árbitro apitou seu final, a chuva parou.

Na verdade o gol do Avaí foi legal, não houve falta na jogada. Fica o sentimento de que desta vez a arbitragem colaborou com a Chapecoense.

Foi um jogo de alas e de muito combate de meio de campo, mas de poucas oportunidades criadas que pudessem ser referendadas como chances reais de gols.

Jogo de muita pegada, de muita vontade por parte das duas equipes, mas em que a qualidade foi limitada pelo gramado molhado, pelo cansaço da Chapecoense e pelo Avaí que é um time voluntarioso, mas que tem suas limitações.

Outro prejuízo foi em relação ao público, pois muitos ingressos foram vendidos que acabaram não sendo transformados em presença, pois a R$ 10,00 o bilhete é normal evitar a chuva e ficar em casa.

Os mais recentes jogos, a viagem de volta complicada pelo tempo que fechou nosso aeroporto, a intensidade dos jogos, tudo causou um somatório de desgastes que devem ser respeitados.

O Avaí teve uma semana muito mais tranqüila e mesmo assim pregou em campo ao final, por isso o empenho do grupo da Chapecoense deve ser valorizado.

Ninguém ganhou, mas ambos comemoram o ponto conquistado. É assim mesmo.

 

O Avaí é maior que o River

quinta-feira, outubro 22nd, 2015

Antes de ser atacado implacavelmente, eu explico.

No jogo de domingo entre Chapecoense e Avaí aqui na Arena, às 17 horas, o Avaí não somente é maior, como mais importante, como o oponente a ser batido, como o novo jogo do ano.

O River Plate passará a ter seu devido tamanho a partir de segunda-feira, quando aqui estará, hospedando-se no Pratas Thermas Resort de São Carlos e pisando na nossa Arena na noite histórica de quarta-feira.

Cada coisa no seu lugar.

O tamanho do River Plate se mede por ser ele o atual campeão da Libertadores da América. O tamanho do Avaí se mede por ser ele um oponente direto na corrida contra o rebaixamento na Série A e por ser um jogo em casa e o definitivo da temporada.

Então, de hoje até domingo o Avaí, o Leão da Ilha, é maior do que o River Plate. Quem diria Avaí!

Não tenho medo nenhum de cometer o pecado do exagero.

Se a Chapecoense tivesse direito a apenas uma vitória nos dois próximos jogos, certamente a escolha seria vencer o Avaí. É algo tão evidente que chega a ser ululante.

Domingo, seguirei meu tradicional caminho para a Arena Condá, levando meus equipamentos de rádio e jornal, mas com um sentimento de que estou me encaminhando para contar uma decisão. É um jogo diferente. E tenham a certeza, será um jogo muito difícil e desgastante.

O Avaí é maior e mais importante do que o Rivel Plate.

A vantagem está com o River

quinta-feira, outubro 22nd, 2015

River 3×1 Chapecoense

 

Uma jornada que estava se encaminhando para

uma derrota magra de diferença de um gol acabou se transformando em uma vantagem um pouco maior, mas não definitiva. 

A Chapecoense cometeu pecados no setor defensivo que acabaram sendo letais para um resultado mais positivo. 

A superioridade do adversário deve ser reconhecida, mas sinceramente não encontrei no River Plate um super time.

No primeiro tempo a Chapecoense jogou melhor. Na segunda etapa o time parece ter sentido um cansaço dos recentes jogos que foram muito pesados.

Está dentro do contexto. Em nenhum momento a Chapecoense foi humilhada ou por constrangimentos. Sempre jogou de igual para igual. Perdeu devido a acontecimentos pontuais.

Dentre os elementos que ajudaram para a derrota está a arbitragem. Validou um gol irregular e deixou de marcar um pênalti, sempre contra a Chapecoense. Arbitragem caseira. 

A festa dos torcedores do River foi espetacular. Eles não param um minuto sequer.

No resultado final fica a reclamação referente ao terceiro gol, que poderia ter sido evitado e que deixaria o jogo da volta mais quente, mas vamos em frente porque o jogo ainda não terminou .

Agora é concentração total para o jogo contra o Avaí, o novo jogo mais importante do ano.

Para ficar para sempre

segunda-feira, outubro 19th, 2015

Grêmio 2×3 Chapecoense

 

Um jogo daqueles para não esquecer jamais.

Jogar contra o Grêmio na sua Arena é parada dura para qualquer time. A Chapecoense experimentou a força do local e o revés de sair perdendo logo cedo e depois levar o segundo gol e conseguiu passar por cima de tudo isso.

Na segunda etapa a proposta de jogo foi outra, mais agressiva e ao mesmo tempo organizada e a virada foi uma questão de justiça.

Teve capacidade de marcar cedo, buscou o empate e exatamente na última bola do jogo a vitória com a frieza de Apodí para fechar a conta. Um detalhe importe é de que a Chapecoense quando virou, estava com um homem a menos, pois Vilson foi expulso.

O objetivo primeiro de escapar do rebaixamento ainda não foi alcançado, está próximo, mas é necessário não o foco.

Nos últimos três jogos tivemos uma goleada de 5×1 no Palmeiras, um empate fora contra o Vasco em 1×1 e esta vitória magnífica de virada sobre o Grêmio de 3×2, após estar perdendo por 2×0 e com um homem a menos.

Saí de Porto Alegre com a alma lavada, feliz da vida, cansado pelas viagens, mas sabendo que fora de campo fizemos a nossa parte e o melhor de tudo, dentro de campo a Chapecoense maravilhando sua torcida, mostrando para o Brasil um futebol competitivo e voltando a boa e velha forma. Coisa linda Verdão!

 

FOTO – CLEBERSON SILVA-ASSESSORIA DE IMPRENSA CHAPECOENSE. 

Agora é na Arena de Porto Alegre

sexta-feira, outubro 16th, 2015

 

Vida fácil não existe na Série A.

No domingo a barbada da hora é o Grêmio em sua suntuosa Arena. Time de qualidade sim, com muita pegada e um emergente técnico que mexeu no mercado.

A Chapecoense jogará um jogo diferente daquele do empate frente ao Vasco da Gama no Rio de Janeiro.

No jogo da Cidade Maravilhosa, havia uma obrigação de pontos, neste de Porto Alegre, creio ser menos impactante a cobrança.

Evidente que pontuar é sempre obrigação, mas para a Chapecoense não é confronto direto. Tenho a certeza de que o Grêmio e seu comando do futebol cravaram em seu planejamento que este jogo é de três pontos para eles.

Como a Chapecoense pensa jogo a jogo, que pense o jogo como sendo ela, a atiradora de elite a acertar o alvo em movimento.

O técnico gremista, Roger, emprestou ao elenco um formato de jogo competitivo. Eles sabem atacar, sabem se defender, mas acima de tudo sabem ocupar os espaços do campo com qualidade.

Para a Chapecoense é um daqueles jogos em que o técnico Guto Ferreira precisará tirar coelhos da cartola e montar algum elemento que possa surpreender o bom time do Grêmio.

Jogo em que G4 e Z4 se misturam. Para quem joga pela parte de cima é muita responsabilidade para se manter. Para quem foge do rebaixamento como a Chapecoense, que está fora da degola é jogo para se atrever. Perder é o normal. Empatar e vencer seria o surpreendente. Que sejamos a visita desagradável, portanto.

 

Um bom resultado fora de casa

sexta-feira, outubro 16th, 2015

Vasco da Gama 1×1 Chapecoense.

 

Evidente que vencer seria muito melhor, mas vamos ser compreensivos que este empate contra o Vasco foi bom, pois além de colocar mais um ponto na tabela, segurou o Vasco.

A primeira foi de muita pressão dos mandatários. Na verdade uma falsa superioridade, pois era muita bola alçada na área e pouca conclusão de verdade. No final do primeiro tempo um 0×0 justo.

Na segunda etapa a Chapecoense veio melhor, mais coesa, propondo mais o jogo, mas acabou levando o gol, de um escanteio. Fica sempre a preocupação se o time teria poder de reação. E teve. O técnico Guto Ferreira mexeu no time e o iluminado Bruno Rangel foi protagonista da jogada que culminou em pênalti. Ele bateu e converteu. Tem estrela, é preciso reconhecer. E competência também, é claro.

O técnico da Chapecoense foi bem, mai uma vez. Está com o time na mão, sabe colocar as peças em seus devidos lugares e deu sim uma dinâmica nova ao elenco.

No final das contas o resultado foi bom sim, é mais um ponto na tabela, que na fuga do rebaixamento pode fazer toda a diferença.

Pontuar no Maracanã é sempre especial. A Chapecoense já experimentou todos os resultados e ontem foi à vez de empatar.

Para o Vasco da Gama foi mais uma tragédia na sua conturbada trajetória na Série A 2015.

Não sei não se esse resultado não determina o rebaixamento do Gigante da Colina.

“Jogo a jogo”

terça-feira, outubro 13th, 2015

A Chapecoense se prepara para encarar uma maratona de jogos fora de casa. Serão três partidas seguidas no Rio de Janeiro, Porto Alegre e Buenos Aires, respectivamente, contra Vasco e Grêmio pelo Campeonato Brasileiro e o River Plate pela Copa Sul-Americana.

“É uma sequência bastante difícil, mas a gente precisa pensar jogo a jogo. O nosso pensamento agora é no Vasco e toda nossa preparação tem sido com foco no Vasco. É esse o primeiro objetivo”, referendou Elicarlos.

O volante deve ser a novidade entre os titulares no lugar de Bruno Silva, que se recupera de lesão. Wiliam Barbio, que tem vínculo com o time carioca, também desfalca a Chapecoense.

Nesta terça-feira (13), depois de uma trégua no feriado, a chuva voltou a cair no oeste catarinense. Mesmo assim, Guto Ferreira comandou um treino tático na Arena Condá.

Na manhã desta quarta (14), o Verdão fará o último treinamento em Chapecó antes das seguidas viagens. À tarde, a delegação da Chape embarca para o Rio de Janeiro.

 

FOTO E TEXTO: ASSESSORIA DE IMPRENSA CHAPECOENSE.