Arquivo para julho, 2016

Aberta para reformas

domingo, julho 10th, 2016

A Chapecoense foi derrotada em casa pelo Corinthians na tarde de sábado por 2×0. Perder para o Corinthians não carrega nenhuma anormalidade, mas uma análise é necessária devido ao momento da Chapecoense.

No jogo de sábado o primeiro tempo da Chapecoense foi bom. Teve o controle do jogo e poderia ter saído na frente, mas não o fez.

Veio a segunda etapa e com ela a superioridade do Corinthians que tomou conta do jogo, logo abriu o placar, teve inúmeras chances para ampliar e chegou apenas aos 2×0. Poderia ter sido uma goleada constrangedora, não fosse no mínimo umas três ou quatro defesas importantes do Marcelo Boeck e um gol mal anulado.

O sinal de alerta está acionado. A defesa da Chapecoense se transformou em uma peneira que sofreu 12 gols em quatro jogos. Continuando assim a zona de rebaixamento é uma certeza.

Some a isso a pobreza de gols marcados, que nos mesmos quatro jogos soma quatro tentos. Nos últimos 15 pontos a Chapecoense conquistou quatro.

O técnico Caio Júnior terá mais uma semana inteira para trabalhar o time e modificá-lo, pois fica evidente que a Chapecoense precisa de reformas.

Os problemas estão principalmente na zaga, frágil e instável emocionalmente. A expulsão de William Thiego, mais uma, é prova disso.

O meio de campo roda bastante a bola, mas efetivamente tem feito pouco na hora de servir os atacantes. Muita ligação direta por conta disso.

O esquema tático também está errado. Jogar com três jogadores na frente está abrindo o time e tornando-o presa fácil.

Com mais uma semana de trabalho o técnico Caio Júnior precisa acertar o time e já terá tido tempo suficiente para saber quem é quem no seu elenco.

E a Chapecoense precisa contratar no mínimo um atacante, com característica diferente dos que já estão aí, com mais imposição física.

A grande preocupação está mesmo é na defesa. O que outrora representava uma fortaleza, hoje não mais.

Se continuar assim em duas rodadas estaremos na zona de rebaixamento. O limite não pode ser ultrapassado.

 

 

Chegou a hora

sexta-feira, julho 8th, 2016

 

 

Na tarde deste sábado (amanhã), às 16:30, a Chapecoense encara o Corinthians na Arena. Um jogo que dispensa apresentação.

O Corinthians é único dos grandes que a Chapecoense ainda não venceu.

O técnico Caio Júnior, pela primeira vez, teve uma semana inteira para trabalhar o time e conhecer melhor seu elenco. E isso faz uma grande diferença.

As voltas dos alas Gimenez e Denner é fato a ser comemorado efusivamente. Coma suspensão de Josimar, Sergio Manoel entra em seu lugar.

Com certeza o time terá outra consistência defensiva, será mais forte na marcação de meio e alas.

O jogo exigirá da Chapecoense atenção o tempo todo e terá de ser esta a apresentação do erro zero.

Primeira providência é não sair perdendo novamente. Em 13 jogos a Chapecoense saiu atrás do placar em nove deles.

Quem anda de regime nos gols é Bruno Rangel. E todos sabemos que ele é o cara dos grandes jogos, então tenho a forte impressão de que ele se consagra na tarde de hoje. É jogo com a marca de BR9.

O Corinthians é vice-líder com 25 pontos e está correndo atrás da liderança. Vive ainda um momento de afirmação de seu novo comando técnico e tem elenco de qualidade.

O grande desafio da Chapecoense é primeiro melhorar em relação a ela mesma. Ser melhor do que o Corinthians será uma consequência disso.

A mesma pegada e mesma forma arrojada de jogar como foi contra o Cruzeiro, me serve.

O Corinthians se preparou para o jogo dentro de uma normalidade e deu muita atenção ao longo da semana para a renovação de contrato do zagueiro Vilson e para o retorno de Pato. O olhar corintiano em relação a Chapecoense foi pouco explorado.

Jogo para casa cheia. A diretoria da Chapecoense trabalha por baixo com público de 14 mil. O setor dos visitantes estará lotado e mais de 30 excursões estão confirmadas.

Vitória da Chapecoense ajeita a casa e Caio Júnior terá mais uma semana para trabalhar antes de jogar em Florianópolis contra o Figueirense.

Uma derrota vai desencadear uma crise e a semana será um inferno! Uma vitória hoje, tenho certeza, encaminha o resto da temporada. Exagero? Não.

Fator Corinthians

quarta-feira, julho 6th, 2016

 

Jogar contra o Corinthians é sempre uma missão grande e complicada. Pode não ser o mesmo time do ano passado, mas tem qualidade e um comando técnico que busca afirmação.

O compromisso de sábado para a Chapecoense carrega além do potencial do jogo uma referência para a sequência da Série A.

Uma derrota para o Corinthians não é nada vergonhoso, dependendo do tamanho é claro. Mas ela não pode ser considerada no domingo. O momento da Chapecoense exige uma vitória. Uma derrota representará uma perigosa aproximação da zona de rebaixamento, determinará problemas com alguns jogadores que deverão ser afastados do time e a comissão técnica cairá em descrédito com o torcedor e isso instalará obrigatoriamente uma crise. Um cenário muito ruim.

Ao passo de uma vitória remeterá a Chapecoense para um estágio mais tranquilo na tabela e recuperará a autoestima de todos.

A pressão está sobre a Chapecoense como ainda não esteve este ano. A semana inteira de trabalho precisa conduzir o grupo para um outro patamar. O técnico Caio Júnior, ainda em fase de adaptação, terá de tomar decisões ainda com muito auxilio do departamento de futebol.

E será preciso que o grupo feche com o novo comando, assim como foi feito contra o Cruzeiro em uma noite memorável.

É jogo em que a Chapecoense não poderá repetir aquilo que fez em nove dos 13 jogados até aqui na Série A 2016 que é sair perdendo.

Contra o Santos o grupo sentiu o poder de time grande que sai na frente. Com o primeiro gol sofrido em Santos a Chapecoense fichou nocauteada em pé e se tornou presa fácil. Terá de ser o jogo do erro zero.

Tenho a certeza que será o jogo mais importante da Chapecoense na Série A 2016. Não pelo tamanho do adversário, mas sim pelo momento de transição. A Chapecoense precisa começar a marcar terreno na primeira página da competição.

A pior defesa

terça-feira, julho 5th, 2016

 

Hoje a Chapecoense carrega a marca de pior defesa da Série A com 13 rodadas realizadas. São 23 gols sofridos.

Desde o estabelecimento dos pontos corridos, em apenas uma oportunidade uma equipe com a pior defesa escapou do rebaixamento. E mesmo assim, com a pior defesa, com uma troca intensa de zagueiros devido as lesões e com a tentativa de troca de goleiro, mesmo assim, com 23 gols sofridos a Chapecoense detém a 11ª melhor campanha.

O grande desafio de Caio Júnior é dar consistência a defesa. O esquema adotado está deixando a Chapecoense muito vulnerável nas alas, sem uma marcação mais pesada no meio de campo, com muitas trocas na dupla de zaga fica evidente a necessidade de maior adaptação e com os goleiros o caso é de uma conversa muito reservada para saber o que está acontecendo.

O fato é de que do jeito que está não pode ficar.

Em 13 jogos a Chapecoense saiu perdendo em nove. Perdeu três vezes, o que quer dizer que teve a capacidade de buscar nove resultados entre as quatro vitórias e seis empates.

Com uma semana inteira para trabalhar o técnico Caio Júnior poderá finalmente desenvolver um trabalho um pouco mais detalhado. Será preciso espantar a sobra de Guto Ferreira e definitivamente adaptar a equipe ao seu estilo. Demora um pouco ainda para o time ter a sua assinatura, mas não tem mais como esperar.

A semana vai determinar algumas novidades, eu acredito, mas a grande mudança é de atitude e posicionamento.

Perder na Vila Belmiro quase todo mundo perde. O que pesa no momento são os jogos mais recentes.

Sem técnico a Chapecoense foi atropelada pelo fraco Sport por 5×1. Venceu o Cruzeiro por 3×2 e levou mais um 3×0 do Santos na Vila. Nos últimos três jogos foram 10 gols sofridos. É muita coisa!

Corrigindo isso a Chapecoense terá de volta o seu equilíbrio. O desafio é urgente e determinante para o sucesso da Chapecoense na competição. Se não mudar, afunda.

Mais um sacode

domingo, julho 3rd, 2016

 

 

Santos 3×0 Chapecoense

 

Em três anos de Série A, a Chapecoense perdeu os três jogos na Vila Belmiro e dois dos jogos pelo placar de 3×0 e mais um por 3×1. Ou seja, está 9×1 para os Meninos da Vila. Pura bucha!

Sobre o jogo de ontem. O primeiro tempo da Chapecoense foi muito bom. Soube marcar e teve no mínimo duas oportunidades para definir o jogo. Não fez. Segurou bem o jogo até os 16 minutos da etapa final, momento em que sofreu o gol e se desorganizou totalmente em campo.

Acabou se transformando em presa fácil para o bom time do Santos que não estava lá em uma de suas melhores tardes.

Notas importantes. Em 13 rodadas a Chapecoense saiu perdendo em nove deles. O goleiro Marcelo Boeck chama gol, que coisa! Falhou no segundo gol. A zaga vai se desmontando a cada jogo. Agora o Rafael Lima é quem saiu lesionado.

A primeira grande providencia na Chapecoense é detectar o porquê desta síndrome de quase sempre sair perdendo, causando desgaste excessivo e colocando a chapecoense com 23 gols sofridos em 13 rodadas. É muita coisa.

Na ala direita nada mais justifica a presença de Claudio Winck. Jogador que compromete em todos os jogos que entra.

O goleiro Marcelo Boeck está na mira do torcedor. Suas atuações, em todos os jogos, contém no mínimo uma falha grave. Não pode. Não passa confiança. É ritmo de jogo? Pode ser, mas a Chapecoense não pode ficar refém desta situação.

A informação de que o Gimenez teve uma lesão muscular chegou antes para a imprensa do que para o Departamento de Futebol. O dirigente Mauro Stumph reclamou disso e criticou publicamente a situação.

O certo é que existe um trabalho grande a ser feito. O time precisa se reforçar e precisa investir na defesa.

Agora é trabalhar muito forte para encarar um Corinthians na tarde de sábado, time que atropelou o Flamengo nesta rodada.