Arquivo para março, 2016

15 em 15

sexta-feira, março 18th, 2016

Quando começou o returno, junto com meus colegas de Rádio Chapecó AM 1330, olhamos a tabela e imaginamos 15 pontos para a Chapecoense em cinco rodadas. Algo que pode deixar transparecer muita petulância. Mas não é o caso.

Lá se foram três jogos e nove pontos já estão na conta.

Vitórias em cima de Inter de Lages (1×2), Camboriú (4×0) e sobre o Guarani (1×2). Agora serão dois jogos em casa, contra o combalido Avaí e contra o Metropolitano. Sem querer pressionar, mas já pressionando, obrigação de mais seis pontos e com eles a soma dos 15 projetados.

É possível, viável e obrigatório a essa altura do campeonato.

O Avaí está perdido em seus problemas. Sejam financeiros ou de inexperiência do elenco, que atingem o time e a comissão técnica. A derrota em casa para o fraco Camboriú escancarou deficiências e desanimou muita gente.

O Brusque tem time bem comandado pelo Ovelha, mas tecnicamente as diferenças são enormes. o jogo de lá eles foram pra cima da Chapecoense, mas quando a Chapecoense chegou ela marcou.

O que poderia parecer um projeto presunçoso já tem mais de meio caminho andado.

Grande parte da crônica esportiva ainda salva dois clubes para rivalizar com a Chapecoense em uma possível final. Apenas Joinville e Criciúma recebem votos de confiança e eles devem ser considerados sim, com muito respeito e atenção. Time com história pode virar o jogo quando menos se espera.

 

Foi de virada

quinta-feira, março 17th, 2016

Foi de virada

Guarani 1×2 Chapecoense

 

Não foi uma vitória fácil, mas também não foi de grande dificuldade. O gol do Guarani nasceu de uma bola parada com Alex Maranhão, um desvio de Cecel e a zaga parada, resultando em vantagem no marcador.

Na segunda etapa a tentativa foi com as mesmas peças, mas não houve resposta positiva e foi preciso mudar.

A primeira foi a retirada de Maranhão que saiu de campo na bronca, não cumprimentou Hyoran e nem mesmo o técnico Guto Ferreira. Problema dele.

A troca foi perfeita, a entrada no jogo do Hyoran deu outra dinâmica e somada a saída do zagueiro Marcelo e a entrada do atacante Kempes, após a expulsão do zagueiro Vagno do Guarani, mostrando coragem do técnico da Chapecoense, fez o jogo mudar. Gol de pênalti de Bruno Rangel que empatou em gols com o Índio com 62 tentos e a virada de Kempes com um belo gol na entrada da área.

A Chapecoense tem muito mais time e mereceu vencer. Eu escolhi o melhor em campo o goleiro do Guarani, Thiago Rodrigues, que praticou defesas importantes e foi decisivo em muitos momentos do jogo.

A Chapecoense está mostrando a cada jogo que tem um grupo. Time ganha jogo e grupo ganha campeonato.

 

Agora é lotar a Arena no domingo contra o Avaí que pode ser a rodada que vai fazer a diferença.

Momento Hyoran

terça-feira, março 15th, 2016

Quando a oportunidade aparece é preciso abraçá-la com força. No jogo de sábado passado, Hyoran, aproveitou a chance que apareceu após um longo espaço de tempo e carimbou dois gols. Aquele que abriu o marcador e o segundo que foi uma bela obra, de bicicleta. Ganhou destaque nos veículos de comunicação, foi premiado como o gol da rodada e tudo mais que deve acompanhar um momento como esse.

O que não deve acontecer é transformar o jogador na solução de eventuais problemas e fazer dele o novo craque do momento, tão comum em situações semelhantes.

Como atleta e jogador de futebol, Hyoran está passando por uma lapidação. Está trabalhando de forma compenetrada e foi dito que sua entrada deu-se pela boa semana de trabalho que antecedeu o jogo. É assim mesmo que deve funcionar.

Já ouvi muitas críticas em relação ao Hyoran, quando ele não teve grandes atuações, quando não foi o destaque do jogo. Em determinado momento foi colocado meio que de lado no elenco, ficando fora até da relação de atletas em alguns jogos. Voltou a trabalhar bem e quando teve mais uma chance, mostrou que tem capacidade para atuar em time de Série A.

É importante deixa-lo livre de pressões, atuando com leveza e sendo titular ou não, que ele tenha a capacidade de responder de forma positiva quando for chamado.

O garoto é sério, tem capacidade, trabalha forte e está rodeado de pessoas do bem. Deixem ele tranquilo. Ele não precisa de bajuladores.

Serviço do Jogo

terça-feira, março 15th, 2016

Chapecoense x Avaí

 

Data: 20.03.2016

Horário: 16h

Local: Arena Condá


Valores dos ingressos

  • Geral R$ 30 – mulheres podem comprar ingresso pela metade do preço – R$ 15
  • Social R$ 40 – mulheres podem comprar ingresso pela metade do preço – R$ 20
  • Cadeiras R$ 100

 

Os sócios para terem acesso à partida deverão estar com a mensalidade em dia.

Menores até 12 anos precisam retirar seu ingresso GRATUITO na sede do clube até 24h antes do jogo.

A partir de 13 a 18 anos, estudantes e idosos pagam meio-ingresso.

Vendas de ingressos

A partir de quarta-feira (16) na sede da Chapecoense das 9h às 12h e 13h30 às 18h e nos pontos de venda a partir das 9h do dia 16.

  • Posto de Marco
  • Maidana Esportes
  • Palácio dos Esportes
  • Secretária do clube
  • Barraca na Avenida Getúlio Vargas em frente ao Boticário – Sexta das 9h às 12h e 14h às 18h e no sábado das 9h às 12h.

Outras informações

  • Abertura de bilheterias da Arena no domingo (20) – 13h
  • Abertura dos portões – 14h
  • Inicio do jogo – 16h
  • Fechamento das bilheterias da Arena aos 10 minutos do 2º tempo.
  • Fechamento dos portões de acesso aos 30 minutos do 2º tempo.
  • Abertura dos portões para a saída da torcida local aos 40 minutos do 2º tempo.
  • Abertura dos portões para a saída da torcida visitante até 30 minutos após o encerramento da partida.

Atendimento na sede do clube

Haverá atendimento na sede do clube no sábado das 8h30 às 12h.

Em compasso com a seleção

segunda-feira, março 14th, 2016

A semana que passou não marcou apenas a retomada da liderança para a Chapecoense. O clube também foi comunicado oficialmente de uma notícia que tem se tornado recorrente nas últimas temporadas. A convocação para a seleção brasileira de profissionais ligados ao clube.

Anderson Paixão foi novamente convocado para a seleção brasileira principal como auxiliar de preparação física. Paixão estará com o Brasil nos próximos dois compromissos das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, contra o Uruguai no dia 25 de março, e contra o Paraguai no dia 29 de março. A primeira convocação do preparador físico da Chape foi em novembro de 2014 e desde então esteve com a seleção em 17 jogos.

“Fico muito feliz por estar mostrando o trabalho e mantendo essa sequencia na seleção. Além do reconhecimento pessoal, é principalmente um prêmio para todos nós aqui na Chapecoense”, destacou Paixão.

Quem também está comemorando a boa sequencia é o auxiliar técnico da Chape André Luiz. Pela sexta vez ele foi convocado para fazer parte da comissão técnica da seleção olímpica do Brasil. Às vésperas de definir o grupo que irá representar o país nos Jogos Olímpicos de 2016, André Luiz será o auxiliar técnico nos amistosos contra a Nigéria no dia 24 de março, e contra a África do Sul no dia 27 de março.

“Para qualquer profissional do futebol é uma meta chegar na seleção, independente da idade e da categoria. E para o clube também é muito bom. É uma divulgação, um reconhecimento para que a Chapecoense esteja cada vez mais no topo”, declarou André Luiz.

No início da próxima semana, os dois profissionais se apresentam para as respectivas seleções.

 

FOTO E TEXTO: Cleberson Silva -Assessoria de Imprensa Chapecoense.

Dois jogos em um

domingo, março 13th, 2016

Chapecoense 4×0 Camboriú

 

A primeira etapa do jogo foi medonha. Um jogo de 0×0 de dar sono em alguns e para deixar muitos outros irritados.

Até a campanha exuberante da Chapecoense ficou um pouco de lado e vaias foram ouvidas. Houve uma tentativa de manter a mesma equipe na segunda etapa, após uma boa conversa no vestiário, mas a volta da mesma formação foi pior. Antes dos 10 minutos duas trocas e a mudança de rota do jogo. Saíram, sob vaias, Silvinho e Ananias. Entram sob aplausos Maranhão e Hyoran.

Em três minutos um gol e mais dois minutos um espetacular de bicicleta, dois de Hyoran. O jogo mudou. Para chegar aos 4×0 foi apenas uma consequência.

Um parêntese. Houve um erro no intervalo. As retiradas de Silvinho e Ananias eram obrigatórias, pois eles não jogavam bem. Foram reconduzidos ao jogo e substituídos com menos de 10 minutos. Foram vaiados e retribuíram com gestos aos torcedores, chutes em garrafas de água e não comemoram os dois primeiros gols. Um desgaste desnecessário por culpa da teimosia em não mexer no time no intervalo.

No primeiro tempo a Chapecoense esteve lenta e me pareceu com uma dose de soberba em campo. Deixando transparecer que poderia resolver o jogo quando bem entendesse.

Quando jogou com afinco e determinação foi a Chapecoense superior de sempre.

A entrada de Maranhão mostrou sua imprescindível titularidade. O gol de Kempes deixa aberta a briga pelo comando do ataque. Os dois gols de Hyoran renovam suas possibilidades no elenco. Dois jogos e duas vitórias no returno deixam todos em alerta para a conquista do returno por parte da Chapecoense.

A Chapecoense dos 10 minutos da segunda etapa até o final, anima.

 

FOTO – ASSESSORIA CHAPECOENSE. 

Festa e jogo

sexta-feira, março 11th, 2016

Time de futebol bom é aquele em que o torcedor faz a festa nas arquibancadas e dentro de campo ele joga de verdade, sem dimensionar o adversário, seja ele grande ou de menor expressão.

O que eu espero da Chapecoense na tarde de sábado frente ao Camboriú é aplicação máxima, disciplina tática e jogar como vem jogando, aplicada e vencendo a maioria dos jogos.

Os números que separam a Chapecoense do Camboriú são marcantes. É uma comparação entre a melhor campanha da competição contra o 9º aproveitamento entre 10 times.

O Camboriú venceu um jogo, a Chapecoense oito.

A Chapecoense marca 26 pontos no geral contra sete do seu adversário.

O interessante é que o Camboriú marcou 15 gols, exatamente o que marcou a Chapecoense. A diferença foi a vitória do time do Litoral com um placar de 6×1 sobre o Guarani, o lanterna da competição.

Outra grande diferença é o número de gols sofridos, já que a Chapecoense levou apenas quatro, enquanto que o Camboriú sofreu 16 gols.

É o típico jogo em que a Chapecoense joga apenas pela vitória. Outro resultado não pode ser aceito. Ao Camboriú cabe armar alguma surpresa, jogar como se fosse uma decisão, mas não creio em tenha animação e também é preciso reconhecer a diferença de qualidade entre os elencos.

Nas arquibancadas a festa em homenagem as mulheres. Dentro de campo um jogo de aplicação. Se for assim, a festa estará completa.

 

FOTO – AGÊNCIA RBS

A Chapecoense na Série A 2016

quinta-feira, março 10th, 2016

A tabela básica foi divulgada na tarde de hoje

Chapecoense estreia no Brasileirão contra o Internacional em Porto Alegre. 14 ou 15/05.

Segunda rodada: America-MG em Chapecó.

Terceira rodada: Flamengo fora

Quarta rodada: Santa Cruz em Chapecó

Quinta rodada: Coritiba x Chapecoense

Sexta rodada: Chapecoense X Fluminense

Sétima rodada: Ponte Preta x Chapecoense

Oitava rodada: Chapecoense x Grêmio

Nona rodada: Vitória x Chapecoense

Décima rodada: Chapecoense x Atlético Paranaense

Décima primeira rodada: Sport x Chapecoense

Décima segunda rodada: Chapecoense x Cruzeiro

Décima terceira rodada: Santos x Chapecoense

Décima quarta rodada: Chapecoense x Corinthians

Décima quinta rodada: Figueirense x Chapecoense

Décima sexta rodada: Chapecoense x Botafogo

Décima sétima rodada: São Paulo x Chapecoense

Décima oitava rodada: Chapecoense x Palmeiras

Décima nona rodada: Atlético Mineiro x Chapecoense

Depois é só inverter os mandos de campo.

Nesta temporada, ao contrário das outras duas de Série A, a Chapecoense começará fora e fechará a conta em casa.

 

 

Comando do ataque

segunda-feira, março 7th, 2016

Ele pode até negar, mas Guto Ferreira não está satisfeito com o rendimento dos homens contratados para atuar no comando do ataque.

No jogo contra o Inter de Lages. Guto Ferreira utilizou suas duas opções e curiosamente cada um marcou um gol.

A primeira opção foi por Kempes. O atacante vindo do Joinville carrega uma enorme desconfiança por parte do torcedor, da imprensa e para a comissão técnica e diretoria é uma aposta, apesar de ser um atleta experiente.

A segunda opção foi Bruno Rangel. De contrato renovado, perto de realizar o feito de se transformar no maior goleador da história da Chapecoense, ele anda reclamando, está insatisfeito com sua condição no time e disse para pessoas próximas que não está feliz com o técnico. Entrou no jogo de domingo e deixou a sua marca.

Na verdade a Chapecoense está carente de um homem de área mais definidor. O ano de Bruno Rangel foi o da temporada da Série B. Já Kempes vem de um Joinville rebaixado e de uma temporada ruim no ano passado.

Falta para Kempes uma melhor ambientação e mais confiança. No caso de Bruno Rangel ele precisa parar de reclamar, de se achar dono da posição e saber que a palavra final é do técnico, seja ele quem for.

Um dirigente me disse que Bruno Rangel deixa a desejar na hora da preparação física. O atleta foi cobrado.

Está na hora de uma contratação para a posição. A Chapecoense está procurando, mas me parece que o empenho não é do tamanho da falta de eficiência dos atacantes, até aqui, na temporada.

Sinceramente, com Bruno Rangel e Kempes a situação não muda, em relação a eles, até o final da temporada. É isso aí.

Venceu o melhor

domingo, março 6th, 2016

Inter de Lages 1×2 Chapecoense

 

Começo com uma reclamação, na verdade uma constatação. A qualidade do campo de jogo do estádio Vidal Ramos Júnior em Lages é muito ruim. Irregular e com aquela grama comum. Nivela o jogo por baixo e faz as equipes mais técnicas sofrerem uma barbaridade.

O Inter de Lages também perde com a qualidade deficitária do gramado.

O jogo de ontem teve muita velocidade e vontade de sobra de parte a parte, mas tecnicamente ficou devendo, muito pelo gramado. A preparação física do Inter deixou a desejar e a equipe pregou já na primeira etapa.

Um dos grandes erros do Inter foi tentar cavar penalidades o tempo todo. Na primeira etapa houve um tiro indireto dentro da área da Chapecoense para alguns um ET havia pousado no Tio Vida. Falta bem marcada pela arbitragem e bisonhamente desperdiçada pelo Inter.

Se a bola não rolava no gramado ruim o negócio foi fazer ela chegar pelo alto. Duas vezes, dos pés do impecável Cleber Santana a bola voou com mira laser para as cabeças de Kempes e Bruno Rangel. Cada um fez o seu e mais uma vitória foi construída.

O gol de desconto do Inter recolocou o time no jogo, mas a falta de tarimba foi marcante e na base do desespero nada funcionou, A Chapecoense é muito mais time e ganhou até com facilidade.

Agora são 10 jogos, com oito vitórias e dois empates da Chapecoense. São 15 gols marcados e quatro sofridos.

Uma campanha que arrepia a turma que deseja uma decisão em dois jogos.

E vamos em frente.